Pular para o conteúdo principal

Resenha | A Mulher Enjaulada - Jussi Adler-Olsen

Departamento Q #1
Editora: Record
Páginas: 392
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2007 com o título de Kvinden i buret


No auge da carreira política, a bela e reservada Merete Lynggaard desaparece. As investigações que se seguem não rendem muitas informações à polícia, levando ao arquivamento do caso. Passados alguns anos, o detetive Carl Mørck, responsável pelo recém-criado Departamento Q — uma seção para casos importantes não solucionados — é encarregado de descobrir o que, afinal, aconteceu a ela. Então, com seu assistente, Assad, ele inicia uma busca pelos rastros desse mistério e, para isso, Carl precisa vasculhar o passado de Merete, guardado a sete chaves, para descobrir a verdade.



Eu fiquei atraída por esse livro logo que ele lançou no Brasil. Sou dessas que adoram romances policiais de autores de fora do eixo "normal" desse tipo de literatura, ou seja, americana e britânica. A capa é linda e a sinopse me pegou de cara.

O livro é contado pela perspectiva do policial protagonista dessa série, Carl Morck. Ele sofreu um trauma junto com seus colegas há algum tempo e agora está voltando para o trabalho. Ninguém quer trabalhar com ele, então o designam para um novo departamento, o Q, que investiga casos mortos. Como todo bom romance policial, um pouco da sua vida pessoal transparece ao longo do livro.

Ele tem um assistente, o Assad que tem um papel como de Watson para o Sherlock, ou Robin para o Batman. É engraçado e artificioso, tem um potencial incrível para crescer. Adorei ele!

Também é contado da perspectiva de Merete, a vítima. Acompanhamos o que está acontecendo com ela enquanto o Carl investiga. Nós sabemos onde ela está, logicamente, que está viva. Ficamos sabendo da tortura que ela está recebendo por esses 5 anos de sequestro (ela foi sequestrada em 2002 e a história se passa em 2007). Também, o passado aos poucos vai sendo reconstruído no livro.

Eu estava com altas expectativas sobre ele e fiquei um pouco decepcionada. Consegui descobrir o culpado e o final teve ares de sessão da tarde. Mas foi só o final que decepcionou, gostei do desenvolvimento. Devo dizer também que os diálogos me soaram um pouco piegas.

Várias pistas são largadas ao longo do livro, tem vários personagens que tem toda pinta de culpados e foi divertido chegar a conclusão. A série tem potencial para ser ótima, se melhorados alguns aspectos.

Eu acho que o mais legal de ler livros de autores de nacionalidades diferentes, fora do usual é que os cenários são diferentes, assim como os nomes e os costumes. Como quando li o Boneco de Neve do Jo Nesbo, adorei o cenário branco e frio. Também serve para nos mostrar que os conflitos humanos são os mesmos ao redor do globo.

Você costuma ler livros de autores de nacionalidades diferentes? Deixe nos comentários!
Siga no instagram e no twitter @alpargatas13

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever