Pular para o conteúdo principal

Projeto 1001 #14 | Fundação - Isaac Asimov


Fundação #1
Editora: Aleph
Páginas: 239
Estrelas: ✬✬✬✬✬
Publicado em 1951.

O Império Galático possui 12 mil anos. E possui pujança, grandeza e estabilidade. Ao menos em sua fachada. Mas ele está em pleno declínio, lento e gradual. E, no final, culminará com uma regressão violenta da sociedade e a conseqüente destruição do conhecimento. Preocupados com isso, um grupo de cientistas traça um plano pela preservação do conhecimento adquirido. Vencedor do prêmio Hugo, como a melhor série de FC de todos os tempos, este é o livro inicial da Trilogia da Fundação.

Eu ainda sou iniciante na ficção científica, ou pelo menos, sinto como se fosse. Mas, nada melhor que começar com os clássicos, não?

Bom, antes de entrar propriamente no mérito do livro, me sinto na obrigação de falar o quanto me senti confortável nesse mundo criado pelo autor. Eu já li (e adoro) o Guia do Mochileiro das Galáxias. E com esta leitura, descobri de que fonte o autor bebeu. Não que os livros sejam iguais, mas encontrei várias semelhanças das quais gostei bastante.

Isto dito, Fundação começa com um funcionário recém contratado indo para a grande central da Galáxia, Trantor, para assumir um cargo junto ao Excelentíssimo Doutor Seldon, o criador da psico-história - que é uma espécie de matemática misturada com neurociência que é capaz de prever o futuro.

Então, Gaal Dornick, se mete numa furada. Através da psico-história, o Dr. Seldon descobriu que o fim da galáxia como a conhecemos se dará em 300 anos e tem um plano para mudá-lo. Entretanto, falar sobre isso gera um certo incômodo político com o Imperador, deve ser desconfortável saber que seu Império tem data de validade, e ambos são processados. Seldon acredita que pode diminuir de 30mil anos de escuridão em apenas mil, isso se ele conseguir reunir em uma enciclopédia todo o conhecimento do mundo.

Deste julgamento, resulta um acordo entre Seldon e o Imperador. A equipe inteira, de 100 mil profissionais, se mudará para um planeta lá no fim da galáxia chamado Terminus, para realizar seu plano, reunir o conhecimento do mundo em uma enciclopédia.

Aí é que vem a bomba, isso são só as primeiras páginas do livro. À medida que avançamos, a história dá pulos no tempo para concretizar as profecias do Dr. Seldon e vamos acompanhando o pequeno planeta Terminus e sua tentativa de salvar a humanidade de 30 mil anos de barbárie.

Aos poucos, vamos vendo o que o autor quis fazer. Numa reprodução da história do mundo nesse ambiente futurístico. Através de ciclos, Terminus vai perpassando a transmissão do poder de uma coisa à outra, de uma pessoa à outra.

Não há muito espaço para apego com personagens, pois, como já foi referido, o tempo dá pulos. Primeiro, 50 anos, 75 anos e assim por diante. Gaal e Seldon não sobrevivem à primeira parte do livro. Ainda assim, os personagens carregam características interessantes de acompanhar.

Minha única reclamação: há UMA mulher. No livro inteiro. Uma princesa de um outro mundo que não Terminus, que aparece por duas páginas e tem seu silêncio comprado pelo marido com uma jóia bonita. Acho que não preciso explicar o porquê de isso me incomodar.

Super rápido de ler e delicioso de acompanhar. Gostei muito deste primeiro livro e já vou pegar o segundo, com urgência! Já estou até planejando comprar o Box com os 4 outros livros de universo expandido. Vale muito a pena!



E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog!




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Como pensar mais sobre sexo - Alain de Botton

Editora: Objetiva
Páginas: 152
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2012 com o título de How to Think More About Sex

Não pensamos muito sobre sexo; na verdade pensamos sobre ele da maneira errada. Assim declara Alain de Botton neste livro rigoroso e honesto cujo objetivo é nos guiar por esta experiência íntima e excitante – porém muitas vezes confusa e difícil - que é o sexo. Poucos de nós acreditamos ser completamente normais no que diz respeito ao sexo, e o que se presume que deveríamos estar sentindo raramente é a realidade. Este livro argumenta que o sexo do século XXI está fadado a ser um jogo de equilíbrio entre amor e desejo, aventura e comprometimento. Abrangendo assuntos como desejo, fetichismo, adultério e pornografia, Alain de Botton reflete sobre os dilemas da sexualidade moderna, oferecendo insights e conforto para nos ajudar a pensar mais profunda e sabiamente sobre o sexo que estamos, ou não, fazendo. A partir de meados do século XX, o discurso sobre o sexo foi s…