Pular para o conteúdo principal

Resenha | Boneco de Neve - Jo Nesbo



Série Harry Hole - Livro 7
Editora: Record
Páginas: 471
Estrelas: 5/5
Skoob
-Publicado originalmente em 2007 com o título de Snømannen.

Considerado seu livro mais ambicioso pelo jornal inglês The Guardian e comparado a Silêncio dos Inocentes, de Thomas Harris, pelo The Times, Boneco de neve é o seu livro mais arrepiante. No dia da primeira neve do ano, na fria cidade de Oslo, o inspetor Harry Hole se depara com um psicopata cruel, que cria suas próprias regras; O terror se espalha pela cidade, pois um boneco de neve no jardim pode ser um aviso de que haverá uma próxima vítima. No caso mais desafiador da sua carreira, Hole se envolve em uma trama complexa e mortal, com final surpreendente.




O detetive Harry Hole recebe uma carta e a dispensa como de um lunático. Ledo engano.

Eu tive que conferir se tranquei a porta da frente e ler este livro em uma posição que conseguisse enxergar a porta do meu quarto. Não sou padrão de referência, porque admito, me assusto fácil. Só digo que foi uma má ideia lê-lo de noite.

Em nada afeta o entendimento do livro que esse seja o sétimo de uma série e não o primeiro. Somente temos spoilers da vida pessoal do detetive, alguns crimes que ele analisou no passado. Eu estava tão envolvida no assassino deste livro que sinceramente não lembro se a solução dos casos antigos foi mencionada nesse livro.

Além do caso, gostei bastante das pitadas de vida pessoal do detetive. É um personagem bastante profundo, consegui visualizá-lo bem. Seus relacionamentos aparecem ao longo do livro e acabei torcendo para que tudo desse certo para ele também na sua vida particular.

Sobre os assassinatos, eu achei bastante violentos. Principalmente quando a narrativa é assumida por uma das vítimas no momento de sua morte, inconscientemente eu me encolhi e arrepiei, toda a emoção da personagem, eu senti junto.

Eu desconfiei em alguma parte do livro sobre quem poderia ser o assassino, mas depois de uma reviravolta, fui ter minhas suspeitas confirmadas somente no final do livro mesmo. São vários personagens e histórias entrelaçadas que realmente não dá para ter certeza de quem é quem.

Com certeza vou conferir outros livros do autor, já até dei uma pesquisada e outros livros da série já foram traduzidos para o português. Recomendo para quem gosta de livros de investigação, com uma pitada de terror e thriller.

Você já leu o Boneco de Neve? Deixe sua opinião nos comentários!

Comentários

  1. A narrativa é assumida pela vítima? Ai meu Deus, sou medrosa e assustada, esse livro me envolveria bastante! E isso é algo diferente, não?
    Quero começar a ler livros desse gênero. Quem sabe não começo por esse?
    Adorei a resenha!
    Obrigada por comentar lá no blog :)
    Beijos
    Mell Ferraz
    http://www.literature-se.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oii Mel! Não tenho tanta experiência com livros assim, mas foi o primeiro que li e que a narrativa da vítima me chamou a atenção, realmente é um ponto positivo da obra.
      Se você começar por esse, começará em grande estilo, eu adorei mesmo o livro!
      Bjs

      Excluir
  2. Adoro livros com boas reviravoltas, e o bom é que a sua é a primeira resenha que leio! Vou ver o adquiro para leitura.
    Abraço,
    Vinícius - Livros e Rabiscos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você não vai perder seu tempo, Vinícius, o livro é muito bom. Cada reviravolta faz por merecer as páginas em que se desenvolvem!
      Bjs

      Excluir
  3. Adoro tuas resenhas...dá vontade de já pegar e ler o livro. Esse vai ser o próximo!

    ResponderExcluir
  4. Adorei a resenha, vou colocar o livro na lista :D

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever