Pular para o conteúdo principal

Resenha | A Culpa é das Estrelas - John Green

Editora: Intrínseca
Páginas: 288
Estrelas
Skoob
Publicado originalmente em 2012 com o título de The Fault in Our Stars

A culpa é das estrelas narra o romance de dois adolescentes que se conhecem (e se apaixonam) em um Grupo de Apoio para Crianças com Câncer: Hazel, uma jovem de dezesseis anos que sobrevive graças a uma droga revolucionária que detém a metástase em seus pulmões, e Augustus Waters, de dezessete, ex-jogador de basquete que perdeu a perna para o osteosarcoma. Como Hazel, Gus é inteligente, tem ótimo senso de humor e gosta de brincar com os clichês do mundo do câncer - a principal arma dos dois para enfrentar a doença que lentamente drena a vida das pessoas.


Será que eu fui a última a ler esse livro? Eu tenho suspeitas de que esteja nos últimos 2% dos leitores brasileiros que ainda não tinham lido esse livro, mas eu li! E nem posso xingar alguém com "como ninguém me disse que esse livro é excelente?" porque, né, várias pessoas já falaram da excelência dessa leitura.

A sinopse resume o livro de maneira bem completa até, então vou passar direto para as minhas impressões. De cara, o que me chamou atenção e me fez amar o livro foram os diálogos! Adolescentes que falam como eu falo? Humor negro? Sarcasmo? Eu me apaixonei. Se os outros livros do John Green tiverem diálogos assim, me avisa nos comentários?

Tanto a Hazel quanto o Gus são extremamente inteligentes e não se enganam mutuamente. Gus está em remissão, mas Hazel está em contagem regressiva, não tem volta para o caso dela. Ela até tenta desistir de tudo, afastar as pessoas da sua vida, afinal ela é uma bomba, ela vai explodir e vai haver ricochete nos que estiverem perto, mas não desiste. Talvez meio forçada pela mãe e depois empolgada com o que a vida ainda tinha para oferecer à ela.

Meu anjinho protetor de spoilers fez direitinho seu trabalho e eu pude fazer minha leitura de forma tranquila. Eu tinha imaginado um final para esse livro na minha cabeça, não sei por que, mas era o único final que eu via para essa premissa. Me surpreendi! Não era o final que eu tinha esperado e quando eu percebi o que ia acontecer, nossa, que livro triste! E lindo.

Quando você percebe que a história que se passa no livro é fictícia, não dá para acreditar. No dia seguinte ao término da leitura, eu ainda estava tão envolvida na leitura, pensando nos novos conhecidos que fiz na noite passada e aí me bateu aquele pensamento de que é tudo mentira...não consegui acreditar. Ainda hoje me nego a acreditar que essa história não aconteceu.

Se pararmos para pensar, é uma história de amor. Livros de amor sempre são clichês, os personagens se apaixonam, passam por dificuldades, etc. O diferencial desse texto são os diálogos! Em boa parte do livro, eu ri muito com as conversas que aconteceram por ali, comecei a acreditar que tudo ficaria bem no final e quando a bomba explode, até eu fui atingida.

Tem alguns livros que merecem a atenção que ganham, esse é um deles. Todo o amor que esse livro gerou e suas inúmeras declarações de amor nos blogs por aí são merecidas. Me junto a esse coro! Tenho que lembrar de levar lencinhos ao cinema quando o filme estrear.

Deixe sua opinião nos comentários!

Comentários

  1. Oi Rafa, esse livro me emocionou muito em 2013. Também gostei bastante dos personagens e suas sacadas inteligentes. É um livro bem escrito e estou louca para assistir ao filme.
    Beijos
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tb! Já convoquei todos os amigos para fazer fila no cinema! Bjs

      Excluir
  2. Oi Rafa! Tudo bem?
    Eu li ACEDE na euforia do lançamento e fui esperando MUITO. Fui esperando um mar de lágrimas - pq eu sou super chorona - e uma história incrível. Bem, pra mim, não foi um livro espetacular, sabe?! Mas o Green fez um trabalho tão intensamente maravilhoso que eu terminei a leitura sem saber explicar o pq de eu não ter sentido tanta conexão, mas ao mesmo tempo completamente encantada pelo trabalho do autor em relatar situações tão delicadas, únicas e de tanto sofrimento.
    Que venha o filme! o/

    Beijos,
    Mi
    Inteiramente Diva

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu costumo esperar passar um pouco do burburinho, para daí ler. Nas vezes que aproveitei o embalo, me decepcionei também! Talvez pela proximidade com a história, depois de ler várias resenhas, ver vários vídeos, tire um pouco da surpresa e da conexão. Que venha o filme! :D
      Bjs

      Excluir
  3. Que bom que vc leu o livro :) a culpa e das estrelas e um dos meus favoritos.... Me emocionei demais com a história e quando lançar o filme vou ter que levar lencinhos tb kkk pq sei q vou chorar demais ....
    Só o trailer ta maravilhoso!

    http://foreverabookaholic.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade! Estou me preparando psicologicamente para chorar até não poder mais haha
      Bjs

      Excluir
  4. Li o livro uma semana antes da estréia do filme e realmente, é muito amor e concordo, os diálogos são o diferencial. Vendo o filme fiquei feliz pela fidelidade dos fatos. O livro é lindo e o filme idem.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever