Pular para o conteúdo principal

Maratona Literária!


Oi! Vou me juntar a uma galerinha e participar da maratona literária - 15 dias em 5 mundos! Quer participar? Clica aqui. A ideia é ler cinco livros em 15 dias, do dia 2 até dia 16 de janeiro. Ou se desafie a ler uma distopia, uma fantasia, um livro infantil, um livro com a letra do seu nome e um livro de até 240 páginas.




Para o desafio 1, distopias, escolhi Jogos Vorazes da Suzanne Collins. Pois é, ainda não li. Já passou da hora de tirar da pilha dos "vou ler". 


Desafio 2! Livro de fantasia. Acredito que seja uma releitura da Bela Adormecida nos dias de hoje. Rose esteve num sono induzido pelos últimos 60 anos, dada como desaparecida e acorda numa realidade diferente da qual ela está acostumada onde todos os seus entes queridos não passam de lembranças.


Para a categoria infantil, escolhi O jardim Secreto do Frances Hodgson Burnett. Esse livro é considerado um clássico infantil. Eu assisti ao filme não-sei-quantas-vezes na Globo e gosto bastante (talvez até veja de novo depois de ler o livro).


Com a letra do meu nome, Retrato Inacabado da Agatha Christie. Originalmente, ele foi publicado com o pseudônimo Mary Westmacott, pois diferentemente dos livros mais famosos da autora, esse não é um livro policial. É, até onde posso deduzir, um romance psicológico. Um pintor de retratos, numa viagem, conhece uma moça que está passando por maus bocados e resolve ouvir sua história. Larraby retrata a história dela com palavras desde a infância até os dias de hoje. E a sinopse promete uma explosão de emoções aos dois solitários.


Por último, mas não menos importante. Um livro de até 240 páginas. Escolhi meu recentemente comprado "Os grandes filósofos que fracassaram no amor" de Andrew Shaffer. O livro promete nos mostrar porque amar não combina com sabedoria. 

Você vai participar? Se for, me conta nos comentários o que vai ler! Se não, por que não?!? haha

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Os Instrumentos Mortais - Cassandra Clare (parte 2)

Se vocês viram a parte 1 sobre Os Instrumentos Mortais, vocês sabem que eu dividi a série em duas trilogias para comentar por aqui. Naquele post eu explico que, na minha opinião, essa divisão é viável e facilita para comentar sem dar spoilers. Lembrando que terá spoilers dos livros anteriores.
Os três últimos livros da série são: Cidade dos Anjos Caídos, Cidade das Almas Perdidas e Cidade do Fogo Celestial.
Bom, quero começar falando que graças a Deus no terceiro livro "descobrimos" que a Clary e o Jace não são irmãos. Eu já comentei na parte 1 que isso tinha ficado óbvio para mim desde o momento em que a autora resolveu dar essa guinada na história. Achei desnecessário, inacreditável e me irritou muito quando estava lendo.

Nessa segunda trilogia, há uma troca de vilões, agora Sebastian mostrou a que veio. Que, sinceramente, também é perceptível ao leitor desde que o personagem é introduzido.

Porém, tirando Cidade dos Anjos Caídos, que eu não gostei nada, acho que a história…