Pular para o conteúdo principal

Resenha | Um Anjo para mim - Bento Brasil

Publicação independente - Amazon
Páginas: 151
Estrelas: ✬
Skoob
Publicado em 2014.

Rafaela, é locutora de rádio e tenta vencer na vida, porém quase tudo que faz da errado. Teve vários namorados mas não conseguiu amar nenhum. Ao discutir com seu pai por causa do namorado Ricardo, ela pede ajuda a Deus. Um homem misterioso começa a deixar bilhetes para ela mostrando o caminho que deve seguir. Ela acaba o namoro, porém Ricardo não aceita e lhe ameaça. O homem misterioso se apresenta para ela e diz chamar-se Gregório. A vida de Rafaela começa a tomar novo rumo. Coisas sem explicação começam a acontecer. Conseguirá Rafaela se apaixonar? Ela terá sucesso em sua carreira?

Esse é de longe o pior livro que eu li neste ano e talvez na vida inteira. Além de ser uma história desinteressante, lugar comum, foi ofensivo em partes e me assusta que tais ideias sejam postas da maneira que foram nesse livro. 

Por motivos bastante egocêntricos, comprei esse e-book pelo nome da protagonista, Rafaela. Ela é uma radialista, tem uma filha e nada dá certo na sua vida. Ela mora com os pais e namora um cara chamado Ricardo, que não é o cara certo para ela. Até que pede ajuda a Deus e um anjo entra na sua vida.

A construção dos personagens é extremamente rasa - para não dizer inexistente. Ricardo, segundo a protagonista, é um canalha, cafajeste e nós temos que acreditar na palavra dela. Não há nenhum background do relacionamento dos dois, ela não nos dá motivos para ele ser dessa forma. Além dele, todos os homens do livro são canalhas, também sem motivos. Assim como as personagens femininas, que são todas putas (palavra usada no livro).

O livro é cristão. O anjo é bastante bíblico, enviado por Deus para guiar Rafaela. Ele a ajuda na carreira e nos relacionamentos, além de outras situações ao longo do livro. E é nesse contexto que, na minha opinião, está o grande "pecado" do livro. Por mais que o anjo seja enviado por Deus, por mais que existam citações bíblicas ao longo do texto, ele cheira a intolerância e violência.

Se você pretende ler esse livro e é sensível a spoilers, recomendo que pule esse parágrafo. Em certa altura da narrativa, Rafaela é quase estuprada, sendo salva pelo anjo. Ela volta ao trabalho e acompanhada do segurança da rádio, ela volta ao lugar que o quase-estuprador está desacordado, o segurança mata o cara, diz para ela não contar para ninguém e pronto. Ela vai para um bar encontrar as amigas e nada mais é dito sobre o assunto. Sério mesmo? Eu me senti enojada, ofendida no âmago. Cadê o respeito? Perdão? Não julgamento? Para onde foram os ideais cristãos do livro? E isso é só para citar UMA situação nonsense do livro.

Parece que o autor juntou um punhado de temas sensíveis, tabus sociais numa tigela e foi inserindo no livro, sem muitas explicações, com resoluções simples. Estupro, violência doméstica, pedofilia, política e violência foram os ingredientes que ele jogou no liquidificador. "Direitos humanos são só para pessoas de bem" é uma das mensagens do livro, além da defesa dos justiceiros.

Eu não costumo ler livros cristãos, porém, dos que li, a mensagem maior sempre foi de respeito, perdão e tolerância. Amor ao próximo. Você não vai encontrar nada disso nesse livro. Não bastasse isso, a história é desinteressante, a escrita é ruim (e cheia de erros gramaticais) e o final é previsível. Sério, salvem-se! Fujam enquanto é tempo!

Deixe sua opinião nos comentários!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever