Pular para o conteúdo principal

Filme | Star Wars - Episódio IV - Uma Nova Esperança

Olá tudo certo por ai?

Como no ultimo dia 4 de maio era o “Dia de Star Wars”, eu não poderia deixar passar essa data em branco (mas deixei). Enfim, eu já havia programado na minha cabeça que o filme do domingo passado seria Os Vingadores, por isso só trago agora mais uma (des)análise minha, e dessa vez, Star Wars – Uma Nova Esperança.

Bora para a ficha técnica?



Titulo Original: Star Wars - Episode IV - A New Hope
Lançamento: 18 de Novembro de 1977 (No Brasil)
Com: Alec Guinness, Carrie Fisher, Harrison Ford, Mark Hamill e mais.
Dirigido por: George Lucas
Duração: 121 minutos
Gênero: Ação, Aventura, Fantasia, Ficção Científica.

Sinopse: Luke Skywalker (Mark Hamil) sonha ir para a Academia como seus amigos, mas se vê envolvido em uma guerra intergalática quando seu tio compra dois robôs e com eles encontra uma mensagem da princesa Leia Organa (Carrie Fisher) para o jedi Obi-Wan Kenobi (Alec Guiness) sobre os planos da construção da Estrela da Morte, uma gigantesca estação espacial com capacidade para destruir um planeta. Luke então se junta aos cavaleiros jedi e a Han Solo (Harrison Ford), um mercenário, e junto com membros da resistência tentam destruir esta terrível ameaça.

                Star Wars é um filme de 1977, ou seja, alguns aninhos atrás, então não vou me preocupar com possíveis spoilers, então se vai ler e ainda não assistiu, saiba que é a sua conta que está em risco.
                Bom, Star Wars – Episodio IV – Uma Nova Esperança foi o filme que consagrou George Lucas nos cinemas, um filme com efeitos revolucionários para a sua época. Com uma história se não perfeita, muito próximos disso, com personagens marcantes e bem trabalhados, e uma simplicidade (a meu ver) incrível.
                E os personagens marcantes e bem trabalhados são um dos pontos chave que fazem a história funcionar bem. Eles não são personagens jogados dentro de uma narrativa, eles têm papel fundamental nela, e o fazem muito bem, dando sentimento a história. É tudo muito bem definido: temos Luke, o mocinho aparentemente simples, mas que se torna peça fundamental para a trama. O contraponto ao idealismo e a ingenuidade de Luke, Han Solo, o malandro, galante, atrapalhado e boa pinta. Princesa Léia, que trás todo o charme feminino, e seus ideais para a história. E claro Obi-Wan Kenobi (ou Ben Kenobi), o mentor do mocinho, e com uma história com o vilão.
                Também temos os personagens “cômicos” como o companheiro estranho do Han Solo, Chewbacca. Os dois androides C3PO e R2D2 (o gordo e o magro feito de lata).
                E pra finalizar os personagens, temos o fantástico Darth Vader, um vilão com “presença de palco”, com características únicas, que o tornam marcante.
                Acho que um dos grandes méritos para Star Wars são os personagens, muito bem trabalhos. Quando eu assisto Star Wars, eu não preciso ficar pensando “como esse mundo louco funciona?”. O filme consegue nos prender na história de cada personagem, e no sentimento que cada um deles transmite. Nós não precisamos pensar em como o mundo de Star Wars funciona, sabemos exatamente a motivação de cada personagem, como por exemplo, o que faz com que Luke lute contra o Império, o porque do Han Solo voltar para ajudar os rebeldes, e assim por diante.
                Uma das coisas que menos vemos nesse primeiro filme da trilogia, são os famosos sabres de luz. Um dos objetos que marcou e consagrou Star Wars, é pouco utilizado nesse primeiro filme. Se não me engano ele aparece em uma cena no bar, depois com Obi-Wan ensinando o Luke na nave do Han Solo, e na fantástica cena de luta entre Darth Vader e seu antigo mestre Obi-Wan Kenobi.
                Acho que se Star Wars tem uma falha, seria nas partes finais. Acho que por George Lucas não saber se o filme ia render uma continuação, ele fez Uma Nova Esperança, com inicio, meio e fim. E pra mim, essa pequena falha se resume ao ataque a Estrela da Morte, pra ser mais exato a chegada a base rebelde. Aparenta que não deu tempo deles analisarem as plantas da Estrela da Morte, pra mim fica algo do tipo: “Vamos atacar aquela base foda do Império e seja o que Deus, digo, a Força queira”. Mas de resto está tudo perfeito, a cena do ataque a Estrela da Morte e o final em si. 

Bah: Nada de mais, só dizer que “A força estará com você, sempre”.

E você, já assistiu Star Wars? O que achou? Não poupe o seu teclado, deixe um comentário.
Ah! E pra finalizar de vez, também deixe um comentário indicando algum filme que mereça a minha (des)análise.



Comentários

  1. Sou superfã de Stars Wars...já revi várias vezes. Adoro Darth Vader, as cenas de lutas e o tipo de humor meio irônico. Acho que os diálogos deixam a desejar, mas nunca canso de assistir os filmes.
    Gosto bastante do seu modo de escrever. Continue assim!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi. Realmente, os diálogos deixam um pouco a desejar, mas não sei pra ti, mas pra mim os sentimentos que são transmitidos das personagens só me faz esquecer essas pequenas "falhas" técnica. Hehe.

      Obrigado, vou tentar continuar assim, sempre tentando melhorar ;)

      Excluir
  2. Sou superfã de Stars Wars...já revi várias vezes. Adoro Darth Vader, as cenas de lutas e o tipo de humor meio irônico. Acho que os diálogos deixam a desejar, mas nunca canso de assistir os filmes.
    Gosto bastante do seu modo de escrever. Continue assim!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever