Pular para o conteúdo principal

Resenha | Claros Sinais de Loucura - Karen Harrington

Editora: Intrínseca
Páginas: 256
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2013 com o título de Sure Signs of Crazy

Você nunca conheceu ninguém como Sarah Nelson. Enquanto a maioria dos amigos adora Harry Potter, ela passa o tempo escrevendo cartas para Atticus Finch, o advogado de O sol é para todos. Coleciona palavras-problema em um diário, tem uma planta como melhor amiga e vive tentando achar em si mesma sinais de que está ficando louca. Não é à toa: a mãe tentou afogá-la e ao irmão quando eles tinham apenas dois anos, e desde então mora em uma instituição psiquiátrica. O pai, professor, tornou-se alcoólatra.
Fugindo da notoriedade do crime, ele e Sarah já se mudaram de diversas cidades, e a menina jamais se sentiu em casa em nenhuma delas. Com a chegada do verão em que completa doze anos, ela está cada vez mais apreensiva. Sente falta de um pai mais presente e das experiências que não viveu com a mãe, já se acha grande demais para passar as férias na casa dos avós, está preocupada com a árvore genealógica que fará na escola e ansiosa pelo primeiro beijo de língua que ainda não aconteceu.
Mas a vida não pode ser só de preocupações, e, entre uma descoberta e outra, Sarah vai perceber que seu verão tem tudo para ser muito mais. Bem como seu futuro.


Sarah Nelson é uma menina de 12 anos. Ela tinha um irmão gêmeo, mas ele morreu, sua mãe o afogou quando eles tinham 2 anos. Só Sarah sobreviveu.

"Como sempre, tenho que descobrir as coisas por conta própria e responder às perguntas que o meu cérebro inventa. Se você quer saber, estou à procura de qualquer sinal de estar enlouquecendo."

A história tem um tom mórbido, obviamente, mas é escrito com bastante leveza através da visão da Sarah. Li em uma noite só, sem conseguir largar. Adorei o tema peculiar, adorei o desenvolvimento da história, adorei as esquisitices da protagonista.

Sarah mantém dois diários, um falso, que deixa ser lido pelo pai. E o verdadeiro, que traz seus pensamentos reais. Lendo esse livro é como se estivessemos lendo o diário verdadeiro da personagem. Narrado em primeira pessoa, ela conta a parte trágica de sua vida e como, hoje, ela vive com esse estigma.

Sarah e o pai sempre tem que se mudar quando as pessoas descobrem seu passado, por não aguentarem a reação dos outros a um drama tão particular que foi altamente reportado pela mídia. A história começa quando ela está entrando em férias, mas já sofrendo em antecipação a um trabalho genealógico que terá de fazer no ano seguinte.

Ela tem uma planta chamada Planta como melhor amiga, adora dicionários e seriados policiais. Ela leu O Sol é para Todos e escreve cartas para o advogado do livro. Ela conversa com seu irmão morto em sonhos. Seu pai é alcóolatra e sua mãe vive num hospital psiquiátrico.

Como a personagem tem 12 anos, por mais que a história trate de temas fortes, não é um livro pesado, pois ela é criança e, talvez, recém esteja realizando o quão ruim foi seu passado. Apesar de tudo, ela é uma menina comum, entrando na pré-adolescência e quer dar seu primeiro beijo, tem uma paixonite por um vizinho.

"Livros não estragam. Não azedam como leite, que é preciso beber dentro do prazo de validade."
É um livro de leitura rápida e traz bastante emoção. Não é um livro triste, na medida do possível, levando em conta a temática. Tem momentos bem engraçados e fofos. A narrativa lembra Extraordinário na sua inocência.

Você gosta de livros com temática de loucura? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga no instagram e twitter @alpargatas13

Comentários

  1. Vi muitos comentários positivos em relação a esse livro, a leitura me interessa justamente pelo fato de ser narrado por uma criança. Gosto muito de livros que trazem essa leveza na escrita. Adorei a resenha!

    Beijo,
    Naty.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não sei como esse livro não fez mais sucesso, porque é muito fofo! Ele deveria ser lido mais hehe recomendo!

      Beijos!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever