Pular para o conteúdo principal

Resenha | A Garota que Tinha Medo - Breno Melo



Editora: Chiado
Páginas: 280
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado em 2014.

Marina é uma jovem que faz tratamento para a síndrome do pânico. Às voltas com o ingresso na universidade, um novo romance e novas experiências, Marina tem seu primeiro ataque de pânico. Sua vida vira de cabeça para baixo no momento mais inapropriado possível e então psiquiatras e psicólogos entram em cena. Acompanhamos suas idas ao psiquiatra e ao psicólogo, o tratamento farmacológico e a psicoterapia. Ao mesmo tempo, conhecemos detalhes de sua vida amorosa e sexual, universitária e profissional, social e familiar na medida em que elas são marcadas pela síndrome. Um tema atual. Uma excelente obra tanto para conhecimento do quadro clínico como entretenimento, narrada com maestria e de uma sensibilidade notável.

Eu não conhecia esse livro, nem seu autor, até que o mesmo entrou em contato comigo pelo Skoob. A sinopse me chamou atenção - por algum motivo adoro ler livros com doenças de pano de fundo (e psicopatias, violência, sangue e afins, mas juro que sou normal), então, resolvi lê-lo.

O livro chegou de manhã, pensei em ler um capítulo, para pegar a vibe do livro, ajustar minhas expectativas, essas coisas. Acabei abdicando do almoço e consegui ler as primeiras 100 páginas do livro até ir para o trabalho.

A leitura é leve, ao mesmo tempo em que trata de temas pesados, mas a simplicidade com que é escrito facilita a leitura. Quando vê, chegou ao final.

Marina, uma blogueira literária (iei!), em forma de díário/memórias, começa a nos contar desde seu primeiro episódio com a síndrome do pânico. Começaram quando ela tinha 18 anos, assim que ela entrou na faculdade que queria, Jornalismo. Ela, agora, contando a história tem 25 anos.

Ela fala sobre as mudanças que a síndrome trouxe na sua vida em todos os aspectos. Desde suas aulas, sua família, amigos, vizinhos (afinal, ela grita quando entra em pânico) e seu namorado. Ela conta sua história com objetividade, o que eu gostei muito, por mais que eu aprecie uma linguagem prolixa, sou sucinta nos meus pensamentos e me identifiquei.

A história se passa no Paraguai. Esse é outro ponto interessante, a história do país permeia um pouco a história da personagem em referências. Assim como, Marina, enquanto leitora, faz diversas referências aos seus autores preferidos ou livros que leu, também comenta sobre música e cultura pop. Como se chama quando o narrador conversa com o leitor? Esse foi um outro ponto que eu gostei no livro e que aproximou a personagem de mim.

Existem outros personagens, porém, não são tão explorados quanto a protagonista - o que é super coerente com a proposta do livro, que é como se a Marina escrevesse uma autobiografia. O foco está nela. Eu gostei muito da personagem porque ela é uma "garota normal", embora com medo. Por exemplo, encontramos muito na literatura atual uma preocupação com a sexualidade do personagem, aqui não. Sexo não é tabu, nem destaque, ocupa seu lugar na história como ocupa nas nossas vidas.

Enfim, eu quero continuar lendo Breno Melo. Já cobrei do autor e ele me garantiu que existiram outros livros para podermos apreciar sua escrita.

E você? Ficou com vontade de ler? Deixe sua opinião nos comentários!
Seja parceiro do blog, siga no Google Friend Connect.



Comentários

  1. Esse livro tem uma tema bem interessante e o autor entrou em contato para fazer parceria comigo, que eu aceitei. Espero ler e gostar da obra tanto quanto você. Parece ser um livro ótimo.

    memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também espero que vc goste tanto quanto eu! Eu me apaixonei! :D

      Beijos!

      Excluir
  2. O livro chegou esta semana e já estou ansiosa para o ler. Gostei bastante da sua resenha e só me deixou mais empolgada ainda para ler o livro. Fico feliz que tenha gostando e que a escrita do Breno tenha te cativado tanto!
    Beijo,
    http://pactoliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, espero que vc goste tanto quanto eu! Realmente foi uma ótima experiência.
      Beijos!

      Excluir
  3. Olá!

    Não conhecia o livro, mas gostei da proposta e também porque se passa no Paraguai rs ah, e quando o narrador conversa com o leitor ele é um Narrador Onipresente ;)

    resenhaeoutrascoisas.blogspot.com

    Instagram @blogresenha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bah, obrigada! É essa palavra que me faltou mesmo hehe

      Beijão!

      Excluir
  4. O que mais me chamou atenção foi o nome, sei lá porque uhusg. Tu gosta de ler sobre psicopatia e eu gosto de ver documentários sobre psicopatas, serial killers e etc, essas coiso é muito legal. Enfim, o mais legal é que ela é uma blogueira literária e por se identificar com esse aspecto dela, dá pra se apegar bastante e se identificar apesar do transtorno dela, né? Ainda não conhecia o autor, mas vou dar uma conferida por ai sobre ele.

    heythay.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, acho que nós temos problemas, Thay! haha
      Mas realmente são temas que despertam a curiosidade, né?
      Confere mesmo, eu adorei o livro!

      Beijão!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Vi na Livraria | A Taberna - Émile Zola

Um livro depravado do século XIX.