Pular para o conteúdo principal

Resenha | O Poder dos Quietos - Susan Cain

Editora: Agir (Novo Século)
Páginas: 334
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2011 com o título de Quiet.

O que Albert Einstein, Barack Obama, Chopin, Steven Spielberg, J. K. Rowling e Bill Gates têm em comum? A resposta é o sucesso, e a introversão. Pelo menos um terço das pessoas que nós conhecemos são introvertidas. Eles são aqueles que preferem escutar a falar, ler a ir a festas; que inovam e criam, mas não gostam de autopromoção; que se beneficiam trabalhando por conta própria mais do que em grupo. Embora sejam rotulados de quietos, é aos introvertidos que devemos muitas das grandes contribuições à sociedade. Com argumentos cativantes, uma pesquisa extensa e cheio de inesquecíveis histórias reais, O poder dos quietos mostra como os introvertidos são subvalorizados, e como todos perdem com isso. Partindo da ascensão do ideal de extroversão no século XX, Susan Cain questiona os valores dominantes no mundo empresarial de hoje, no qual a colaboração forçada pode bloquear o caminho da inovação e no qual o potencial de liderança dos introvertidos é frequentemente negligenciado. De modo inspirador, a autora nos apresenta histórias de introvertidos de sucesso e oferece inestimáveis conselhos sobre como os tímidos podem tirar vantagem das suas características. Em O poder dos quietos, Susan Cain contempla também as crianças introvertidas em capítulo especial com dicas para pais e professores. Um livro extraordinário, que tem o poder de mudar para sempre a maneira como os introvertidos se veem e, talvez mais importante, como as outras pessoas os veem.


Não sei se esse livro se encaixaria no gênero auto-ajuda, porém, com certeza é um não ficção sobre introversão.

Foi uma leitura bem interessante e cheia de descobertas. Eu me descobri introvertida lendo esse livro. A autora diferencia timidez e introversão; enquanto timidez vem do latim (creio que é latim, esqueci de anotar) timere e significa ter medo, introversão é um "estilo de personalidade", que não necessariamente se combina com timidez, embora possa, é uma maneira de viver a vida de uma maneira mais introspectiva e menos expansiva.

Várias são as características da pessoa introvertida que a autora vai explicando no decorrer do livro, recheando sempre com várias pesquisas feitas sobre o tema. Uma que me identifico demais é precisar de momentos sozinha para recarregar as energias, depois de um dia cheio, o que eu mais quero é chegar em casa e ficar quieta por algum tempo. Porém, conheço pessoas que para descansar vão em festas, ou recepcionam jantares, pessoas que precisam de contato humano para descansar.

Uma grande parte do livro se volta para o aproveitamento dos introvertidos no mundo dos negócios e na valorização que se dá aos extrovertidos nesse tipo de ramo. A autora recolheu dados na Harvard Business School e conta que introvertidos não tem vez por lá, fala nos métodos de ensino voltados para esse tipo de personalidade e até a aceitação pelos outros alunos e professores, que é dificultada se você for um introvertido.

Porém, ela também traz dados que vão de encontro a esse pensamento. Grandes mentes do mundo são/foram introvertidos e grandes líderes, como a própria sinopse diz. Também tem um capítulo que fala sobre pais/filhos introvertidos e como explorar as melhores qualidades do seu filho, no caso dele ter uma personalidade introvertida, não o forçando a fazer coisas que o deixam desconfortável.

Enfim, foi uma leitura muito interessante. De interrogações e descobertas. Recomendada para curiosos de plantão ou introvertidos em descoberta. 

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

  1. caramba! que pelo livro!
    eu sou - pelo menos é o que acho por todos dizerem - muito extrovertido. mas os melhores amigos que tenho são o contrário de mim, bem reservados, fechados, mas quando converso com eles, são os melhores ouvintes e o que falam tem uma boa intensidade e dose de sabedoria que não sei viver sem amá-los!
    preciso ler esse livro - sua resenha sobre ele foi ótima e essa sinopse já faz qualquer um querer lê-lo.


    gabryel fellipe - quimeras mirabolantes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nós, introvertidos, comandamos! hahaha
      Brincadeiras à parte, é um livro que traz luz para muitas questões interessantes.

      Beijos!

      Excluir
  2. Olá!
    Achei bem interessante a ideia do livro, me interessei totalmente, de forma que eu sou super ultra mega introvertida hahaha
    Ótima resenha!

    Beijos, Carol
    Girl from Oz

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever