Pular para o conteúdo principal

Resenha | O Último Homem do Mundo - Tais Cortez


Editora: LER
Páginas: 224
Estrelas: ✬✬✬✬
Publicado em 2014.


Amanda é uma garota rebelde e problemática. Filha de Patrícia Oliveira, uma atriz mundialmente famosa, ela se ressente do comportamento da mãe, que trabalha demais e dedica seu pouco tempo livre para namorar. Depois de ser expulsa dos três últimos colégios, Amanda é matriculada contra sua vontade no Educação de Elite, o colégio interno mais renomado do país, onde apenas os filhos da elite nacional estudam. Determinada a conseguir mais uma expulsão, ela é capaz das maiores loucuras, mas seus planos acabam sendo frustrados por suas colegas de quarto, por uma inspetora intrometida e um diretor paciente. Lá ela também conhece Ricardo, o garoto mais popular e mulherengo do colégio. A atração entre eles é imediata, mas isso não impede que se odeiem ferozmente e que façam de tudo para prejudicar um ao outro. No entanto, o destino os forçará a unirem forças por um bem maior, e Amanda perceberá que, às vezes, o último homem do mundo de sua consciência pode ser justamente aquele que seu coração decide escolher.



Como vocês sabem, eu já conheci o trabalho da Tais como autora de fantasia, com o livro Golfinhos e Tubarões, e adorei a experiência - aliás, estou aguardando ansiosamente o segundo livro da série. Agora, tive a oportunidade de a conhecer como romancista, e não é que gostei?

Amanda, depois de várias expulsões, troca de colégio novamente e lá conhece o último homem do mundo com quem ela ficaria. Nas primeiras páginas do livro, eu tive que concordar com a protagonista, e até duvidei da capacidade dele me conquistar posteriormente no livro - mas acabou conquistando.

Ambos são meio revoltados com a vida, por razões semelhantes. Enquanto ela se sente rejeitada pela mãe e busca atenção sendo expulsa de colégios, ele se dá mal com ambos os pais e busca consolo em pessoas erradas ou de maneiras não tão corretas.

O livro trata do romance dos dois, porém, é permeado por vários outros assuntos. Como o colégio de elite, vida de celebridades, já que ambos os protagonistas tem pais famosos/importantes, tem amizades legais e gente chata e tem uma parte, que é o que une os dois protagonistas, de um projeto não-governamental de ajuda aos necessitados do bairro.

Eu fiquei um tanto receosa quando a autora inseriu esse tal projeto, pois ele é organizado por uma entidade religiosa. E eu não gosto de livros religiosos, PORÉM, ela soube dosar os valores católicos (que, convenhamos, mesmo que vc seja ateu, amor e respeito são universais) com o romance, sem pesar, nem doutrinar ninguém. Fica bem claro na leitura que, embora a organização seja religiosa, esse não é o foco do livro.

Se eu tivesse que reclamar, diria que o livro é tão curtinho. Devorei numa tarde e fez falta depois. Mesmo duvidando que o mocinho fosse me conquistar no final, ele deu a volta por cima e gostei bastante do romance entre os dois.

Como já disse, esse é o segundo livro que leio da autora e cada vez gosto mais. É literatura nacional de qualidade, seja em fantasia, seja em romance. Esse é um livro super gostoso para se ler quando precisar de um toque de amor na vida.

Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

  1. Oiii, Rafa
    Que resenha mais fofa...adorei!
    Fico muito feliz por não só ter gostado de GET, mas ter curtido esse meu lado mais romancista rss
    Q venha a continuação de GET agora, certo? rsss
    Obrigada pelo carinho!
    Bjssss
    e sucesso ao blog :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever