Pular para o conteúdo principal

Projeto 1001 #7.2 | O Restaurante no Fim do Universo - Douglas Adams

O Guia do Mochileiro das Galáxias #2
Editora: Arqueiro
Páginas: 172
Estrelas: ✬✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 1980 com o título de The Restaurant at the End of the Universe


O que você pretende fazer quando chegar ao Restaurante do Fim do Universo? Devorar o suculento bife de um boi que se oferece como jantar ou apenas se embriagar com a poderosa Dinamite Pangaláctica, assistindo de camarote ao momento em que tudo se acaba numa explosão fatal? A continuação das incríveis aventuras de Arthur Dent e seus quatro amigos através da galáxia começa a bordo da nave Coração de Ouro, rumo ao restaurante mais próximo. Mal sabem eles que farão uma viagem no tempo, cujo desfecho será simplesmente incrível. O segundo livro da série de Douglas Adams, que começou com o surpreendente "O Guia do Mochileiro das Galáxias", mostra os cinco amigos vivendo as mais inesperadas confusões numa história cheia de sátira, ironia e bom humor. Com seu estilo inteligente e sagaz, Douglas Adams prende o leitor a cada página numa maravilhosa aventura de ficção científica combinada ao mais fino humor britânico, que conquistou fãs no mundo inteiro. Uma verdadeira viagem, em qualquer um dos mais improváveis sentidos.

Esse é o segundo livro da série O Guia do Mochileiro das Galáxias, resenha aqui. Esse livro de 1001 livros para ler antes de morrer é balela, porque alguns deles, são séries. Então, é uma maratona bem grande de literatura.

A série foi uma das surpresas desse desafio, não esperava gostar tanto. O humor desses livros é incrível, que, nesse segundo volume, desde a primeira página eu já estava rindo quando lia sobre uma raça de seres que tem 50 braços e que foi a primeira civilização a inventar o desodorante em spray antes da roda haha

O livro começa assim que o primeiro termina. Agora mais familiarizada com a história, ficou mais fácil de acompanhar, mas o autor continua surpreendendo com ideias fantásticas. Nesse livro, os viajantes vão para O Restaurante no fim do universo, que é um lugar preso no tempo-espaço que em todas as refeições ocorrem durante o fim do universo, com direito a música ao vivo e, é claro, um espetáculo para assistir.

Agora que já sabemos a resposta para a pergunta fundamental, temos que achar a pergunta que deu origem a essa resposta: 42. Minha teoria de vida é que vivemos numa espécie de The Sims, tendo nossos pauzinhos puxados por alguma outra raça. Nesse livro, é verdade, porque a Terra é um mega computador feito para descobrir a resposta fundamental. Ouro!

Os personagens continuam fascinantes. Com o robôzinho mal humorado, Marvin, Arthur Dent, Ford Prefect e, principalmente, Beeble Zaphod Beeblebrox, o ex-presidente da galáxia, que escondeu seu maior segredo dentro do próprio cérebro. Minha única reclamação seria que a personagem feminina, Tricia McMillan se apaga perto das personalidades dos outros, é a menos marcante dentre os viajantes.

Estou fascinada com essa galáxia, esse humor. Essa trilogia de cinco mais um me pegou de jeito. Os livros são tão rapidinhos de ler e divertidos. Prato cheio para leitores curiosos.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

  1. Aaaaaaaaah, O Guia <3 Quando se lê, nunca se esquece! hahaha
    Quando eu comecei a ler, achei que fosse uma viagem absurda, sem sentido, e que talvez não me cativaria. Até que eu percebi que sim, é uma viagem absurdo, "sem sentido", mas que cativa DEMAIS! Amo amo amo o Guia <3 hahaha

    Beijos, Carol
    www.girlfromoz.com.br

    ResponderExcluir
  2. Olá,
    Eu já tive vontade de ler essa série, mas nunca cheguei a ter oportunidade. Espero poder fazer isso um dia e em breve, ainda mais depois de tantos elogios seus e, sem contar que estou precisando de um pouco de humor mesmo.
    Beijos.
    Memórias de Leitura - memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Rafa,
    Li O Guia do Mochileiro das Galaxias ha uns dois anos e ainda nao dei continuidade a leitura da série. Mas a narrativa do Adams de fato é hilário, e nao achei que fosse possível ficar mais engraçada. Agora fiquei com vontade de dar prosseguimento a leitura da saga.
    Abraço,
    Alê
    www.alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever