Pular para o conteúdo principal

Resenha | Um Perfeito Cavalheiro - Julia Quinn

Os Bridgerton #3
Editora: Arqueiro
Páginas: 304
Estrelas: ✬✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2001 com o título de An Offer From a Gentleman


Sophie sempre quis ir a um evento da sociedade londrina. Mas esse é um sonho impossível. Apesar de ser filha de um conde, é fruto de uma relação ilegítima e foi relegada ao papel de criada pela madrasta assim que o pai morreu. Uma noite, ela consegue entrar às escondidas no baile de máscaras de Lady Bridgerton. Lá, conhece o charmoso Benedict, filho da anfitriã, e se sente parte da realeza. No mesmo instante, uma faísca se acende entre eles. Infelizmente, o encantamento tem hora para acabar. À meia-noite, Sophie tem que sair correndo da festa e não revela sua identidade a Benedict. No dia seguinte, enquanto ele procura sua dama misteriosa por toda a cidade, Sophie é expulsa de casa pela madrasta e precisa deixar Londres. O destino faz com que os dois só se reencontrem três anos depois, Benedict a salva das garras de um bêbado violento, mas, para decepção de Sophie, não a reconhece nos trajes de criada. No entanto, logo se apaixona por ela de novo. Como é inaceitável que um homem de sua posição se case com uma serviçal, ele lhe propõe que seja sua amante, o que para Sophie é inconcebível. Agora os dois precisarão lutar contra o que sentem um pelo outro ou reconsiderar as próprias crenças para terem a chance de viver um amor de conto de fadas. Nesta deliciosa releitura de Cinderela, Julia Quinn comprova mais uma vez seu talento como escritora romântica.




Vocês sabem que eu estou apaixonada por essa série de romances. Pode conferir a resenha do primeiro livro aqui, e do segundo aqui.

Esse foi o livro que eu mais gostei até o momento. Ele conta a história de Benedict, o segundo irmão Bridgerton, que não apareceu muito nos primeiros livros, mas que agora vira protagonista. Ele acredita que ninguém o vê como ele é, somente como um dos Bridgerton, não conhecem o verdadeiro Benedict. 

Sophie, depois de ficar órfã, vira uma espécie de "empregada" da madrasta e suas filhas. Ela nunca foi reconhecida pelo pai como filha, mas sempre recebeu a educação e vestimentas como se fosse, foi criada como nobre. Então, com sua morte, ela foi relegada a serviçal.

Num baile de máscaras na casa dos Bridgerton, todos ajudam para que Sophie compareça ao baile disfarçada. Lá ela conhece Benedict e não o tira da cabeça mais. Depois de uma rusga com a madrasta, ela vai embora e começa a trabalhar numa casa em outra cidade. Ela e Benedict acabam se encontrando novamente por acaso do destino e ela vai trabalhar na casa dos Bridgerton.

Como vocês podem ver, essa é uma releitura de Cinderela na melhor forma possível. Com muitas emoções e personagens cativantes. A Sophie, mesmo sabendo seu lugar, não sofre de "síndrome de coitadinha" e aceita a sua realidade numa boa, sem mimimis. Benedict, ao contrários dos outros irmãos retratados na série, não tem um passado tão intrigante, mas ainda assim, é um mocinho bom de se ler.

Nesse livro, acredito que aconteceram mais reviravoltas e loucuras do que nos anteriores, com direito até a personagem preso! Sempre, também, com a presença da querida (ou não tanto assim) Lady Whistledown, cada vez mais engraçada.

Mais um romance para se devorar. Na excelente escrita da Julia Quinn e todos os Bridgerton. Nele pudemos conhecer bem mais da família, como também, além de Londres, parte do livro se passa fora da cidade. Há mais contato com a mamãe Bridgerton também, sempre astuta. Enfim, para aquecer o coração! 

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.
@alpargatas13



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever