Pular para o conteúdo principal

Update #MLI2015 | Maratona Literária de 12 horas


Maratona dentro da Maratona. Eu tive o prazer de ter minha mãe de visita aqui nessa semana que passou e nós duas, como boas leitoras, resolvemos encarar uma maratona de 12 horas de leitura direta.



Ela até ficou braba, mas eu digo que ganhei a maratona porque acabei lendo mais páginas haha

Eu tinha iniciado a leitura de Fazendo meu Filme na noite anterior e terminei as páginas restantes durante a maratona de 12 horas. Também já aproveitei para ler o segundo volume da série.

Do primeiro, eu gostei bastante. Já no segundo, eu tive várias críticas. A Fani acabou ficando chorona e a repetição da expressão "máquina de retratos" me irritou descomunalmente. Quem diz "máquina de retratos"?

Mas, tirando isso, estou gostando da série.


E terminei a meta da semana com o livro de contos Rosto de Caveira, Os Filhos da Noite e Outros Contos e A Aventura de um cliente ilustre, seguida de O Último Adeus de Sherlock Holmes.

Ambos os livros são bons e ruins, com pontos altos e baixos. Já estava meio vesga terminando Rosto de Caveira haha

Gostei muito da experiência e quero repetir! Não aguentaria uma de 24hrs, mas essa de 12hrs é "fazível". Quero tentar de novo num próximo feriado.

Contando tudo foram 763 páginas lidas. A maior parte delas foi nas primeiras 6 horas de maratona, quando eu ainda estava no pique. Depois, tirei um cochilo involuntário e o ritmo de leitura caiu consideravelmente. Ainda assim, quase 800 páginas em um dia foi fantástico.

Adiantei minhas leituras, concluí a meta da semana e tudo isso na sexta-feira, com mais dois dias para ler na semana. Eu adorei a experiência e recomendo fazer em dupla, se possível. Não sei se sozinha eu não teria dormido mais que meia hora haha - acordei com a mãe olhando para mim, debochando que dormi com o livro aberto.

Você já tentou uma maratona de 12hrs? Ou 24hrs? Deixe sua experiência nos comentários!
Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | As Florestas do Silêncio - Emily Rodda

Deltora Quest - Livro 1 Editora : Fundamento Páginas : 104 Estrelas :  ✬ ✬ ✬ ✬ Skoob Publicado originalmente em 2000 com o título de The Forests of Silence O maligno Senhor das Sombras está tramando invadir Deltora e escravizar o seu povo. Há somente uma coisa que o impede: o mágico Cinturão de Deltora com suas sete pedras preciosas de fantástico e misterioso poder. Quando as pedras são roubadas e escondidas em locais sombrios e terríveis em todo o reino, o Senhor das Sombras triunfa e Deltora está perdida. Em segredo, com apenas um mapa desenhado à mão para guia-los, dois estranhos companheiros saem numa perigosa busca. Determinados a encontrar as pedras perdidas e livrar seu país do tirano, eles lutam para atingir sua primeira meta - as sinistras "Florestas do Silêncio".

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro