Pular para o conteúdo principal

Resenha | O Festim dos Corvos - George R. R. Martin

As Crônicas de Gelo e Fogo #4
Editora: Leya
Páginas: 586
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2005 com o título de A Feast for Crows

Compre na Amazon: O festim dos corvos - As crônicas de gelo e fogo vol. 4

Continuando a saga mais ambiciosa e imaginativa desde O Senhor dos Anéis, As Crônicas de Gelo e Fogo prosseguem após o violento triunfo dos traidores. Enquanto os senhores do Norte lutam incessantemente uns contra os outros e os Homens de Ferro estão prestes a emergir como uma força implacável, a rainha regente Cersei tenta manter intacta a força dos leões em Porto Real. Os jovens lobos, sedentos por vingança, estão dispersos pela terra, cada um envolvido no perigoso jogo dos tronos. Arya abandonou Westeros rumo a Bravos, Bran desapareceu na vastidão enigmática para além da Muralha, Sansa está nas mãos do ambicioso e maquiavélico Mindinho, Jon Snow foi proclamado comandante da Muralha mas tem que enfrentar a vontade férrea do rei Stannis e, no meio de toda a intriga, começam a surgir histórias do outro lado do mar sobre dragões vivos e fogo... Quando Euron Greyjoy consegue ser escolhido como rei das Ilhas de Ferro, não são só as ilhas que tremem. O Olho de Corvo tem o objetivo declarado de conquistar Westeros. E o seu povo parece acreditar nele. Mas será ele capaz? Em Porto Real, Cersei enreda-se cada vez mais nas teias da corte. Desprovida do apoio da família e rodeada por um conselho que ela própria considera incapaz, é ainda confrontada com a presença ameaçadora de uma nova corrente militante da Fé. Como se desenvencilhará de um tal enredo? A guerra está prestes a terminar, mas as terras fluviais continuam assoladas por bandos de salteadores. Apesar da morte do Jovem Lobo, Correrrio ainda resiste ao poderio dos Lannister, e Jaime parte para conquistar o baluarte dos Tully. O mesmo Jaime que jurara solenemente a Catelyn Stark não voltar a pegar em armas contra os Tully ou os Stark. Mas todos sabem que o Regicida é um homem sem honra. Ou não será bem assim?



Depois de um primeiro livro fantástico, de um segundo livro muito bom e do meu preferido até o momento, A Tormenta de Espadas,  hoje eu vou falar do quarto livro da saga, O Festim dos Corvos.

Como vocês devem saber, este e o quinto livro da série se passam simultaneamente por decisão do autor. Então, acompanhamos somente uma parte dos personagens nessas mais de 500 páginas. Eu não gostei do formato, uma das coisas que eu mais adoro na série é a quantidade de histórias se desenrolando ao mesmo tempo e esse aspecto deixou a desejar nesse livro.

Acabamos conhecendo algumas terras que não conhecíamos e temos a introdução de novos personagens. Acompanhamos o desenrolar da história em Dorne, que foi bem legal já que ainda não tinha entrado na história. E também a Arya, em Bravos, com seu treinamento para se tornar uma sem rosto. Aliás, adorei esse aspecto mais místico, mais fantasioso da história. Um pouco mais de Pyke também, um costume que me chamou a atenção foi o de batizado, quando eles são afogados e revividos mais fortes.

Porém, esse é um típico livro de meio. Acabamos conhecendo muita coisa e nada realmente acontece. Quando começa toda aquela ação típica dos outros livros, ele termina. A história mais interessante nesse desfecho é a da Cercei, mas eu não quero contar nada sobre o que acontece com ela, vou deixar para quem ler.

Eu senti a falta dos outros personagens e fiquei muito curiosa com todo esse suspense. O que aconteceu com Tyrion, por exemplo? Adoro esse anãozinho maldito... haha

Continua sendo bom, afinal é George, mas ele foi para o fim da minha lista de preferidos. O terreno ficou plantado para as próximas matanças. Veremos no próximo!

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!


Comentários

  1. Eu ainda estou tentando terminar de ler o primeiro livro.

    Rafa, te indiquei para uma tag/meme dá uma conferida :D
    http://aschatasdegalocha.blogspot.com.br/2014/06/oi-gente-tudobem-como-hoje-e-dia-de.html

    ResponderExcluir
  2. Esse livro é muito legal. Já o quinto livro da saga é um saco!
    Brace yourself! Hahahahhaha
    Sou muito fã da saga. Li os livros, mas prefiro os seriados.
    Beijos

    http://itsfangirltime.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, eu tenho que discordar. Não curti muito o quarto, já o quinto *.*
      Cadê o sexto?!?! haha

      Beijos

      Excluir
  3. Esse foi um dos meus preferidos, justamente por td que acontece com a Cersei... Como a Fernanda, tbm não gostei muito do 5, vc já leu?? Mas eu não gostei pq mta coisa aconteceu diferente demais do que eu esperava e tal.... Mas ainda tem os dois últimos pra "arrumar" :P

    Bjooooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, eu adorei o 5! Vc viu que podem ser 8 livros? Jesus, acho que vou ser vó quando esse homem terminar de lançar a saga! haha

      Beijos

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Vi na Livraria | A Taberna - Émile Zola

Um livro depravado do século XIX.