Pular para o conteúdo principal

Abandonar ou não abandonar, eis a questão

Ser ou não ser, eis a questão: será mais nobre
Em nosso espírito sofrer pedras e flechas
Com que a Fortuna, enfurecida, nos alveja,
Ou insurgir-nos contra um mar de provocaçoes
E em luta pôr-lhes fim? Morrer.. dormir: não mais.

E se o livro vai além da sua capacidade? Como decidir se abandona ou não? Eis as questões!

Eu comecei a ler em inglês Tess of the d'Urbervilles do Thomas Hardy e já de início me deparei com um problema. O inglês apresentado é muito difícil para mim.

Eu li aproximadamente umas 80 páginas (o livro tem 411, na versão kindle). E estou gostando bastante, tenho a impressão de que se eu lesse traduzido, adoraria o livro. Ele tem descrições lindas, e se eu não tivesse que consultar o dicionário uma dúzia algumas vezes por página, fluiria bem também.

Eu detesto abandonar livros, são pouco os que me lembro de largar de vez. Segundo a minha conta no skoob, abandonei 3 livros:

1. Ponto de Impacto do Dan Brown
2. A Besta de Roslund & Hellström
3. Um Toque de Clássicos de Tania Quintaneiro (que tive que tentar ler para faculdade, então, mal conta)

Como eu mostrei para vocês no início do mês, selecionei alguns livros que pretendo ler antes de o mês acabar e esse estava na relação. Mas acho que vou deixar para quando adquirir o livro traduzido, em português se chama só "Tess".

Como vocês decidem abandonar ou não algum livro? Sem dó nem piedade ou dão contínuas chances ao coitado? Deixe sua opinião nos comentários!

Comentários

  1. Quando penso em abandonar um livro, me dói, mesmo ele sendo muuuuito chato. Parece que o danado tem uma alma que grita: POR QUE EU!? rs
    Já abandonei quatro livros: dois romances portugueses do século XVIII, com uma linguagem muito cansativa e rebuscada, Ponto de Impacto (sim, também), pois houve uns problemas pessoais no meio da leitura e acabei não retomando após; Cem Anos de Solidão, comecei a ler em época de provas e após muitos dias sem ler resolvi adiar para um momento melhor (que não chegou ainda). Como eu tinha afirmado na minha resenha, quase larguei O Império do Sol por ser super descritivo e enrolado, o que cansa a paciência. Me mantive firme apenas pela curiosidade de saber como se encerra. O que me faz desistir mesmo de uma leitura é a união de uma linguagem rebuscada, quando o andamento da história é chato e os personagens mais ainda. Ai não há como suportar rS'


    Bjooo Rafa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. George, seus comentários sempre tem um humor embutido muito legal haha
      Conheço o "melhor momento que ainda não chegou" haha e também morro de pena. Se alguém gastou meses de sua vida escrevendo, posso fazer um esforcinho e pelo menos terminar, né?
      Nesse livro do Thomas Hardy em específico, me dá mais pena que o normal, porque pelo pouco que consegui entender, vou gostar. Mas não conta como abandono/abandonado-mesmo se eu ler em português, né? haha

      Beijos!

      Excluir
  2. Também não gosto de abandonar livros. Sempre fico na esperança que ele vai melhorar, mas acontece quando acho o livro chato demais ou muuuito irritante. Na minha conta do skoob, tem 2: A Menina que Roubava Livros e Diário de Uma Paixão. Normalmente quando o livro não está agradando, faço uma leitura relâmpago para ver se melhora mais adiante e, se não, terminá-lo de uma vez. Beijinhos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mãe, bom te ver aqui ;)
      Ainda acho que a senhorita deveria dar uma chance para Diário de uma Paixão, é uma história linda! haha

      Beijos

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Camylla! Não conta como abandono se eu for ler a tradução, né? Diz que sim! hahaha

      Beijos

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever