Pular para o conteúdo principal

Resenha | Aura - Carlos Fuentes

Editora: L&PM Pocket
Páginas: 80
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 1962 com o título de Aura

Poucos textos na literatura mexicana têm a beleza e a expressividade desta narrativa, "Aura", em que os processos da ficção são levados às últimas consequências. As imagens do sonho alteram a realidade ou a realidade se vê contaminada pelo sonho. O fato é que Carlos Fuentes, dono de todos os recursos, empregando uma eficaz técnica literária, deu alento a uma atmosfera de sombras e ecos, onde está manifestado o tema da verdadeira identidade, e o amor volta a se unir, acima do tempo, através do mal e da morte. "Aura" é mais do que uma intensa história de fantasmas: é uma lúcida e alucinada exploração do sobrenatural, um encontro dessa vaga fronteira entre a irrealidade e o tangível, esta zona da arte onde o horror gera a beleza.



Acredito que esse seja o primeiro livro mexicano que eu li, não tenho grandes conhecimentos da literatura mexicana, mas se for tirar por base esse texto, tem riquezas por lá.

Felipe Montero é um historiador, bolsista na Sorbonne que responde a um anúncio no jornal oferecendo um emprego que parece ter sido feito para ele, com todas as suas qualificações, é como se ele o chamasse. 

"Você viverá esse dia como os demais dias, e não voltará a se lembrar senão no dia seguinte, quando se senta novamente na mesa do bar, pede o café da manhã e abre o jornal."

Ele vai até o endereço e é contratado por uma velha senhora para escrever a história de seu marido antes que ela morra. Junto com o exorbitante salário, ele deverá se mudar para a casa e viver junto com a velha senhora, Consuelo e sua sobrinha, Aura.

Enquanto lê as memórias do falecido, começa a analisar a casa onde ele está. Sempre a velha faz referências a um criado que nunca aparece, ela faz comentários macabros como que não há jardins na casa pois as paredes foram sendo construídas ao seu redor. E também, eles só utilizam velas dentro da casa, então tudo se passa no escuro. Acaba se envolvendo com a Aura também, querendo tirá-la de lá, da morbidez da vida na escuridão com a tia, ele pretende terminar o livro e fugir com ela.

A história é rica em descrições, tive muitos arrepios durante a leitura. Imaginar esses cenários envelhecidos, escuros, cheios de mofo e ratos. A velha à beira da morte, praticamente se decompondo ainda viva. 

Essa é uma história de fantasmas que seria excelente para o cinema, não encontrei nenhuma adaptação desse livro, mas acredito que daria um filme de terror muito bom. Os acontecimentos do livro são tão fantásticos e surpreendentes, macabros e asquerosos.

É uma história de amor além de uma história de fantasmas. Nem posso chamar de romance, afinal são só 80 páginas, mas demorei um pouco para ler. Fiquei incomodada com as descrições e não quis ler pela noite. Ele não é de terror, propriamente dito, mas é macabro. Ótima leitura de Halloween!

Você costuma ler histórias de terror? Deixe nos comentários!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | As Florestas do Silêncio - Emily Rodda

Deltora Quest - Livro 1 Editora : Fundamento Páginas : 104 Estrelas :  ✬ ✬ ✬ ✬ Skoob Publicado originalmente em 2000 com o título de The Forests of Silence O maligno Senhor das Sombras está tramando invadir Deltora e escravizar o seu povo. Há somente uma coisa que o impede: o mágico Cinturão de Deltora com suas sete pedras preciosas de fantástico e misterioso poder. Quando as pedras são roubadas e escondidas em locais sombrios e terríveis em todo o reino, o Senhor das Sombras triunfa e Deltora está perdida. Em segredo, com apenas um mapa desenhado à mão para guia-los, dois estranhos companheiros saem numa perigosa busca. Determinados a encontrar as pedras perdidas e livrar seu país do tirano, eles lutam para atingir sua primeira meta - as sinistras "Florestas do Silêncio".

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro