Pular para o conteúdo principal

Resenha | O Caderno Rosa de Lori Lamby - Hilda Hilst

Editora: Globo
Páginas: 128
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado em 1990.


O livro, em grande parte escrito na forma de diário, apresenta uma menina de oito anos que vende seu corpo incentivada por seus pais proxenetas. A obra é, sim, obscena e põe em cheque a moralidade dos leitores, pois é quase impossível realizar uma leitura frígida dos relatos de Lori Lamby. Mas, apesar do impacto inicial causado pelo tema da pedofilia, o livro vai muito além. A própria literatura é alvo de obscenidades: gêneros intercalados, cartas, relatos, citações pervertidas de grandes autores como D. H. Lawrence, Henry Miller ou Georges Bataille e um Caderno negro dentro do Caderno rosa de Lori. Aquilo que, a princípio, aparece no texto como possíveis e singelos erros de escrita de uma criança recém-alfabetizada aponta para um estudo lexicológico, para uma etimologia das sensações fazendo soluçar a gramática."O Caderno Rosa de Lori Lamby" ainda guarda um segredo sobre o verdadeiro narrador da história. Apesar da obviedade do título sugerir que a pequena Lori Lamby é a narradora-personagem de seu caderno, é possível levantar dúvidas a esse respeito já que seu pai - gênio incompreendido - resolve escrever "bandalheiras" seguindo o conselho de seu editor.Neste ponto reside o aroma de crítica ao mercado editorial e a sua avidez por best-sellers e temas consagrados como a pornografia.

Tendo em mente a precisão da sinopse deste livro, vou tentar me ater mais as minhas impressões sobre o livro do que a sinopse do mesmo.

Até porque basicamente o livro é o diário de uma menina que é explorada sexualmente, vendida pelos pais e por sua própria vontade, e gosta disso.

O choque ao ler este livro é inevitável, assim como perpassar por alguns sentimentos como repulsa, aversão e desconfiança. Desde as primeiras páginas, o leitor é surpreendido pela boa-vontade da menina em agraciar amigos dos pais com favores sexuais, sem nos poupar dos detalhes sórdidos dessas relações.

Já aviso que não vai ser o tipo de livro que agrada a todos os leitores. Tem de se manter a mente aberta e apreciar a tentativa da autora em mostrar algo de diferente. Eu vi uma entrevista com a Hilda no YouTube em que ela falava, basicamente, que revolveu escrever este tipo de literatura para chocar mesmo. Disse que cansou de escrever "literatura cult" e não poder pagar as contas, por isso, chutou o balde e escreveu Lori Lamby. Não sei até que ponto acreditei na autora, também, é outro ponto a se discutir. Enfim, fica para os fãs da autora ou cada leitor decidir por si só.

Achei o livro muito, mas muito mais chocante que Lolita e de leitura mais prazerosa - se é que se pode usar essa palavra em referência a um livro que aborda pedofilia. Li em uma sentada, pro choque tomar forma de vez mesmo.

Sobre a polêmica de "quem é o narrador", que parece cercar o livro. Não sei se poderia acrescentar. Da mesma forma que até hoje não sei se a Capitu traiu o Bentinho ou não, não sei dizer se o narrador é a Lori ou o pai dela (chuto na Lori mesmo).

Enfim, é o tipo de livro que só deve ser lido se você realmente se interessou pelo fator choque da sinopse. Senão, pode ser que você deteste o livro.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.


Comentários

  1. Olá!

    Eu leria esse livro tranquilamente. Gosto desse tipo de história incomum, em que a protagonista nos surpreende...

    resenhaeoutrascoisas.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Vi na Livraria | A Taberna - Émile Zola

Um livro depravado do século XIX.