Pular para o conteúdo principal

Projeto 1001 #7.3 | A Vida, o Universo e Tudo Mais - Douglas Adams

Guia do Mochileiro das Galáxias #3
Editora: Arqueiro
Páginas: 160
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 1982 com o título de Life, The Universe and Everything

Após as loucas aventuras vividas com seus estranhos amigos em O Guia do Mochileiro das Galáxias e O Restaurante no Fim do Universo, Arthur Dent ficou cinco anos abandonado na Terra Pré-Histórica. Mesmo depois de tanto tempo, ele ainda acordava todas as manhãs com um grito de horror por estar preto àquela monótona e assustadora rotina.
Talvez Arthur até preferisse continuar isolado em sua caverna escura, úmida e fedorenta a encarar a próxima aventura para a qual seria forçosamente arrastado: Salvar o Universo dos temíveis robôs xenófobos do planeta Krikkit.
Este é o terceiro volume da "trilogia de cinco" de Douglas Adams, um dos mais cultuados escritores de ficção científica de todos os tempos. Seu humor corrosivo e sua habilidade em criar situações improváveis tornam seus livros fundamentais para qualquer um que tenha a capacidade de debochar de si mesmo. 
Usando o planeta Krikkit como paródia da nossa sociedade e das guerras raciais, Adams cria uma história divertida, inteligente e repleta dos mais inusitados significados sobre a vida, o Universo e tudo mais.



Eu adorei O Guia do Mochileiro das Galáxias, ri muito com O Restaurante no Fim do Universo e este terceiro livro ficou um pouco para trás.

Arthur e Ford estão presos na terra pré-histórica, e lá passam cinco anos beirando a loucura. Salvos graças a um sofá que os transporta no espaço e no tempo, retomam suas aventuras intergalácticas.

Eu achei que esse terceiro livro deixou a desejar. Poucos foram os momentos que ri, poucas foram as surpresas fantásticas preparadas pelo autor. Na verdade, poderia até dizer que esse livro cai no esquecimento assim que é lido. As características que mais gostei nos anteriores se perdem nesse exemplar. 

Achei o livro um pouco bagunçado, me perdi várias vezes em que perspectiva estava acompanhando, esquecia onde cada personagem estava.

É claro que não foi um livro ruim. Ele continua na média, porém, em comparação com seus antecessores, se perdeu. Ainda pude rir com, por exemplo, um ser cuja missão de vida é xingar todas as pessoas do universo. Só acho que faltou criatividade para desenvolver esse livro, característica que tinha sobrado nos anteriores.

Só faço um "à parte" para dizer que: ao mesmo tempo que encontrei resenhas emitindo a mesma opinião da minha, encontrei pessoas falando que esse é o melhor livro da série. Lembrando que, gosto é gosto, né? Vai que vc adora o livro...

Espero que os próximos volumes compensem esse terceiro, que realmente foi desnecessário.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever