Pular para o conteúdo principal

Discussão | Por que ler?


Quando eu era pequena, vivia perguntando para minha mãe como ela conseguia saber tanta coisa? Ficava embasbacada quando jogávamos jogos como Master e ela sabia coisas curiosas que eu nunca tinha ouvido falar. Ela sempre respondia: lendo.


Aí eu pensava, mas como? Como que lendo uma história fictícia você pode saber coisas reais sobre o mundo? Por exemplo, sobre a história da França, ela sempre me dizia para ler a série Angélica. "Mas, mããããe, é um romance!! Como que eu vou aprender história num romance?" Ou sobre história do Rio Grande do Sul, que ela recomendava O Tempo e o Vento, "Mas, mããããe, nem a cidade em que se passa a história é real e os personagens são baseados na família do Érico!!"

Bom, eu não fui uma criança leitora, fui descobrir muito depois como que era possível aprender fatos históricos em livros de ficção. Não só fatos históricos, mas vocabulário (e a importância de ter um vocabulário amplo), também, gramática e sintaxe, fatos curiosos sobre ciência, arte e, o que mais me fascina, sobre o ser humano e suas relações e anseios. Eu descobri que nos livros, além da sua história, ele reflete verdades sociais, ainda que num livro de fantasia. 

Ou seja, pegando o exemplo óbvio, Harry Potter é uma série de fantasia. Mas ali, existem amplas discussões reais, como amizade, bem e mal, depressão, tirania política, reabilitação social, coragem, você aprende que adversidades sempre virão, mas que vale a pena lutar por ideais solidários, entre muitas outras coisas. Ah, e claro, eu aprendi com HP que ler pode ser divertido também.

Além disso, lendo você aprende a interpretar o mundo à sua volta, você tem a oportunidade de viver coisas que de outra forma não conheceria, você viaja para outros lugares reais ou fictícios e sempre traz de volta para o "mundo real" o reconhecimento de mundo que de outra forma não traria.

Eu posso me declarar privilegiada, nunca passei fome, frio ou qualquer necessidade. Mas lendo Preciosa, eu fui abusada por quem deveria me cuidar, fui analfabeta e mãe adolescente. Lendo Os Miseráveis, eu fui presa por roubar pão, passei horrores na prisão. Lendo Em Busca de um Final Feliz, vivi numa favela da Índia. Lendo 1984, vivi sob a égide de um governo tirânico que inventa a própria história. Lendo Ratos e Homens, eu fui portadora de necessidades especiais, incompreendida por todos.

Eu poderia continuar citando exemplos, poderia falar nos chick-lits da Marian Keyes, em que fui traída, viciada em drogas, depressiva... Poderia falar de Precisamos Falar sobre o Kevin, em que fui mãe de um psicopata. Ou poderia falar que fui amada nos livros da Julia Quinn.

Enfim, ler te coloca num mundo ao mesmo tempo igual e diferente do que o seu próprio. Além de divertir, te educa. Te ensina história e te ensina a viver.

Seria excelente que mais pessoas descobrissem esses motivos também.


Por que você lê? 
Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

  1. Que amoooor de post!!!! ❤️❤️❤️

    ResponderExcluir
  2. Que lindo texto!!! Fico tão orgulhosa de ter criado um monstro devorador de livros!!! kkkkkk :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahaha que ótima escolha de palavras. Adorei! <3

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Os Instrumentos Mortais - Cassandra Clare (parte 2)

Se vocês viram a parte 1 sobre Os Instrumentos Mortais, vocês sabem que eu dividi a série em duas trilogias para comentar por aqui. Naquele post eu explico que, na minha opinião, essa divisão é viável e facilita para comentar sem dar spoilers. Lembrando que terá spoilers dos livros anteriores.
Os três últimos livros da série são: Cidade dos Anjos Caídos, Cidade das Almas Perdidas e Cidade do Fogo Celestial.
Bom, quero começar falando que graças a Deus no terceiro livro "descobrimos" que a Clary e o Jace não são irmãos. Eu já comentei na parte 1 que isso tinha ficado óbvio para mim desde o momento em que a autora resolveu dar essa guinada na história. Achei desnecessário, inacreditável e me irritou muito quando estava lendo.

Nessa segunda trilogia, há uma troca de vilões, agora Sebastian mostrou a que veio. Que, sinceramente, também é perceptível ao leitor desde que o personagem é introduzido.

Porém, tirando Cidade dos Anjos Caídos, que eu não gostei nada, acho que a história…