Pular para o conteúdo principal

Vi na Livraria | Umbigo é nosso rei?


Pensei em começar uma nova coluna por aqui para mostrar o que andei vendo por aí, nas livrarias físicas e online, no youtube ou conheci pelo Skoob. Livros que eu pretendo ler um dia e que talvez interessem a alguém mais.





Editora: Artes e Ofícios
Páginas: 160
Skoob

Umbigo Rei é o líder de um gigantesco país habitado por milhões de umbigóides. Há quem diga que se trata da maior nação umbigóide do Planeta. Você já deve ter cruzado com muitos e muitas umbigóides. É fácil reconhecer essas criaturas ligeiras. Em geral, são sedutoras e envolventes. Descuide-se e crau!, elas levam alguma ou toda vantagem. 
Umbigóides furam filas, rodam pelos acostamentos, divertem-se assustando velhinhos no trânsito e matam-se aos milhares nas ruas e nas estradas. Entopem bueiros com o lixo que atiram pelas janelas dos seus carros. Umbigóides puxam a brasa para o assado deles e dos mais próximos. Nessa ordem. 
Explicar o individualismo e o personalismo dos brasileiros não é tarefa fácil. O historiador paulista Sergio Buarque de Holanda, na obra Raízes do Brasil, traz a perspectiva de nossos colonizadores, responsáveis por incutir-nos o maldito personalismo (umbigolismo para os umbigóides) do qual padecemos até hoje. Trata-se do individualismo ibérico, baseado na idéia de que só tem valor aquele que se basta e que a vida é assim, cada um por si e Deus por todos.
Umbigo é nosso rei? – Considerações sobre o individualismo e o personalismo dos brasileiros traz as visões de alguns dos melhores cronistas, romancistas, ensaístas e poetas do país sobre essa parte, às vezes, proeminente, outras vezes depressiva da nossa anatomia. E, principalmente, o que ela representa na cultura do nosso país.


Eu achei esse título fantástico e a sinopse super atual. Acho que a reflexão proposta é super válida e se o livro for tão bom quanto a discussão que ele traz, deve ser um must read. Eu tenho a impressão de que cada vez mais caminhamos para uma posição individualista, embora devêssemos atentar à solidariedade, relembrar valores como respeito, que, por alguma razão ou outra, foi esquecido no caminho.

O que você achou da proposta da coluna? E do livro sugerido? Deixe sua opinião nos comentários!

Comentários

  1. Adorei a ideia da coluna, bem bacana! Não conhecia o livro em questão mas também gostei da sinopse.

    Beijo,
    Naty.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Naty! Eu adoro conhecer novos livros ;)
      Beijos!

      Excluir
  2. Gostei da coluna :) nao cknhecia o livro e adorei conhecer ele.. A sinose e bem interessante....

    Forever a Bookaholic

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Vi na Livraria | A Taberna - Émile Zola

Um livro depravado do século XIX.