Pular para o conteúdo principal

Resenha | As Violetas de Março - Sarah Jio

Editora: Novo Conceito
Páginas: 340
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2011 com o título de The Violets of March

Emily Taylor é uma mulher jovem e escritora de sucesso, mas não gosta muito de seu próprio livro. Também tem um casamento que parece ideal, no entanto ele acabará em divórcio. Sentindo que sua vida perdeu o propósito, Emily decide fazer as malas e passar um tempo em Bainbridge — a ilha onde morou quando menina — para tentar se reorganizar.Enquanto busca esquecer o ex-marido e, ao mesmo tempo, arrumar material para um novo — e mais verdadeiro — livro, um antigo colega de escola e o namorado proibido da adolescência tornam-se seus companheiros frequentes. Entretanto, o melhor parceiro de Emily será um diário da década de 1940, encontrado no fundo de uma gaveta.Com o diário em mãos, Emily sentirá o estranhamento e a comoção causados pela leitura de uma biografia misteriosa que envolve antigos habitantes da ilha e que tem muito a ver com sua própria história.Assim como as violetas que desabrocham fora de estação para mostrar que tudo é possível, a vida de Emily Taylor poderá tomar um rumo improvável e cheio de possibilidades.



As Violetas de Março é um romance bem água com açúcar, tendo como diferencial suas descrições da ilha de Bainbridge e da "reviravolta" do final.

Emily e o marido estão se divorciando, ele está se casando com outra. Enquanto ela está perdida, sem conseguir escrever e sem saber direito que rumo seguir. Quando recebe um cartão da sua tia Bee convidando-a para passar um mês em Bainbridge, uma ilha que ela costumava visitar e passar as férias quando criança.

As descrições da ilha são fantásticas, eu queria passar um mês por lá também. Um cenário perfeito para um romance, como acaba acontecendo. A ilha comporta alguns mistérios que vão sendo revelados aos poucos, a medida que Emily vai entrando em contato com outros moradores, como Henry e Jack, vizinhos de Bee.

A história dentro da história, que envolve o diário que ela encontra no quarto onde está ficando na casa da tia é bem legalzinha. É um mistério que vai se revelando aos poucos, gostei bastante de como se resolveu. Acho que essa é a verdadeira história desse livro. É a história de um romance que se passa em tempos de guerra, com direito a triângulo amoroso e tudo.

A história da personagem Emily ao longo do livro não chamou tanto a minha atenção. Ela "se encontra" muito rápido e parece muito passiva, aceitando as sugestões de todos. Meio que se deixa levar com as ondas ao invés de tomar as rédeas da própria vida e fazer o que quer que seja que ela quer. Além do que, ela não me pareceu perdida ou sofrendo, como a sinopse dá a entender. Faltou uma melhor caracterização das emoções da personagem.

É um romance bom, porém nada de espetacular. A edição está muito bonita, cheia de flores ao longo das páginas e nas marcações de capítulos. Além da fonte ser de um tamanho legal, confortável para a leitura.

E você? Já leu? Pretende ler? Deixe sua opinião nos comentários!


Comentários

  1. Apesar de parecer ser um livro muito bom não senti muita vontade de ler, acho a capa desse livro muito bonita <3 Adorei a resenha!

    Beijo,
    Naty.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A capa é linda, né? É, dá para deixar pra próxima. Tem romances que ficam na frente desse, embora As Violetas de Março seja bonzinho.
      Obrigada, querida! *.*

      Beijos!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Vi na Livraria | A Taberna - Émile Zola

Um livro depravado do século XIX.