Pular para o conteúdo principal

Série | The Mentalist

Olá, tudo certo por aí?


                Essa semana vou fazer diferente, com o fim de uma das minhas séries favoritas, decidi fazer um apanhado geral sobre suas temporadas. Então, vamos lá embarcar nas trapaças de Patrick Jane e sua busca por vingança em The Mentalist. Mas antes, como sempre é de costume, ficha técnica:

Título Original: The Mentalist
Produtores: Bruno Heller, Chris Long
Emissora: CBS
Elenco: Simon Baker, Robin Tunney, Tim Kang, Amanda Righetti, Owain Yeoman e mais...
Gênero: Drama, Mistério, Suspense, Policial.
Duração: 43 minutos (Cada episódio)
Enredo: Patrick Jane é famoso por sua habilidade de alta percepção de tudo que está ao seu redor. Ele já quase foi uma celebridade, alegando ser médium, mas agora admite que fingia ter poderes paranormais. Com sua grande habilidade de observação, Patrick trabalha como consultor independente para as autoridades da Califórnia, resolvendo um número considerável de crimes complicados. Todos no departamento reconhecem o seu mérito em solucionar uma série de casos difíceis - mas nem todos são fãs de suas atitudes, como a agente Teresa Lisbon, que resiste em tê-lo na sua unidade. Saber que Patrick é indispensável para a equipe torna ainda mais difícil para Teresa ter que conviver com seu jeito narcisista, já que ele sempre vai contra o protocolo e ultrapassa sérios limites durante as investigações.

                The Mentalist foi uma das primeiras séries que comecei a acompanhar. Comecei por acaso assistindo algum episódio aleatório na televisão, e acabei por procurar e acompanhar até o seu final. De todas as séries que eu assisto (e não sou poucas) The Mentalist, foi uma das únicas que eu nunca deixava atrasar, não importava o motivo.
                Mas falando de The Mentalist, e de seu personagem principal, Patrick Jane. Bom a história do Jane é simples, ele é um mentalista (ou mentalizador?), um cara que consegue perceber as coisas eu seus mínimos detalhes, e transforma esse “dom” em profissão, enganando pessoas com seus truques, Jane é um vidente famoso e bem sucedido. Isso até cometer o erro de falar em rede nacional sobre o serial killer Red John, esse por sua vez, por vingança, ou brincadeira, acaba matando a esposa e a filha do Jane.
                Após alguns momentos (hora de usar o termo da moda) de sofrencia e ouvindo Pablo, Jane resolve ajudar a AIC a pegar Red John, e essa é a história geral da série.
                Porém, Jane não é um policial, muito menos um detetive, é apenas um charlatão que sabe enganar as pessoas, e usa isso muito bem para pegar os caras maus. Eu tenho a leve impressão, de que em todos os episódios o Jane já sabe quem é o assassino. Enfim, cada crime é solucionado a moda Jane de pegar bandidos, enganando o culpado que acaba se entregando.
                Mas claro que uma série não se faz só com um único personagem. Na AIC, temos a equipe para qual Jane trabalha como consultor. A chefe, Teresa Lisbon, é simplesmente fantástica, a sua relação com Jane sempre foi algo de amor e ódio, as vezes muito mais ódio do que amor. Sou culpado pra falar da Lisbon, durante os anos ela se tornou minha personagem favorita, que em todos aqueles momentos “será que a Lisbon morreu?” eu ficava super tenso.
                A equipe da AIC é formada também por, Cho, o cara mais sério da equipe, que junto com o Rigsby, fazem as cenas mais engraçadas, sempre com seus conselhos direto ao ponto. E pra finalizar temos a ruiva Van Pelt, que até certos momentos podemos achar que faria par romântico com Jane.
                Claro que temos vários outros personagens importantes pra história, mas sinceramente, eu não lembro tão bem deles pra falar aqui.
                The Mentalist se resumiu em suas primeiras temporadas na busca de vingança do Jane. E nos seus momentos finais da descoberta de quem era Red John, ela deu uma enfraquecida. Fiquei com a impressão de que isso teve que ser adiantado, a história do Jane com o Red John foi se alongando no inicio, e do nada, quando menos se esperava, teve uma temporada rápida onde tudo se resolveu. Não achei ruim a revelação do Red John, mas poderia ter sido muito melhor.
                Depois disso, houve aquele aguardo pra saber o que aconteceria com The Mentalist, afinal já sabíamos quem era Red John, mas a série havia sido renovada. E ainda bem que foi renovada.
                Com a entrada do Jane ao FBI, a série ganhou outros tons, aqueles tons iniciais do Jane enganando os bandidos para eles mesmos se entregarem. The Mentalist voltou a sua essência de série policial, onde se resolvia o crime do dia, mas agora sem uma trama de vingança as suas costas.
                Houve muitas mudanças, personagens deram adeus, outros deram olá e também se despediram. Enfim, Patrick Jane evoluiu muito como personagem, Lisbon também. Cho então, nem se fala.
                A ultima temporada foi muito mais emoção do que as suas anteriores, foi muito mais trabalhada nos sentimentos, e isso fez dela uma temporada digna de final.
                O episódio final (duplo) trouxe uma nostalgia boa, com a ideia de um novo serial killer e um vidente charlatão. Mas como novela, teve seu fim “felizes para sempre”. E achei o final realmente digno do que foi The Mentalist. Justo não achei, eu queria mais temporadas de Patrick Jane e Teresa Lisbon, mas fazer o que, tudo que é bom dura pouco, ou pelo menos a a gente acha isso.
                The Mentalist contou com sete temporadas de 22~24 episódios cada, com exceção de sua ultima, que teve apenas 13 episódios.
                E dessa vez não vou finalizar o texto com nota. Vou apenas finalizar com: Tiger, tiger...

Bah: Dessa vez uma curiosidade, todos os episódios tem seus nomes fazendo referencia a cor vermelha (red), até o momento que Red John é pego, então a referencia de cor tem haver com a história do episódio.

E você já assistiu The Mentalist? Ficou com vontade de assistir? Não poupe seu teclado, deixe um comentário.
 Siga o blog no Google Friend Connect.

Comentários

  1. Na época dessa série foi um dos que eu gosto de ver, embora o final não gostava de mim em tudo. A produção atual que me lembra um pouco a isso, é a nova série HBO O Hipnotizador, uma história que através da hipnose revelar lrecretos inimagináveis e enigmas. Se você gosta de histórias de mistério, eu recomendo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Eu Fui a Melhor Amiga de Jane Austen - Cora Harrison

Editora: Rocco
Páginas: 320
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2010 com o título de I Was Jane Austen's Best Friend

Chega ao Brasil o livro: "Eu fui a Melhor Amiga de Jane Austen" da autora Cora Harrison. A história tem o objetivo de introduzir os mais jovens ao empolgante mundo dos livros de Jane Austen. O livro traz uma combinação entre fatos históricos e ficção, apresentando a relação entre as adolescentes Jane Austen e sua prima Jenny Cooper.