Pular para o conteúdo principal

Resenha | História do Mundo em 6 Copos - Tom Standage


Editora: Zahar
Páginas: 256
Estrelas: ✬✬✬
Publicado originalmente em 2005 com o título de A History of the World in 6 Glasses


História do Mundo em 6 Copos - Tom Standage escolhe um ângulo inusitado para analisar as civilizações - as bebidas. Em seis copos, o autor mostra como a cerveja, o vinho, os destilados, o café, o chá e a Coca-Cola influenciaram os rumos da história mundial e definiram políticas e práticas sociais. Da pré-história à era da globalização, as sociedades elegeram diferentes bebidas e tiveram suas trajetórias fortemente ligadas a elas.

Eu conheci esse livro através de um professor de cursinho pré-vestibular. Era um professor de história, daquele tipo de professor que faz você se apaixonar pela matéria, que faz você se sentir como se estivesse vivenciando aquilo que ele lecionava. Então, em alguma aula, ele falou sobre esse livro, explicou brevemente como era a relação das bebidas com a história do mundo, eu anotei o título no canto da apostila e, quando surgiu a oportunidade, li.

Gosto bastante de história graças a este professor e outros, então, gosto de ler livros desse tipo. Não didáticos, mas que te dão uma visão de algum período ou guerra ou personagem. Então, se você, como eu, é um curioso da história do mundo, mas não tem a paciência para ler um livro didático. Aqui vai minha recomendação.

O autor conta a história do mundo através das bebidas. Desde a água, a cerveja, o vinho, os destilados, o café, o chá e a coca-cola, finalizando com a água novamente. Ele fala um pouquinho sobre a origem da bebida (excetuando a água, por razões óbvias), a época em que ela foi inventada e, principalmente, faz uma implicação da sua importância para a época vivida.

Por exemplo, sobre a cerveja, ele fala que foi originada na Mesopotâmia e Egito, e que foi descoberta por acidente, já que tem uma formulação parecida com o pão. Não foi a primeira bebida alcóolica descoberta, mas foi a primeira a ser produzida em quantidade. Fala também que desde seu início, a cerveja foi uma bebida social, inclusive retratada em pinturas num grande recipiente com canudos e duas pessoas o bebendo. Simboliza a hospitalidade.

"Rápido, me traga uma taça de vinho para eu poder molhar minha mente e dizer algo inteligente." (Aristófanes)
Ele discorre sobre por qual razão era preferência uma bebida como o vinho ou os chás ao invés da água, já que a mesma poderia estar contaminada e propagar doenças. Ele também fala como o chá virou a bebida britânica de escolha, ou da intelectualidade do café.

Aliás, eu adoro café. Um dos meus capítulos preferidos foi sobre a bebida, e me senti super intelectual em aproveitá-la enquanto lia. Desde sua origem, o café sabidamente foi um aliado para o cérebro, e os cafés que se criaram abarcavam grandes pensadores e filósofos, onde a centavos, quem entrasse poderia discutir seja política, seja um novo livro ou uma ideia. Inclusive, destes pensadores, surgiram revoluções importantes para a história.

Tenha em mente, é claro, que o livro foi escrito com um propósito, associar bebidas com a história do mundo, então, é claro que há exageros nas relações que o autor traz. Mesmo assim, gostei muito de ler e adorei as curiosidades que o autor trouxe.


Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

  1. Eu também tive professores assim, que fazem a gente se apaixonar pela matéria, em grande parte devido à paixão com que retratam os assuntos. E acho que vou seguir vc e seu professor porque adorei a ideia desse livro! Confesso que não tenho paciência pra livros muito técnicos, mas adoro aprender sobre história com biografias e outras histórias que nos ensinam sem que pareça um estudo, sabe?! Adorei conhecer seu blog! Beeejo!

    http://maisumapaginalivros.blogspot.com.br/
    Mais Uma Página

    ResponderExcluir
  2. Oi Rafa! Tudo ótimo?

    Eu, que sou um curioso a cerca de tudo, adoro leituras desse tipo. Sempre quis saber mais de História, Física, Química, mas como você bem citou isso se torna mais fácil quando a matéria é tratada como um papo legal. Fiquei com muita vontade de ler esse livro e saber um pouco mais sobre as bebidas. Ou melhor, saber sobre elas, já que conheço realmente pouco. Interessante esse fato sobre a água daquela época não ser da melhor qualidade. Nunca parei pra pensar nisso.
    Toda obra do tipo é bem-vinda à minha estante. Estou lendo sobre a Segunda Guerra, conflito que muito me chama a atenção, num livro neste estilo, chamado Inferno: O Mundo em Guerra 1939-1945. É um tijolo com quase 850 páginas, mas escrito de forma bem linear de acordo com relatos de sobreviventes, cartas e jornais da época. Recomendo!

    Enfim, adorei a resenha!
    Beijos Rafa!

    ResponderExcluir
  3. Eu até gosto de história, mas odeio livros didáticos. Eles explicam até demais, quando se pode falar de uma vez sem colocar um monte de explicações que não importam ou só atrapalham. Algumas coisas em história me interessam muito, e esse livro me interessou. Vou ler assim que possível.
    photo-and-coffee.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Leituras da Semana #42

Nessa semana tirei do caminho um calhamaço de 800 páginas, Outlander - A viajante do tempo. Que livro bom, envolvente, da categoria é grande, mas é rapidíssimo de ser lido.

Conta a história de Claire, que vive em 1945, salvo engano. Ela é casada, mas passou afastada do marido graças à guerra, quando serviu de enfermeira. Eles estão finalmente indo construir um lar quando, num monumento escocês, um agrupado de pedras bem estranho, ela volta no tempo e reaparece 200 anos antes, na época dos clãs escoceses.

Lá, ela é obrigada a construir uma nova vida, pelo menos até que consiga voltar para o seu próprio tempo. Só que ela acaba envolvida numa outra guerra, e suspeitam que ela seja uma espiã inglesa. Bom, aí a vida complica. Mas ao mesmo tempo, ela conhece Jamie ♥ e até que não fica tão difícil assim viver sem banhos quentes.

Gostei muito do livro, acho que ele é super abrangente em temáticas, tem diálogos interessantes e engraçados e por mais que seja longo, as páginas foram bem explorad…

Resenha | Os Instrumentos Mortais - Cassandra Clare (parte 2)

Se vocês viram a parte 1 sobre Os Instrumentos Mortais, vocês sabem que eu dividi a série em duas trilogias para comentar por aqui. Naquele post eu explico que, na minha opinião, essa divisão é viável e facilita para comentar sem dar spoilers. Lembrando que terá spoilers dos livros anteriores.
Os três últimos livros da série são: Cidade dos Anjos Caídos, Cidade das Almas Perdidas e Cidade do Fogo Celestial.
Bom, quero começar falando que graças a Deus no terceiro livro "descobrimos" que a Clary e o Jace não são irmãos. Eu já comentei na parte 1 que isso tinha ficado óbvio para mim desde o momento em que a autora resolveu dar essa guinada na história. Achei desnecessário, inacreditável e me irritou muito quando estava lendo.

Nessa segunda trilogia, há uma troca de vilões, agora Sebastian mostrou a que veio. Que, sinceramente, também é perceptível ao leitor desde que o personagem é introduzido.

Porém, tirando Cidade dos Anjos Caídos, que eu não gostei nada, acho que a história…