Pular para o conteúdo principal

Série | Constantine - Primeira Temporada

Olá, tudo certo por aí?


                Como a resenha da semana passada foi Marvel, a dessa semana não teria como não ser de uma série da DC. E a escolhida foi Constantine, mas como sempre antes de falar sobre o exorcista, demoniologista e mestre das artes das trevas, vamos a ficha técnica:

Título Original: Constantine
Dirigido por: Neil Marshall
Emissora: NBC
Elenco: Matt Ryan, Angélica Celaya, Charles Halford e mais...
Gênero: Fantasia, Terror(?).
Duração: 43 minutos (Cada episódio)
Enredo: O experiente caçador de demônios e mestre do oculto John Constantine é um especialista em levar o inferno... ao inferno. Armado com um conhecimento das artes sombrias e um humor perversamente impertinente, ele luta pelo bem - ou lutava. Com sua alma já condenada ao inferno, ele decide deixar sua vida de bondades, mas quando demônios capturam Liv, a filha de um dos amigos mais antigos de Constantine, ele é empurrado de volta para a briga - e fará de tudo para salvá-la. Em pouco tempo é revelado que a 'segunda visão' de Liv - sua habilidade de ver mundos além do nosso mundo e prever ocorrências sobrenaturais - é uma ameaça para um misterioso novo mal que está se erguendo das sombras. Agora, não é só Liv que precisa de proteção; os anjos estão começando a ficar preocupados também. Então, juntos, Constantine e Liv precisam usar os poderes dela e as habilidades dele para viajar pelo país, encontrar os demônios que ameaçam nosso mundo e enviá-los de volta ao lugar que pertencem. Depois disso, quem sabe... talvez exista esperança para ele e sua alma


                Muito antes de a série sair e seu episódio piloto vazar, já tinha gente fazendo comparação, porque é da nossa natureza comparar x com y. Mas por incrível que pareça dessa vez o povo não comparava HQ x Série, mas sim Supernatural x Constantine.
                Tudo bem que, tudo aparentava que Constantine seria uma série aos moldes de Supernatural. Mas não foi, em momento algum eu consigo lembrar de Supernatural. Claro que qualquer série que sair sobre o tema sobrenatural, vai ter neguinho reclamando e comparando com a famosa e amada série de adolescentes Supernatural. Porém, Constantine conseguiu vencer essa comparação, e criar sua identidade própria.
                Porém vencida a batalha de comparação contra outra série, chegou à vez de outra e inevitável, HQ x Série. E a bem da verdade a série consegue adaptar muita coisa dos quadrinhos e ainda traduz grande parte do seu enredo para o público geral e desavisado.
                Claro que nunca um filme ou uma série de tv vai conseguir adaptar um gibi em sua essência. Mas Constantine até agora tem conseguido trazer bastante coisa da experiência dos gibis para a televisão.
                Falando um pouco do protagonista agora, John Constantine. O ator Matt Ryan conseguiu trazer algumas características do famoso personagem, a aparência, o jeito, o modo frio de agir e pensar, aquele jeito de não se importar com nada, foi realmente a melhor escolha de ator que a DC poderia fazer.  A marca registrada do personagem não se faz presente na série por motivos óbvios, mas mesmo sentindo a falta do cigarro o personagem se mostra bastante complexo e essa complexidade também é outra marca registrada do personagem.
                Constantine conta com cenas sensacionais, tanto nos seus efeitos como na atuação de seus atores. Aquele ar irônico do personagem principal consegue quebrar um pouco a tensão do episódio, e até arrancar uma risada do espectador.
                Com vários elementos tirados das HQ’s, com uma identidade própria e original, faz com que Constantine tenha tudo para dar certo, basta querer.
                E pra finalizar a nota para essa primeira temporada de Constantine:
✬ 4 estrelas

Bah: #SaveConstantine

E você já assistiu Constantine? O que achou? Não poupe seu teclado, deixe um comentário.
Siga o blog no Google Friend Connect.

Comentários

  1. Oi Rafa, tudo bem?
    Então.. eu adoro esse estilo de séries.. e já tinha visto essa e quase assistido, mas fiquei realmente com medo de não ser tão boa e eu acabar me decepcionando. Agora realmente me animei e vou tentar assistir sim.
    Adorei o post!
    Beijos!

    http://palacioliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever