Pular para o conteúdo principal

Resenha | Para Onde Ela Foi - Gayle Forman

If I Stay #2
Editora: Novo Conceito
Páginas: 219
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2011 com o título de Where She Went


Meu primeiro impulso não é agarrá-la nem beijá-la. Eu só quero tocar sua bochecha, ainda corada pela apresentação desta noite. Eu quero atravessar o espaço que nos separa, medido em passos não em milhas, não em continentes, não em anos , e acariciar seu rosto com um dedo calejado. Mas eu não posso tocá-la. Esse é um privilégio que me foi tirado.Com a mesma força dramática de Se Eu Ficar, agora pela voz de Adam, Para Onde Ela Foi expõe o desalento da perda, a promessa da esperança e a chama do amor que renasce.



Esse é o segundo livro da duologia If I Stay, você pode ler a resenha do primeiro livro aqui. Esse livro foi super badalado em 2014 e eu li, sem esperar muita coisa e gostei. Achei a duologia carregada de emoções e com uma história simples, mas bonita.

O segundo livro se passa alguns anos depois do primeiro, se não me engano três anos depois, e segue o Adam ao invés da Mia.

Por metade do livro, eu fiquei confusa, por que eles estavam separados? O que aconteceu? Eu tinha ficado em dúvida no final do primeiro livro sobre a decisão que a Mia tinha tomado e ela persistiu por um tempinho.

Adam está meio destruído, meio decadente. Sua banda atingiu a fama, mas perdeu as características que tinha antigamente, de uma super amizade e apoio incondicional entre seus membros. Ele está num relacionamento um pouco infeliz, prester a sair numa turnê e está pensando em desistir de tudo.

A medida que o livro vai passando, as peças vão se encaixando. A história se passa num curto espaço de tempo, a sua maior parte se passa numa noite. Que é a noite em que os dois se encontram novamente. Por acidente ou destino, Adam descobre que Mia está fazendo um concerto em NY e vai assisti-la, os dois saem juntos depois do show e acabam tendo a DR mais longa e menos chata que eu já li.

Não consigo dizer se eu gostei mais do primeiro livro ou do segundo, mas ambos foram bem legais de ler. O desenvolvimento é compassado e as dúvidas vão te carregando pelas páginas, além do que são livros curtos, rápidos de ler, a autora cortou tudo que foi desnecessário e trouxe um livro enxuto, porém repleto para os leitores.

Eu achei o final um tanto...bléh. Poderia ser melhor, mas foi ok até. Acho que esperava um final mais condizente com a história da duologia. Acho que se você leu o primeiro, deve ler o segundo também, mesmo se não gostou. As histórias se complementam e fazem com que tenhamos uma visão do todo.

Enquanto a Mia é mais contida, não fala muito de suas emoções e é uma personagem um tanto deslocada, Adam é o contrário, se expressa emocionalmente e se deixa levar pelos sentimentos. As duas narrativas em contraste são interessantes de se ler.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever