Pular para o conteúdo principal

Resenha | O Conde Enfeitiçado - Julia Quinn

Os Bridgerton #6
Editora: Arqueiro
Páginas: 304
Estrelas: ✬✬✬✬✬

Toda vida tem um divisor de águas, um momento súbito, empolgante e extraordinário que muda a pessoa para sempre. Para Michael Stirling, esse instante ocorreu na primeira vez em que pôs os olhos em Francesca Bridgerton.Depois de anos colecionando conquistas amorosas sem nunca entregar seu coração, o libertino mais famoso de Londres enfim se apaixonou. Infelizmente, conheceu a mulher de seus sonhos no jantar de ensaio do casamento dela. Em 36 horas, Francesca se tornaria esposa do primo dele.Mas isso foi no passado. Quatro anos depois, Francesca está livre, embora só pense em Michael como amigo e confidente. E ele não ousa falar com ela sobre seus sentimentos – a culpa por amar a viúva de John, praticamente um irmão para ele, não permite.Em um encontro inesperado, porém, Francesca começa a ver Michael de outro modo. Quando ela cai nos braços dele, a paixão e o desejo provam ser mais fortes do que a culpa. Agora o ex-devasso precisa convencê-la de que nenhum homem além dele a fará mais feliz.No sexto livro da série Os Bridgertons, Julia Quinn mostra, em sua já consagrada escrita cheia de delicadezas, que a vida sempre nos reserva um final feliz. Basta que estejamos atentos para enxergá-lo.

Todas as resenhas da série podem ser encontradas aqui.

Esse livro conta a história de Francesca Bridgerton, personagem que talvez eu menos tivesse curiosidade para ler. Afinal, ela mora longe da "central" dos Bridgerton e não aparece tanto assim nos livros anteriores.

Isso dito, também preciso ressaltar que a série d'Os Bridgerton nunca decepciona e é minha série de romances preferida. É até parâmetro para medição de outros romances parecidos, "é tão bom quanto os Bridgerton?", até agora nenhuma série ganhou resposta positiva para esta pergunta.

Por ter esse plot diferente, o livro cativa. Michael se apaixonou pela esposa do primo e teve que esconder. Então, o presente é intercalado com memórias do passado, em situações em que ele teve que passar um tempo com o casal e ficar olhando para a felicidade deles.

Também não é aquela história de "ah, é que o primeiro marido era uma má pessoa, mau marido e tratava a Francesca mal". Na verdade, ambos os protagonistas do romance amam profundamente o John, sem destruir sua memória para construir o romance. O que, pessoalmente, eu acho ótimo e concordo totalmente, afinal, não amamos somente uma pessoa ao longo da vida inteira e não necessariamente um amor deve ser maior que o outro, ainda mais como condição de validade desse amor.

Francesca é diferente dos irmãos e isso, talvez, justifique porque ela não aparece tanto nos livros anteriores. Sempre soubemos de sua história de jovem viúva, mas nunca soubemos porque ela resolveu permanecer longe ao invés de retornar e morar perto da família. Por mais que ela ame a família, também gosta da sua independência e da vida que construiu longe. Pessoalmente, eu acho que ela tem um tantinho a menos do brilho cativante dos irmãos e por isso mesmo, acabei me identificando mais.

Enfim, se em seis resenhas da série Bridgerton, eu não convencer ninguém a lê-los, será uma tristeza. Essa série é ótima. Uma coisa que me perguntaram era se os livros são melosos. E a resposta é sim e não. Sim, tem cenas melosas, afinal trata-se de um romance. Mas o que me faz gostar mais da série é o humor, portanto não. A autora não tem medo de constranger os personagens e os diálogos são hilários. 


E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!

Siga o blog!



Comentários

  1. Eu não sou fã de romances, mas confesso que tenho uma curiosidade absurda de ler essa série. Já li tantas resenhas sobre eles, que não tem como não ter curiosidade. Depois da sua, minha curiosidade só aumenta. rs
    Beijo

    http://canastraliteraria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever