Pular para o conteúdo principal

Série | The Flash - Primeira temporada

Olá, tudo certo por aí?

                Então, pra quem achou que eu tinha desistido de aparecer por essas bandas se enganou. Sim, andei desaparecido, mas agora voltei, voltei pra ficar e blábláblá. E pra não perder o jeitinho, ficha técnica:

Título Original: The Flash
Dirigido por: David Nutter e uma porrada de gente, sério.
Emissora: CW
Elenco: Thomas Cavanagh, Carlos Valdes, Grant Gustin e mais...
Gênero: Ação, Aventura.
Duração: 40 minutos (Cada episódio)
Enredo: Barry Allen, um cientista forense que trabalha no departamente de polícia de Central City, é banhado por produtos quimicos modificados pela descarga elétrica de um raio e ganha o poder de correr a velocidades extraordinários. Um poder que ele usa para combater o crime, tornando-se o super-herói Flash.






                Com o sucesso imenso que Arrow conquistou nos últimos anos, a CW percebe que apenas um herói da DC na sua programação era pouco e resolve apostar no Flash. Barry Allen nos é apresentado em Arrow ainda, no meio da sua última temporada, no episódio em questão Barry aparece como cientista forense da cidade de Central City que vem ajudar a policia a desvendar um caso em Star City. Após todos os acontecimentos Barry volta para Central City onde a explosão do reator o deixa em coma. Arrow segue sua jornada e Barry é deixado em coma até o inicio de sua própria série.
                Barry acorda e descobre que agora se tornou o impossível, ou como ele mesmo diz no inicio de cada episódio, ”o homem vivo mais rápido”. Com a ajuda do pessoal dos Laboratórios S.T.A.R. – Dra. Caitlin Snow, Cisco Ramon e Harrison Wells – Barry se torna, inicialmente, o Raio. Ele começa a combater os outros que também foram afetados pela explosão, nomeados como meta-humanos, e que durante cada episódio acabam ganhando seu apelido de vilão devidamente dado por Cisco.
                Mas não é só de Flash que se faz uma série, os roteiristas e produtores apostaram bastante em Barry e seus dramas. A morte da mãe, a prisão do pai e seu amor “impossível” por Iris, filha do seu pai de criação o detetive Joe West. Tal drama que a meu ver acabou tornando o inicio da série um pouco lenta, chata e burocrática demais. Quem parava 40 minutos pra ver Flash, queria ver o corredor e não um “adolescente” sofrendo por amor não correspondido ou por estar na friendzone.
                Aos poucos Barry e Flash começaram a se tornar a mesma coisa, começava a valer a pena parar por 40 minutos para ver The Flash. Consigo dizer perfeitamente onde a série começou a funcionar pra mim, foi logo após o crossover com Arrow. Sim, Flash e Arrow estão no mesmo universo, e aparições e crossovers são coisas comuns na série, mesmo acontecendo pouco, sabe-se que uma hora ou outra pode ocorrer um.
                A meu ver, os crossovers são importantes em algumas partes das séries, mas o episódio Flash vs Arrow foi de um tédio total. Começando pelo fato de colocar o Flash contra o Arqueiro, é meio óbvio quem vai vencer essa paradinha, mas pra não deixar nenhum fã chorando pelos cantos, o episódio acaba se tornando chato e previsível. Porém, após esse episódio as coisas começam a funcionar.
                Logo após esse crossover totalmente fail, somos apresentados ao homem de roupa amarela, o Flash do avesso, o Flash Reverso. O principal vilão de Flash, o carinha que tem os mesmos poderes do herói, só que é vilão, pouco original, mas extremamente interessante. Agora Barry sabe contra quem lutar, quem matou sua mãe e tudo mais.
                Durante os episódios e os casos da semana vemos cada vez mais a personalidade de cada um, e com flashbacks ou cenas “pós-créditos” sabemos um pouco mais da história de cada um. A Galeria de Vilões do Flash também acaba aparecendo e o mais importante, em determinado momento Barry finalmente volta no tempo, abrindo assim espaço para muita coisa acontecer na série.
                The Flash está nos seus últimos episódios, e muita coisa boa anda acontecendo e vai acontecer. Então para não ser o cara dos spoiler, porque sei que o povo é spoilerfóbico, termino por aqui essa resenha, deixando claro a minha nota.

✬ 4 Estrelas

E você já assistiu The Flash? O que achou? Não poupe seu teclado, deixe um comentário.
Siga o blog no Google Friend Connect.

Comentários

  1. Oi Rafa,
    Vi alguns eps de Flash e fiquei com vontade de acompanhar desde o início, mas acho que justamente por causa dos crossover com Arrow, seria interessante acompanhar as duas séries, mas aí falta tempo...
    Mas esta na minha lista...
    Abraço,
    Alê
    www.alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Os Instrumentos Mortais - Cassandra Clare (parte 2)

Se vocês viram a parte 1 sobre Os Instrumentos Mortais, vocês sabem que eu dividi a série em duas trilogias para comentar por aqui. Naquele post eu explico que, na minha opinião, essa divisão é viável e facilita para comentar sem dar spoilers. Lembrando que terá spoilers dos livros anteriores.
Os três últimos livros da série são: Cidade dos Anjos Caídos, Cidade das Almas Perdidas e Cidade do Fogo Celestial.
Bom, quero começar falando que graças a Deus no terceiro livro "descobrimos" que a Clary e o Jace não são irmãos. Eu já comentei na parte 1 que isso tinha ficado óbvio para mim desde o momento em que a autora resolveu dar essa guinada na história. Achei desnecessário, inacreditável e me irritou muito quando estava lendo.

Nessa segunda trilogia, há uma troca de vilões, agora Sebastian mostrou a que veio. Que, sinceramente, também é perceptível ao leitor desde que o personagem é introduzido.

Porém, tirando Cidade dos Anjos Caídos, que eu não gostei nada, acho que a história…