Pular para o conteúdo principal

Resenha | O Livro dos Vilões - Cecily von Ziegesar, Carina Rissi, Diana Peterfreund e Fábio Yabu

Editora: Record
Páginas: 320
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado em 2014.

Pessoas boazinhas são tão chatas. Não há nada melhor do que um bom vilão. Sei do que estou falando. Também tenho meus momentos de maldade, vocês me conhecem bem...Por isso mesmo estou certa de que vão se divertir muito com este livro: Irmãs que amam sapatos e odeiam a meia-irmã - muito natural, é claro; uma madrasta hilária viciada num app para iPad e em experiências com venenos, huahuahua; um bruxa que me lembrou muito dos tempos do colégio; e um lobo com crise de consciência... vai entender!Então vamos parar de enrolação! Se estiverem na praia, peçam uma bebida bem geladinha e ajeitem seus óculos escuros, porque é impossível parar de ler as novas histórias desses vilões cheios de classe e... maldade!
Você sabe que me ama. Xoxo, Blair Waldorf.

Livro que acompanha O Livro das Princesas, contando o lado dos vilões. Serão todos malvados mesmo? Ou mal-entendidos? Ou será que são malvados mesmo e com orgulho?

#StepSisters - Sobre Sapatos e Selfies de Cecily von Ziegesar. Uma releitura de Cinderela que deu muito errado. Não gostei da mocinha, nem das vilãs, nem da fada-madrinha. 

Menina Veneno de Carina Rissi. Essa é uma releitura da Branca de Neve. Eu gostei da Malvina, até eu seria uma vilã com uma Bianca tão chata haha Nesse conto, o espelho mágico é um aplicativo que avalia sua beleza, adorei!

Quanto mais Afiado o Espinho de Diana Peterfreund. Eu gostei bastante da proposta deste conto. Nossa protagonista é uma bruxa, junto com sua mãe. Porém, elas são mal vistas na cidade onde moram, só procuradas pela noite, quando ninguém vê. Malena começa a frequentar a escola numa tentativa de "ser normal", mas ... nossa, acho que ela não esperava por tudo que acontece a seguir.

A menina e o lobo de Fábio Yabu. Esse foi o conto mais diferente e mais bonitinho contando os dois livros da duologia. O Lobo Mau está cansado da sua fama, e numa brecha do mundo das fadas, consegue pular para a realidade e acaba fazendo uma amizade e aprendendo algumas lições. Adorei!

Eu gostei bem mais do Livro das Princesas, mas também apreciei as histórias desse livro. Os dois juntos ficam lindos na estante e quem sabe um excelente presente para pré-adolescente em diante. Ambos tem características bem modernosas com modelos, super-stars e tecnologia.

Eu gostei bastante das modernizações, porém, acho que num espaço maior, as histórias seriam melhor valorizadas. Os personagens ficaram um pouco vazios, as histórias um pouco apressadas, de uma maneira geral. Tem alguns contos que mereciam virar romances.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever