Pular para o conteúdo principal

Resenha | Prova de Fogo - James Dashner

Maze Runner #2
Editora: V&R
Páginas: 400
Estrelas: ✬✬✬✬
Publicado originalmente em 2010 com o título de The Scorch Trials


O Labirinto foi só o começo... o pior está por vir. Depois de superarem os perigos mortais do Labirinto, Thomas e seus amigos acreditam que estão a salvo em uma nova realidade. Mas a aparente tranquilidade é interrompida quando são acordados no meio da noite por gritos lancinantes de criaturas disformes – os Cranks – que ameaçam devorá-los vivos.Atordoados, os Clareanos descobrem que a salvação aparente na verdade pode ser outra armadilha, ainda pior que a Clareira e o Labirinto. E que as coisas não são o que aparentam. Para sobreviver nesse mundo hostil, eles terão de fazer uma travessia repleta de provas cruéis em um meio ambiente devastado, sem água, comida ou abrigo.
Calor causticante durante o dia, rajadas de vento gélido à noite, desolação e um ar irrespirável – no Deserto do novo mundo até mesmo a chuva é a promessa de uma morte agonizante. Eles, porém, não estão sozinhos – cada passo é espreitado por criaturas famintas e violentas, que atacam sem avisar.
Manipulação, mentiras e traições cercam o caminho dos Clareanos, mas para Thomas a pior prova será ter de escolher em quem acreditar.



Você pode conferir a minha opinião sobre o primeiro livro da série aqui. Enquanto eu tenha gostado bastante do ritmo do primeiro livro, desse segundo, tenho algumas reclamações a fazer.

O livro começa de onde parou no primeiro volume. Saídos do labirinto, os sobreviventes estão supostamente salvos. Porém, é claro que a vida deles não seria tão fácil assim. Depois de uma noite bem dormida, o terror começa novamente.

Dessa vez, com uma maior quantidade de informações e maior presença da organização que os pôs no labirinto. Agora, eles estão conscientes de que existe um grupo B, que passou pelas mesmas provações do labirinto. Teresa é retirada do grupo e em seu lugar, um novo garoto chega, o Aris.

Informados por um velho, agora eles tem que passar por um deserto até chegar no refúgio. Eles tem o prazo de alguns dias (duas semanas se não me engano) para chegar até lá. Ah, e mais um detalhe, eles estão infectados com o fulgor, doença que vai consumindo o cérebro aos poucos.

Então, o ritmo continua rápido. Porém, eu acredito que a explicação para todas essas provas terá de ser INCRÍVEL, para justificar todas as peripécias desse livro. Todas as desgraças possíveis e imagináveis acontecem numa sequência quase sem fim.

As coisas vão se atropelando, uma na sequência da outra, que, sinceramente, cansei de ação. Queria mais explicações, menos batalhas, menos sangue, menos traições. Enjoou, sabe? É tanta coisa sem sentido acontecendo, que a essência da história se perde.

É claro que estou curiosa para ler o próximo livro, porém, como já disse, a explicação tem que ser absolutamente incrível para me convencer de que o que aconteceu nesse livro foi necessário.

Um ponto positivo, foi esse tal grupo B. Ele é composto de maneira oposta ao grupo A, ou seja, com várias meninas e um menino só. Em comparação, todas as experiências foram compartilhadas pelos dois grupos. Pela metade do livro, há uma maior aproximação dos grupos e coisas interessantes acontecem.

Além disso, foi legal sair do ambiente controlado do labirinto para a "vida real". Esse deserto onde eles estão é o mundo "normal", habitado por pessoas "normais". Então, dá um gostinho do que anda acontecendo no mundo e dá margem para imaginarmos qual é o objetivo de todas essas provas.

Você já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | Eu Fui a Melhor Amiga de Jane Austen - Cora Harrison

Editora: Rocco
Páginas: 320
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2010 com o título de I Was Jane Austen's Best Friend

Chega ao Brasil o livro: "Eu fui a Melhor Amiga de Jane Austen" da autora Cora Harrison. A história tem o objetivo de introduzir os mais jovens ao empolgante mundo dos livros de Jane Austen. O livro traz uma combinação entre fatos históricos e ficção, apresentando a relação entre as adolescentes Jane Austen e sua prima Jenny Cooper.

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.