Pular para o conteúdo principal

TAG | Como eu leio?


Eu fui marcada nessa TAG há muito tempo atrás pela Dani do Soh Lendo, mas só agora criei vergonha na cara para respondê-la.
Os links de quem criou e quem traduziu estavam no vídeo da Dani, mas agora constam como indisponíveis. Sem mais delongas, às perguntas:

1) Como você descobre sobre novos livros para ler?
Antigamente, eu assaltava ao acervo da minha mãe e pedia recomendações dela, ou na livraria mesmo. Hoje, através dos blogs e vlogs que eu sigo. 

2) Como você entrou nesse mundo da leitura?

Minha mãe sempre lia e incentivava que eu lesse. Mas, ao contrário de muitos leitores, eu não lia na infância. Comecei com a série do Harry Potter ♥ e por um longo tempo fiquei somente com ela. Só lia os livros do Harry, e não lembro exatamente quando que peguei o vício mas nos últimos três anos engrenei de vez.
3) Como o seu gosto literário mudou com o passar do tempo?
Não sei dizer, realmente. A única coisa que me vem a mente é que, mais recentemente, comecei a explorar gêneros que eu tinha um pouco de preconceito e expandi a gama de gêneros literários que eu gosto.

4) Com que frequência você compra livros?
Vergonhosamente, creio que toda semana. 

5) Como você entrou nesse mundo dos Canais Literários?
Conheci o booktube no ano passado e me apaixonei.  Acompanhei durante meses e resolvi criar o blog, fiz alguns vídeos, mas ainda não "peguei o jeito" e o ritmo de filmagens. É como se todo um mundo diferente tenha sido revelado para mim. Muito legal.

6) Como você reage quando não gosta do final de um livro?
Para citar como exemplo, Convergente. Detestei o final da série e reclamo dela até hoje - haha. Então, acho que reajo reclamando mesmo e partindo pra próxima, mas sempre mantendo uma raivinha interna pelo final ruim.
7) Com que frequência você espia a última página do livro pra ver o que acontece no final?
NUNCA! Não entendo quem faz isso - haha. Só olho o número de páginas e olhe lá!
8) Quem você vai marcar pra responder essa tag?
Acho que eu sou a última vivente a responder essa tag, então vou com a resposta padrão do sinta-se taggeado se for do agrado.

Como você lê? Deixe nos comentários!
Siga no instagram e twitter @alpargatas13 

Comentários

  1. Ebaaa!!! Adorei suas respostas, Rafa!!! ❤️ Vou dar uma olhada nos links e ver se consigo arrumar!! =D

    ResponderExcluir
  2. Gostei das respostas Rafa! Se me perguntassem eu diria que você é leitora compulsiva desde pequenuxa rS'. Comprar livros toda a semana é, não monetariamente falando, fantástico! Eu compro alguns a cada 2 meses e ainda assim, isso sim é vergonhoso, tenho uma fila enorme de leituras por completar kk! E olhar a ultima página...está certa, só pra ver o numero dela.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um vício, George! E o pior, sempre me consolo pensando aquele clichê "podia tá matando, roubando, me prostituindo", mas né, tô aqui lendo e blogando haha
      Eu quero diminuir o ritmo de compras, tô com muitos livros bons me esperando hehe

      Beijão!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever