Pular para o conteúdo principal

Filme | Sweeney Todd: O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet

Olá, tudo certo por ai?

                Hoje vou comentar as minhas impressões do filme Sweeney Todd: O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet. Porém antes, vamos a ficha técnica:

Titulo Original: Sweeney Todd: The Demon Barber of Fleet Street
Lançamento: 8 de fevereiro de 2008
Com: Johnny Depp, Helena Bonham Carter, Alan Rickman e mais
Dirigido por: Tim Burton
Duração: 1h56min
Gênero: Musical, Suspense, Terror, Drama
Sinopse: Benjamin Barker (Johnny Depp) passou 15 anos afastado de Londres, após ser obrigado a deixar sua esposa e sua filha. Ele retorna à cidade ávido por vingança, agora usando a alcunha de Sweeney Todd. Logo ele decide ir à sua antiga barbearia, agora transformada em uma loja de fachada para vender as tortas feitas pela sra. Lovett (Helena Bonham Carter). Com o apoio dela Todd volta a trabalhar como barbeiro, numa sala acima da loja. Porém o grande objetivo de Todd é se vingar do juiz Turpin (Alan Rickman), que o enviou para a Austrália sob falsas acusações para que pudesse roubar sua mulher Lucy (Laura Michelle Kelly) e sua filha.

                Assisti a esse filme por indicação de uma amiga, Simone. Na verdade eu perguntei se ela tinha alguma dica, até porque eu já estava sem ideia do que assistir pra essa semana. A semana foi corrida na faculdade apesar do feriado e do jogo da Brasil, e acabou que eu deixei quase tudo pra ultima hora. Mas no final, deu tempo pra quase tudo.
                Mas vamos logo para o filme, um musical com tons de suspense misturado com um drama. Com a direção do famoso Tim Burton, e com Johnny Depp no papel principal do barbeiro louco.
                O cenário do filme é perfeito, Inglaterra na metade do século XIX, no auge da Revolução Industrial, na sua era de ouro de assassinos em séries, um lugar melancólico e sombrio, lugar ideal para inserir um barbeiro assassino e uma quituteira maluca.
                De fato o filme é bom, eu realmente gostei, achei sensacionais as musiquinhas. Mas na metade do filme eu já estava meio que de saco cheio, a trama começou a ficar amarrada e lenta e isso foi me cansando.
                Apesar do cansaço que o filme me deu, pela sua lentidão em certos momentos, eu realmente gostei, tanto é que cantei junto com o marinheiro “I seeeee you, Johaaaaanna” todas às cinco vezes.
                A única coisa que não me agradou de fato, foi o seu final, apesar de dramático, achei bastante previsível. Mas ainda sim é um filme bom pra assistir, e digo mais, apesar do nome da pra assistir com a família sim, apesar de a sua classificação ser +16 (pesquisei e foi o que achei, posso ter me enganado).
                Pra finalizar, vamos à nota? Então, minha nota para Sweeney Todd é:

4 Estrelitas

Bah: O bah de hoje não vai ser sobre o filme, vai ser mais um parabéns pra moça bonita, digo, pra Rafaela. Eu já dei os parabéns, mas ela merece mais um (atrasado agora). Resumindo, “Parabéns (uhull), parabéns (uhull), sexta foi o seu dia, que dia mais feliz”.

E você, já assistiu Sweeney Todd? O que achou? Não poupe seu teclado, deixe um comentário.  

Comentários

  1. Johnny Depp e Helena Carter no mesmo filme deixa tudo intenso s2
    Que vontadezinha de assistir esse filme! Parabéns de novo, Rafa! :3

    http://gabryelfellipeealgo.blogspot.com.br/
    El Costa - Confins Literários

    ResponderExcluir
  2. Oi Rafa! Concordo com você, os atores são bons e a arte é muito bonita. Porém, me enchi um pouco lá pela metade, e comecei a ficar com nojo com a histórias das tortas. Tanto que nunca mais revi esse filme heheheh.
    Beijos

    thedandelioninspring.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever