Pular para o conteúdo principal

Resenha | Nicolau São Norte e a Batalha contra o Rei dos Pesadelos - William Joyce

Os Guardiões #1
Editora: Rocco
Páginas: 232
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2011 com o título de Nicholas St. North and the Battle of the Nightmare King


Em Nicolau São Norte, primeiro livro da série Os Guardiões, William Joyce conta a verdadeira história de ninguém menos que Papai Noel, que, muito antes de ser São Nicolau (ou Santa Claus), era conhecido como Norte, um destemido espadachim e notório fora da lei. Na história, que traz charmosas ilustrações em preto e branco, somente quando vilões verdadeiros entram em cena Norte encontra outro uso para suas famosas habilidades de lutador, transformando-se no herói adorado por crianças do mundo inteiro.

Eu conheci esse livro em um vídeo da Michelle Borges, me apaixonei e comprei para ler no Natal de 2014. Consegui lê-lo nessa época natalina, porém, a resenha só saiu agora.

A proposta dessa série é recontar mitos como Papai Noel, Coelhinho da Páscoa e Fada dos Dentes. Nesse primeiro volume, seria a história do Papai Noel, porém, acho que o autor desviou bastante do mito original que ficou até irreconhecível.

A história começa contando sobre Ombric, um mago muito sábio, um antigo morador de Atlântida, que estava a procura de um lugar onde pudesse estabelecer um vilarejo. Esculpiu sua casa numa árvore, chamada Troncuda, que se modifica de acordo com as necessidades de seu morador. Seu objetivo é estimular as crianças a aprenderem além do impossível, sem limites, incita sua curiosidade.

Enquanto isso, Nicolau São Norte é um ladrão, arruaceiro, que fica bebendo em busca de ouro. Até que em um sonho, recebe a indicação de um lugar onde encontraria um enorme tesouro e cavalga até lá com seus companheiros. Esse lugar é Popoff Noelen, o reino de Ombric.

Quando Nicolau chega lá, depois de passar pelos desafios de proteção do mago Ombric, encontra crianças em perigo. As ajuda e a partir dai a história de desenvolve.

Eu quero morar em Popoff Noelen. Um lugar onde o conhecimento é estimulado, onde magia existe e não existe mal. Queria viver na Troncuda e ficar por ali, só lendo e aprendendo, sendo curiosa.

O livro é infanto-juvenil, então, a história não tem muitos requintes. Porém, como um livro de aventura, é ótimo. Meu único porém foi não ter identificado no Nicolau, o Papai Noel. Não é um livro natalino como eu esperava que fosse.

É um livro excelente para crianças. Ele tem uma diagramação bem grande e tem vários desenhos ao longo da história. Eu estou louca para ler o segundo, que trata do Coelhinho da Páscoa. Espero ver mais desse mundo e desvendar alguns mistérios que esse deixou para trás.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Vi na Livraria | A Taberna - Émile Zola

Um livro depravado do século XIX.