Pular para o conteúdo principal

Assistidos de Janeiro/2016

Faz muito tempo que eu não comento sobre séries e filmes por aqui. E é uma coluna que eu quero retomar. Só algumas breves considerações sobre o que assisti em janeiro deste ano.


Comecei o ano não são só lendo Guerra e Paz, mas aproveitei para também assistir ao filme de 1956. Possivelmente, se eu tivesse visto antes de começar que o filme conta com 3h30 de duração, não teria assistido na sua totalidade em um dia...mas foi o que fiz, acompanhada da mãe e da vó.

Eu achei um filme bom, não maravilhoso, mas bom. Comparando com a obra original, ele fez um corte bastante preciso dos acontecimentos, entretanto, é claro que corta outras coisas e personagens que para quem leu o livro, fazem falta.


Entrei na vibe dos zumbis. Assim que terminei de assistir Guerra Mundial Z, corri para ver se já tinha a continuação - e não tem. Gostei muito do filme, embora ele não inove quando comparado com outras obras apocalípticas. 


Eu não sei se já comentei por aqui, mas eu já li A Menina que Roubava Livros e não gostei. Entretanto, como muita gente ama o livro, eu pretendo reler e ver se acho tão ruim quanto achei originalmente.

De qualquer forma, gostei bastante do filme. Gostei dos momentos de silêncio do filme, principalmente. Odeio aquelas trilhas sonoras apelativas, a imagem já fala por si só, como foi o caso deste filme.


Não poderia deixar de assistir ao episódio VII de Star Wars. Logo que terminaram minhas férias, voltei para casa e trouxe a mãe junto para assistirmos no cinema.

Eu me apaixonei pelo BB-8 e gostei bastante da Rey. Ah, e como eu não acompanho escalação de elencos, nem assisti aos trailers do novo filme nem nada do tipo, fiquei surpresa de ver o Adam, de Girls, fazendo o papel de Kylo-Ren. Deu uma saudade enorme de assistir Star Wars - o que já remediei em fevereiro.


Por fim, assisti Paper Towns. Que foi tão ruinzinho quanto o livro. Eu não sei porque não adaptaram Quem é você, Alasca? ao invés de Cidades de Papel. Gostei bastante da cena em que a Margo e o Quentin vão para aquele prédio alto e olham a cidade, vista linda.


Eu pensei por muito tempo em uma maneira melhor de dizer minha opinião a respeito da série, mas só o que eu consegui foi: é uma bosta.

A atriz que faz a Clary é péssima, o Jace é feio e desajeitado. A Isabelle é bem sexualizada. Só não vou reclamar do Alec porque ele é bonito. Há de se dizer também que o ator que faz o Simon está fazendo um ótimo trabalho, porque odeio ele tanto quanto o odiava nos livros.

Mas, como eu sou eu, vou continuar assistindo por enquanto. Se permanecer uma bosta, posso rever essa posição.


Não basta livro e filme. Tem série também! E com o ator de Skins e outro do The Musketeers (eu não sei nomes de atores, e sinceramente, não vou pesquisar)!

Assisti somente três episódios até o momento, mas gostando bastante. Adoro o Pierre e não resistiria ao Dolokhov! As produções da BBC são sempre ótimas e valem o tempo que duram.

Comentei somente essas duas séries porque de resto, só assisti às que eu já vinha assistindo, que estão em meio de temporada ou voltando em janeiro. Eu assisto a diversas séries e talvez faça um post a respeito mais para frente.

E você? O que tem assistido de bom?
Siga o blog!
Instagram | Skoob | Twitter | Youtube



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Vi na Livraria | A Taberna - Émile Zola

Um livro depravado do século XIX.