Pular para o conteúdo principal

Resenha | O Lago das Lágrimas - Emily Rodda

Deltora Quest #2
Editora: Fundamento
Páginas: 104
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2000 com o título de The Lake of Tears

Lief, Barda e sua rebelde companheira Jasmine saíram numa perigosa busca para encontrar as sete pedras preciosas roubadas do mágico Cinturão de Deltora. O topázio dourado já foi encontrado. Mas o reino de Deltora somente será libertado do poder do cruel Senhor das Sombras quando todas as pedras tiverem sido recolocadas no cinturão. Para encontrar a segunda pedra, os três heróis devem viajar pelas terras governadas pela monstruosa feiticeira Thaegan. A jornada está repleta de traições, trapaças e perigos e, no final, eles precisarão enfrentar o hediondo guardião do encantado "Lago das Lágrimas".


Deltora Quest é uma série infanto-juvenil de fantasia. Você pode conferir a resenha do primeiro livro da série aqui. Eu li pela primeira vez quando era mais nova e agora, na releitura, continuo adorando a série.

Agora com a companhia de Jasmine, a viagem de busca às pedras do cinturão continua. As aventuras continuam aos montes, primeiro eles devem enfrentar os filhos da feiticeira Thaegan e depois, descobrir o que os espera no Lago das Lágrimas.

Dentre as aventuras, eles passam por uma esfinge, por areia movediça, por perigos que eles não notam até que seja quase tarde demais. Fazem novas amizades e conhecem novos territórios. A história segue no mesmo estilo do primeiro livro, sem pressa e sem grandes enrolações. São livros curtos e recheados. Os personagens crescem ao longo da trama. As aventuras que eles enfrentam são bastante épicas, creio que inspiradas na mitologia.

A edição é bem voltada para o público infantil, seguindo o padrão da primeira. Com figuras, mapa, letras grandes e bem espaçadas. Um grande bônus é que no início do livro tem um "até agora" que recapitula os eventos do livro passado, para relembrar ao leitor onde a história de encontra.

E você? Já leu a série Deltora Quest? Deixe sua opinião nos comentários!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Os Instrumentos Mortais - Cassandra Clare (parte 2)

Se vocês viram a parte 1 sobre Os Instrumentos Mortais, vocês sabem que eu dividi a série em duas trilogias para comentar por aqui. Naquele post eu explico que, na minha opinião, essa divisão é viável e facilita para comentar sem dar spoilers. Lembrando que terá spoilers dos livros anteriores.
Os três últimos livros da série são: Cidade dos Anjos Caídos, Cidade das Almas Perdidas e Cidade do Fogo Celestial.
Bom, quero começar falando que graças a Deus no terceiro livro "descobrimos" que a Clary e o Jace não são irmãos. Eu já comentei na parte 1 que isso tinha ficado óbvio para mim desde o momento em que a autora resolveu dar essa guinada na história. Achei desnecessário, inacreditável e me irritou muito quando estava lendo.

Nessa segunda trilogia, há uma troca de vilões, agora Sebastian mostrou a que veio. Que, sinceramente, também é perceptível ao leitor desde que o personagem é introduzido.

Porém, tirando Cidade dos Anjos Caídos, que eu não gostei nada, acho que a história…