Pular para o conteúdo principal

Update #MLI2015 | Maratona Literária de 12 horas


Maratona dentro da Maratona. Eu tive o prazer de ter minha mãe de visita aqui nessa semana que passou e nós duas, como boas leitoras, resolvemos encarar uma maratona de 12 horas de leitura direta.



Ela até ficou braba, mas eu digo que ganhei a maratona porque acabei lendo mais páginas haha

Eu tinha iniciado a leitura de Fazendo meu Filme na noite anterior e terminei as páginas restantes durante a maratona de 12 horas. Também já aproveitei para ler o segundo volume da série.

Do primeiro, eu gostei bastante. Já no segundo, eu tive várias críticas. A Fani acabou ficando chorona e a repetição da expressão "máquina de retratos" me irritou descomunalmente. Quem diz "máquina de retratos"?

Mas, tirando isso, estou gostando da série.


E terminei a meta da semana com o livro de contos Rosto de Caveira, Os Filhos da Noite e Outros Contos e A Aventura de um cliente ilustre, seguida de O Último Adeus de Sherlock Holmes.

Ambos os livros são bons e ruins, com pontos altos e baixos. Já estava meio vesga terminando Rosto de Caveira haha

Gostei muito da experiência e quero repetir! Não aguentaria uma de 24hrs, mas essa de 12hrs é "fazível". Quero tentar de novo num próximo feriado.

Contando tudo foram 763 páginas lidas. A maior parte delas foi nas primeiras 6 horas de maratona, quando eu ainda estava no pique. Depois, tirei um cochilo involuntário e o ritmo de leitura caiu consideravelmente. Ainda assim, quase 800 páginas em um dia foi fantástico.

Adiantei minhas leituras, concluí a meta da semana e tudo isso na sexta-feira, com mais dois dias para ler na semana. Eu adorei a experiência e recomendo fazer em dupla, se possível. Não sei se sozinha eu não teria dormido mais que meia hora haha - acordei com a mãe olhando para mim, debochando que dormi com o livro aberto.

Você já tentou uma maratona de 12hrs? Ou 24hrs? Deixe sua experiência nos comentários!
Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever