Pular para o conteúdo principal

Resenha | Wicked - Gregory Maguire

The Wicked Years #1
Editora: Harper Collins
Páginas: 519
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 1995 com o título de Wicked.

When Dorothy triumphed over the Wicked Witch of the West in L. Frank Baum's classic tale, we heard only her side of the story. But what about her arch-nemesis, the mysterious witch? Where did she come from? How did she become so wicked? And what is the true nature of evil?



 Li esse livro para a II Maratona Literária #EuSouDoideira e estou devendo a resenha desde então. Lá vai: essa é a história não-contada de Elphaba, a bruxa do oeste.

A narrativa pula de perspectivas, porém, se mantém em fases da vida de Elphie. Desde o seu nascimento com pele verde e dentes afiados até o final da história do Mágico de Oz que L. Frank Baum nos contou. Elphie é filha de um 7º filho de um 7º filho (achei isso bem legal, supersticioso) que é uma espécie de pastor e uma mãe bem sociável, digamos assim. Nunca gostou de água e desde pequena demonstrou uma inteligência superior a sua idade.

Acompanhamos ela na faculdade, quando ela se engaja na defesa dos direitos dos Animais, o que trouxe todo uma perspectiva que eu não esperava para o livro. Quando iniciei na leitura, pouco sabia sobre o livro em si, e me surpreendi ao descobrir que é literatura destinada a adultos e, não, crianças. Na faculdade, ela começa a moldar seu futuro, mesmo sem querer. É um livro recheado de implicações políticas.

Ao ler, passa a impressão de que L. Frank Baum distorceu a história da Elphie para fazer ela parecer má, coisa que ela não é. Muito bem escrito, me fez crer mais nessa versão dos fatos do que na história original. Confesso que foi difícil engrenar na história, lá pela metade do livro, aí sim, a coisa pegou ritmo e fluiu rapidinho. A história me fisgou e eu queria saber o que iria acontecer e como ela acabaria daquela maneira que Baum nos contou.

O livro é dividido em partes. A cada parte muda-se a perspectiva de quem conta e dá um pulo no tempo, o que me causou um certo desconforto. Eu terminava cada parte num ritmo legal, porém, ao iniciar a nova parte, demorava para entender e me situar no tempo da narrativa. O inglês dele não é tão fácil assim, porém não é dos mais difíceis, dá para ler tranquilamente.

Talvez a minha leitura teria sido melhor se O Mágico de Oz estivesse fresco na minha cabeça, porém, faz tanto tempo que li o clássico que várias das referências ao longo do livro foram perdidas para mim. É uma história independente, claro, tem seus próprios méritos e se sustenta em si, porém, acho que a leitura teria sido mais enriquecida se eu tivesse relido antes o clássico de Baum.

Esse é o primeiro livro de uma série e estou curiosa para saber como ela continua. Já encomendei o próximo livro que é Son of a Witch.

Como regra da maratona, eu devo escolher uma música para combinar com o livro. Qual melhor do que uma do musical baseado no livro?


E você? Já leu? Pretende ler? Deixe sua opinião nos comentários!

Comentários

  1. Oi, Rafa!! Adorei a resenha! E obrigada pela dica sobre ler O Mágico de Oz primeiro! Estou com ele lá em casa e quero tentar ler este mês, aí já vejo se pego para ler Wicked tb! Ambos estão no Projeto Rory Gilmore! =]

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Dani *-*
      Opa, marquei alguns pontos sem querer no projeto da Rory então hehe
      E realmente, acho que a leitura de Wicked é melhor tendo em mente o original, para pegar todas as referências e os "twists" da história hehe

      Beijão!

      Excluir
  2. Primeira coisa que digo/escrevo é que fiquei embasbacado e admirado por você ser uma das pessoas que leem livros em inglês! o.O E segundo que eu percebi muito a menção de O Mágico de Oz e fiquei com vontade de ler o livro porque os desenhos clássicos são ótimos. Bem, eu não curto muito essa coisa de tempos diferentes separando o livro em partes, ás vezes é legal, mas em sua maioria é "brochante". Ótima resenha, bilíngue <3

    http://gabryelfellipeealgo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaha que querido! ♥
      Eu estou esperando o segundo volume chegar, mesmo com a chatice de pular no tempo, adorei a história e estou curiosa sobre como vai continuar hehe

      Bjs!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever