Pular para o conteúdo principal

Resenha | Época de Morangos - Rafaella Vieira

Editora: Gutenberg
Páginas: 320
Estrelas: ✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2014.

Um dia, aos 13 anos, Jordana vê de longe um rapaz e tem a certeza que ele é seu Príncipe Encantado – um desconhecido que é o mais lindo e perfeito garoto do mundo. Um tempo depois, descobre que ele estuda na sua própria escola, porém é mais novo que ela, e nem sonha com namoradas ou amor. O tempo vai passando, e aos poucos os dois vão descobrindo as dores e as delícias da adolescência e juventude, e entre encontros e desencontros, buscam a felicidade ao lado do verdadeiro amor, que pode nascer à primeira vista, mas durar para sempre.


Então, o que falar do livro que me deixou de ressaca por duas semanas? Levei essas duas semanas para chegar na página 50 e só terminei de birra, poderia ter abandonado facinho lá no início mesmo.

Até a página 200, a história -- que história? Não tem história até a página 200. A protagonista nos dá uma breve explicação da sua vida, de como conheceu seu grande amor e continua nesse platonismo até quase o fim do livro.

Acredito que ele dê uma visão bem realista de como são os primeiros amores da nossa vida, aquele platonismo extremo. E no caso da Jordana, por um cara mais novo. Aliás, pelas primeiras 200 páginas, (tô fixada nelas) a única coisa que rola é ela reclamando da grande diferença de idade, já que ela tem 13 e ele tem 12 anos.

Também tem alguns diálogos e algumas festinhas bem avançados para quem tem 13 anos - e eu sei, pareço uma velha, mas no meu tempo não era assim... haha

Agora, falando sério, até quase o final do livro a história não muda, embora 3 ou 4 anos tenham se passado. O que acontece nos primeiros capítulos continua se repetindo até que finalmente acontece alguma coisa e o livro se encaminha para o final.

O final não poderia ser outro dada a construção do livro, porém, é um final bem irreal, bem clichezão, bem sessão da tarde, porém foi fofo. A tal "época de morangos" foi um toque bem legal, gostei de como foi utilizado.

"Tinha a impressão maluca de que quando se é linda não há sofrimento, pois as garotas bonitas sempre pareciam invencíveis e tinham tudo que queriam. Levei alguns anos para perceber quanto estava errada."

Na aba do livro, a informação é de que ele é baseado na história da autora e quem sou eu para dizer algo sobre a vida da autora, mas acho que ele poderia ter umas 200 páginas a menos. Talvez uma menina mais nova aprecie mais a leitura, devo ressaltar, não sou exatamente o público-alvo dele.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | As Florestas do Silêncio - Emily Rodda

Deltora Quest - Livro 1 Editora : Fundamento Páginas : 104 Estrelas :  ✬ ✬ ✬ ✬ Skoob Publicado originalmente em 2000 com o título de The Forests of Silence O maligno Senhor das Sombras está tramando invadir Deltora e escravizar o seu povo. Há somente uma coisa que o impede: o mágico Cinturão de Deltora com suas sete pedras preciosas de fantástico e misterioso poder. Quando as pedras são roubadas e escondidas em locais sombrios e terríveis em todo o reino, o Senhor das Sombras triunfa e Deltora está perdida. Em segredo, com apenas um mapa desenhado à mão para guia-los, dois estranhos companheiros saem numa perigosa busca. Determinados a encontrar as pedras perdidas e livrar seu país do tirano, eles lutam para atingir sua primeira meta - as sinistras "Florestas do Silêncio".

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro