Pular para o conteúdo principal

Resenha | Retrato Inacabado - Mary Westmacott (Agatha Christie)


Editora: L&PM
Páginas: 318
Estrelas: 4/5
Skoob
Publicado originalmente em 1934 com o título de Unfinished Portrait

Durante uma viagem a uma ilha exótica, Larraby, um célebre pintor de retratos, conhece Celia, uma bela e interessante mulher. Ao perceber que ela está prestes a cometer um ato extremo, ele resolve escutar sua história e, assim, tentar mudar seu destino. Larraby elabora uma verdadeiro retrato dele, mas com palavras, reconstruindo a vida de Celia até o momento atual. Este encontro acaba trazendo à tona uma explosão de sentimentos que farão do passado desses dois solitários uma experiência sem igual. Escrevendo anonimamente sob o pseudônimo de Mary Westmacott, Agatha Christie, conhecida mundialmente como a Rainha do Crime, deixa de lado a investigação policial para explorar a alma humana, seus conflitos e emoções.


No wikipedia consta que esse livro é semi-autobiográfico, fato interessante já que esse é um livro sobre depressão e suicídio. É uma história bastante simples (no sentido de que não tem muitas reviravoltas), é a vida de Célia e o que a levou a tomar a decisão de se matar.

O Sr. Larraby ao passear descobre no olhar de Célia que ela está para se suicidar e toma-lhe as dores, os dois acabam se envolvendo numa conversa que dura a noite inteira quando Célia conta a história da sua vida para ele.

Acompanhamos a personagem desde criança e ao longo dos anos, eu fui buscando pistas do que a levariam ao suicídio. É uma história extremamente envolvente, crível. Não é um livro para quem gosta de ação. Como a própria sinopse diz, é uma exploração da alma, um livro mais voltado ao psicológico (sidenote: o que me lembrou muito da Miss Marple, ela fala várias vezes que se fascina pelo comportamento humano). Eu confesso que adoro livros assim.

Em outros livros, personagens chatos me irritam, nesse, mesmo que o personagem seja extremamente irritante, uma pessoa ruim, me pareceu que adiciona profundidade a sua personalidade.

A escolha da forma como contar essa história é bem interessante, o Sr. Larraby endereça uma carta para Mary e anexa o livro, ele diz que não conseguiu retratar em óleo e que tentaria uma nova forma de arte. Então de uma certa forma temos Mary como autora, Larraby como narrador e Célia como protagonista. O negócio começa a ficar bastante interessante com as intervenções que o retratista faz no livro para interpretar o que está acontecendo e a influência dos personagens. Ele nos adverte numa dessas intervenções: "Mas talvez eu tenha inventado...Afinal, essas pessoas se tornaram minhas criações."

SPOILER | Não podia deixar de mencionar a minha interpretação sobre a situação da Célia e se algum leitor já leu esse livro, por favor, me diga o que acha nos comentários. Parece que a protagonista julga sua normalidade em comparação a dos outros e, claro, se ressente das diferenças ao invés de aceitá-las como parte de si, por causa de coisas que ouviu no passado, se demoniza. Afinal, Dermot é um personagem detestável! Até o que ela dizia ser uma amabilidade dele, meu Deus, não era. Por tanto ele lhe dizer que seu entusiasmo era tolice ou egoísmo, ela acreditou. Enfim, acho que Dermot contribui em muito com a depressão dela. | FIM DO SPOILER

Esse livro me afetou bastante, me identifiquei com a personagem (o que de certa forma é preocupante). Suscita uma discussão bastante relevante que é como nós nos afetamos com o que ouvimos e com as relações que mantemos. Eu falo por mim, porém, máximas como agradar aos outros, evitar conflitos, internalizar emoções me acompanham desde sempre e talvez isso não seja muito saudável. Acho que uma das mensagens desse livro é essa; ser você é mais importante que imaginamos. Ser quem somos não é ser egoísta, é viver.


Eu adoraria discutir esse livro! Se você já leu, deixe sua opinião nos comentários (especialmente sobre a parte spoiler rs.).

Comentários

  1. Li o assassinato no expresso do oriente no fim do ano passado e adorei!! Quero ler esse e todos os outros da Agatha ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse eu ainda não li, mas já me disseram que é muito bom! Pretendo ler tb!

      Bjs

      Excluir
  2. Me envergonha em dizer que li poucos livros da Agatha e há muito tempo atrás. Preciso tomar a atitude de busca-los e conhecer mais sobre as obras da escritora. Este descrito acima, por exemplo, é um lado que eu não sabia que existia. Pensei que Agatha Christie era sinônimo de mistério, suspense, crime. Obrigado por abrir meus olhos!

    Bjooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi George!

      Eu li alguns livros dela no ano passado e gostei bastante. Eles são envolventes e você quer chegar logo no final, extremamente viciante!
      Esse foi o primeiro que li dela escrito sob pseudônimo e adorei, vou continuar lendo, com certeza! Minha ambição secreta é ler todos os livros da Agatha haha

      Beijo!

      Excluir
  3. Eu tenho uma dúvida sobre o livro: quem era Mary. Era um amiga de Larraby ou algo assim? Eu achei o final meio confuso. Ela pulou da ponte e não conseguiu se matar. Então, ela foi salva, mas estava em estado grave e por isso morreu. É isso? Eu amei muito o livro. Me emocionei muito. Mas estou com algumas dúvidas. r

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever