Pular para o conteúdo principal

Resenha | A Esperança - Suzanne Collins

Jogos Vorazes #3
Editora: Rocco
Páginas: 424
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2010 com o título de Mockingjay

Depois de sobreviver duas vezes à crueldade de uma arena projetada para destruí-la, Katniss acreditava que não precisaria mais lutar. Mas as regras do jogo mudaram: com a chegada dos rebeldes do lendário Distrito 13, enfim é possível organizar uma resistência. Começou a revolução. A coragem de Katniss nos jogos fez nascer a esperança em um país disposto a fazer de tudo para se livrar da opressão. E agora, contra a própria vontade, ela precisa assumir seu lugar como símbolo da causa rebelde. Ela precisa virar o Tordo. O sucesso da revolução dependerá de Katniss aceitar ou não essa responsabilidade. Será que vale a pena colocar sua família em risco novamente? Será que as vidas de Peeta e Gale serão os tributos exigidos nessa nova guerra?


Você também pode conferir minha resenha de Jogos Vorazes e Em Chamas.

O final da trilogia. O felizes para sempre ou não tão felizes assim. Depois do final do segundo livro, agora, resta saber se o governo vai cair ou não. Se a revolução vai ter sucesso ou a opressão vai continuar reinando.

A Katniss me irritou ao extremo nesse livro, não consigo entender como o mundo começou a girar no umbigo dela. Afinal, tudo é culpa dela. O Gale continua sendo meu preferido (#teamGale), ele parece realmente consciente do que está acontecendo e não viajando na própria cabeça como a Katniss. E o Peeta, bem, fiquei com pena do que acontece com ele, mas continuo achando ele meio bundão...malz ai!

Eu gostei da nova localização do livro. Achei interessante a maneira como o distrito 13 sobreviveu e se fortaleceu, preparando o terreno para a Revolução, porém, acho que faltaram páginas para desenvolver melhor essa história, ou melhor, em nome da "surpresa" da volta do distrito 13, ela sacrificou uma parte da história que poderia ser interessante (pelo menos, para mim) em falar como tudo aquilo funciona, como se formou e como a vida era lá.

Outra coisa que me desapontou muito foi que boa parte do livro, ficamos somente na expectativa de alguma coisa acontecer. As únicas coisas que acontecem são os arroubos de culpa da Katniss e filmagens de pontopromps. Enquanto que nos primeiros livros, os protagonistas estavam no meio da ação, nesse, eles ficam de fora até as últimas cenas.

Eu gostei da batalha final, achei que a autora fez escolhas sábias em quem matar e quem não matar. Mas foi um final bem bleh, poderia ser melhor. Transpareceu até um pouco apressado. Finalizou, porém, poderia ser melhor. Tenho que concordar com quem disse que foi o livro que menos gostou da trilogia.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!

Comentários

  1. Aaah eu odiei esse livro por causa dessa inútil dessa Katniss! Que menina mais chata! PELAMORDEDEUS!!!!!!
    Acabou que só me irritei e não gostei de nada, inclusive torcia tanto pra ela morrer, uma pena não ter acontecido! :x

    Blog Subexplicado

    ResponderExcluir
  2. Já faz um tempinho que li este livro, mas lembro que gostei, apesar da falta de ação nele!! O final é difícil explicar, né? Lá atrás tudo começou por esse motivo x e aí ela simplesmente acabou com o motivo de tudo! Complicado! rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele foi o que menos gostei, mas, a série como um todo vale a leitura :D

      Beijão!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Vi na Livraria | A Taberna - Émile Zola

Um livro depravado do século XIX.