Pular para o conteúdo principal

Mini-Opinião | A Espanhola Inglesa - Miguel de Cervantes


Editora: Rocco
Páginas: 104
Estrelas: ✬✬✬
Publicado originalmente em 1613 com o título de La Española Inglesa


Em A espanhola Inglesa, de Miguel de Cervantes Saavedra, o filho de um corsário inglês se apaixona por uma jovem espanhola raptada por seu pai. Um grande amor que será posto à prova até mesmo pela rainha da Inglaterra. A partir desta singela história de amor proibido, o autor construiu uma narrativa saborosa, cheia de reviravoltas e de desfecho surpreendente que tornou-se uma das mais representativas entre as suas Novelas Exemplares – série de 12 obras breves publicadas em 1613 e escritas em diferentes épocas pelo autor de Dom Quixote de La Mancha.
Na trama, aos sete ano, Isabela é sequestrada na cidade de Cádiz por Clotaldo, cavalheiro inglês e comandante de esquadra, pai de Ricaredo. Levada para Londres, a menina é criada pela família, como se dela fizesse parte, mas apresentada socialmente como escrava. O jovem Ricaredo, no entanto, se apaixona por Isabela.
Uma história de amor impossível, vivido por dois adolescentes que não esmorecem ao fazer valer seu sentimento diante dos preconceituosos costumes e comportamentos da Espanha do século XVI. Destacando a crítica social num tom satírico, Cervantes desenha ao longo dessa novela fascinante e movimentada o tom das aventuras e desventuras em que decorreu sua própria vida.


Nunca li nada do Cervantes, esse foi meu primeiro contato. Minha mãe está fazendo essa coleção da Rocco, das Novelas Imortais, que são pequenas novelas por vezes perdidas no tempo e em edições.

Não sei exatamente o que eu esperava, mas não esperava uma história de amor como essa. É super rapidinha de ler e gostosa, passa voando.

É um pequeno conto, sem muito aprofundamento no psicológico dos personagens, mas que reflete os costumes e a sociedade da época. Vale a leitura!


Já leu? O que achou? Deixe nos comentários!
Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | As Florestas do Silêncio - Emily Rodda

Deltora Quest - Livro 1 Editora : Fundamento Páginas : 104 Estrelas :  ✬ ✬ ✬ ✬ Skoob Publicado originalmente em 2000 com o título de The Forests of Silence O maligno Senhor das Sombras está tramando invadir Deltora e escravizar o seu povo. Há somente uma coisa que o impede: o mágico Cinturão de Deltora com suas sete pedras preciosas de fantástico e misterioso poder. Quando as pedras são roubadas e escondidas em locais sombrios e terríveis em todo o reino, o Senhor das Sombras triunfa e Deltora está perdida. Em segredo, com apenas um mapa desenhado à mão para guia-los, dois estranhos companheiros saem numa perigosa busca. Determinados a encontrar as pedras perdidas e livrar seu país do tirano, eles lutam para atingir sua primeira meta - as sinistras "Florestas do Silêncio".

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro