Pular para o conteúdo principal

Filme | Lucy

Olá, tudo certo por aí?


Título Original: Lucy
Lançamento: 28 de Agosto de 2014
Com: Scarlett Johansson, Morgan Freeman e mais
Dirigido por: Luc Besson
Duração: 89 minutos
Gênero: Ação, Ficção Científica.
Sinopse: Quando a inocente jovem Lucy (Scarlett Johansson) é forçada a transportar drogas dentro do seu estômago, por acaso, ela acaba absorvendo as drogas, e um efeito inesperado acontece: Lucy ganha poderes sobre-humanos, incluindo a telecinesia, a ausência de dor e a capacidade de adquirir conhecimento instantaneamente.






                O que existe de tão bom em Lucy é o fato de conseguir unir a mitologia dos filmes de ação com aquela das histórias em quadrinhos. A protagonista é uma super-heroína, mas ao invés de ter poderes seletivos, ela tem todos os poderes possíveis. Tudo isso graças a um acidente sempre um acidente envolvendo uma droga sintética. Lucy então passa a desenvolver o seu cérebro, e logo pode controlar tudo e todos ao redor. Essa ideia de uma personagem capaz de fazer tudo pode ser completamente absurda em termos de roteiro, mas se mostrou poderosa em termos de imagem.
                Lucy não vive em um mundo paralelo, no futuro, ela também não é particularmente inteligente ou bem intencionada. É uma personagem comum, nos dias de hoje, que é escolhida acidentalmente por um grupo de mafiosos e parte em busca de uma vingança por motivos puramente pessoais. A personagem não quer livrar o mundo do tráfico de drogas, ou dos homens malvados, ela quer apenas fazer um experimento extremo em si mesma, o que a leva a roubar a tal droga sintética de diversas pessoas. Lucy é uma dessas mulheres fortes e vingadoras, uma heroína sem caráter, me lembra bastante Kill Bill.
                O que se segue então é uma sucessão absurda e inventiva de momentos de ação. Todo mundo já viu tiros, perseguições e explosões antes, mas Lucy faz uma representação nova e inédita da ação, ao invés de atirar nos bandidos, Lucy desarma-os com o poder do pensamento, ao invés de colidir com carros e gerar explosões ela faz com que eles capotem sozinhos no meio da rua.
                O roteiro acaba explorando com naturalismo e com alegria o potencial deste grande videogame. A narrativa é veloz e enxuta, investindo na trajetória de progressão – o potencial de desenvolvimento cerebral da protagonista aparece na tela, cada vez maior. O que acontece quando Lucy chegar a 100% do seu cérebro?
                Bom, isso você só vai descobrir se assistir. Então pra finalizar, minha nota:

✬ 4 estrelas.

E você, já assistiu Lucy? O que achou? Não poupe seu teclado, deixe um comentário.

Comentários

  1. Ótima resenha Rafaela! Queria muito ter ido ao cinema ver Lucy. A crítica foi muito favorável por parte do público. Dizem ser divertido, com efeitos e fotografia lindos e, claro, Scarlett. Assim que estiver disponível em BluRay pretendo degustá-lo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | As Florestas do Silêncio - Emily Rodda

Deltora Quest - Livro 1 Editora : Fundamento Páginas : 104 Estrelas :  ✬ ✬ ✬ ✬ Skoob Publicado originalmente em 2000 com o título de The Forests of Silence O maligno Senhor das Sombras está tramando invadir Deltora e escravizar o seu povo. Há somente uma coisa que o impede: o mágico Cinturão de Deltora com suas sete pedras preciosas de fantástico e misterioso poder. Quando as pedras são roubadas e escondidas em locais sombrios e terríveis em todo o reino, o Senhor das Sombras triunfa e Deltora está perdida. Em segredo, com apenas um mapa desenhado à mão para guia-los, dois estranhos companheiros saem numa perigosa busca. Determinados a encontrar as pedras perdidas e livrar seu país do tirano, eles lutam para atingir sua primeira meta - as sinistras "Florestas do Silêncio".

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro