Pular para o conteúdo principal

Conclusão da II Maratona Literária #eusoudoideira



Eu tinha contado para vocês aqui que iria participar da Maratona Literária. Hoje, para concluir a brincadeira, vou contar o que li e não li nos dias da maratona. 



Wicked, do Gregory Maguire foi minha primeira escolha e já se mostrou completamente errada para uma maratona (haha). Eu estava esperando um livro infantil, e me surpreendi ao descobrir que de infantil o livro não tem nada. Além de ser em inglês, que também surpreendeu sendo bem mais difícil que o esperado.

Considerando as surpresas que eu tive, a história inteira foi um descobrimento. Cheia de implicações políticas e sociais, adorei acompanhar a vida de Elphie desde o nascimento com seus dentinhos afiados e pele verde.


Aqui já mudei de ideia sobre as leituras que tinha escolhido, pois demorei bastante tempo para ler Wicked. Então, li Princesa Adormecida, da Paula Pimenta. Um livrinho super leve, romântico, até bobinho, mas que gostei bastante. Ouvi dizer que será uma série da autora recontando contos de fada, será verdade? Eu acompanharia, com certeza.



Claros Sinais de Loucura, da Karen Harrington. Na mesma madrugada em que terminei o livro da Paula Pimenta, parti para essa leitura. São dois livros bem contrastantes e, ao mesmo tempo, similares. Aqui encontramos a história de Sarah Nelson, uma menina com um passado um tanto trágico, sua mãe tentou matar à ela e ao seu irmão gêmeo, só Sarah sobreviveu. Porém, não é um livro triste ou melancólico. Como a protagonista é jovem, 12 anos, tem uma leveza infantil na narrativa. Excelente livro!


A vida do livreiro A. J. Fikry, da Gabrielle Zevin. Gostei tanto desse livro que já encomendei uma versão física dele. Tudo que está sendo dito sobre ele é verdade. É uma carta de amor aos livros e a quem gosta de ler. Recomendo 


E por fim, li Mulherzinhas, da Louisa May Alcott. Esse livro faz parte do projeto 1001 e, por causa disso descobri que há mais além da história que seu primeiro livro. Existe a continuação Little Women II ou Good Wives e mais dois outros livros que acompanham este primeiro. Nessa versão que eu achei na Amazon vem os quatro livros.

Foi minha terceira leitura desse livro. Adoro a história, com todos os seus defeitos, me apaixonei pelos personagens na primeira leitura e continuo até hoje.

No meio da maratona, fui viajar e por isso, vou ter que confessar. Não terminei Little Women no prazo, nos dias em que passei fora não pude ler praticamente nada, mas ainda estou contando como sucesso, pois terminei em uma sentada o que faltava do livro hehe.

O que você tem lido ultimamente? Deixe nos comentários!

Comentários

  1. C recomenda o da Paula então, Rafa? Fiquei com um pé atrás pq vi várias resenhas negativas; de que era bobinho demais e tals!

    Fiquei super curiosa com Wicked, c sabe se tem versão em português? Depois de City of Havenly Fire quero dar uma parada no inglês por um tempo! Rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Dani! Recomendo sim, é bobinho, mas bobinho fofinho, sabe? Pelo menos, eu achei hehe
      E tem tradução, ficou Maligna se não me engano!

      Bjs

      Excluir
  2. Olá.. Vc fez ótimas leituras na Maratona.. Tb li Lrincesa Adormecida, eu até gostei mas tive alguns probleminas com a personagem principal.quero muito ler a vida do livreiro..
    http://foreverabookaholic.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, eu amei A Vida do Livreiro A. J. Fikry *-*

      Bjs

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | Os Instrumentos Mortais - Cassandra Clare (parte 2)

Se vocês viram a parte 1 sobre Os Instrumentos Mortais, vocês sabem que eu dividi a série em duas trilogias para comentar por aqui. Naquele post eu explico que, na minha opinião, essa divisão é viável e facilita para comentar sem dar spoilers. Lembrando que terá spoilers dos livros anteriores.
Os três últimos livros da série são: Cidade dos Anjos Caídos, Cidade das Almas Perdidas e Cidade do Fogo Celestial.
Bom, quero começar falando que graças a Deus no terceiro livro "descobrimos" que a Clary e o Jace não são irmãos. Eu já comentei na parte 1 que isso tinha ficado óbvio para mim desde o momento em que a autora resolveu dar essa guinada na história. Achei desnecessário, inacreditável e me irritou muito quando estava lendo.

Nessa segunda trilogia, há uma troca de vilões, agora Sebastian mostrou a que veio. Que, sinceramente, também é perceptível ao leitor desde que o personagem é introduzido.

Porém, tirando Cidade dos Anjos Caídos, que eu não gostei nada, acho que a história…

Resenha | Como pensar mais sobre sexo - Alain de Botton

Editora: Objetiva
Páginas: 152
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2012 com o título de How to Think More About Sex

Não pensamos muito sobre sexo; na verdade pensamos sobre ele da maneira errada. Assim declara Alain de Botton neste livro rigoroso e honesto cujo objetivo é nos guiar por esta experiência íntima e excitante – porém muitas vezes confusa e difícil - que é o sexo. Poucos de nós acreditamos ser completamente normais no que diz respeito ao sexo, e o que se presume que deveríamos estar sentindo raramente é a realidade. Este livro argumenta que o sexo do século XXI está fadado a ser um jogo de equilíbrio entre amor e desejo, aventura e comprometimento. Abrangendo assuntos como desejo, fetichismo, adultério e pornografia, Alain de Botton reflete sobre os dilemas da sexualidade moderna, oferecendo insights e conforto para nos ajudar a pensar mais profunda e sabiamente sobre o sexo que estamos, ou não, fazendo. A partir de meados do século XX, o discurso sobre o sexo foi s…