Pular para o conteúdo principal

Resenha | Chá de Sumiço - Marian Keyes


Família Walsh, livro 5
Editora: Bertrand Brasil
Páginas: 644
Estrelas: 3/5
Skoob
-Publicado originalmente em 2012 com o título de The Mystery of Mercy Close.

Helen Walsh não vive um bom momento. O trabalho como detetive particular não vai bem, o apartamento foi tomado por falta de pagamento e um ex- namorado surge com uma proposta de trabalho: encontrar o desaparecido músico da Laddz, a boy band do momento. Precisando do dinheiro, ela se vê forçada a aceitar, o que causa uma confusão em sua cabeça ao conviver com o ex e precisar acalmar o atual namorado. Ao tentar seguir suas próprias regras, Helen será arrastada para o mundo complexo, perigoso e glamoroso do showbiz, percebendo que seu pior inimigo ainda está por surgir. Irresistível, comovente e muito engraçado, Chá de sumiço é diferente de todos os romances do gênero, e a protagonista – corajosa, vulnerável e dona de uma língua afiadíssima – é a heroína perfeita para os novos tempos.



Eu sou apaixonada pelos livros da Marian Keyes, tem poucos títulos dela que eu ainda não li. Acompanho a série da família Walsh, mas não por sequência, eu os li aleatoriamente. Acho que o bom de ler em ordem é que quando alguma irmã dos livros passados é citada, você dá aquele risinho de lado do tipo de quem já sabe dessa história. Fora essa sensação de conhecimento, é possível lê-los na ordem que você quiser, sem prejuízos.

Infelizmente, esse foi o livro que menos gostei da série e da autora, dentre os que eu li. A Helen é uma detetive particular, mas os negócios não andam bons e ela volta a morar com os pais (embora poucas vezes ao longo do livro ela fique na casa deles). Logo no inicinho do livro, ela é procurada pelo charmoso Jay Parker, ex-namorado e produtor da banda Laddz, e notamos que o relacionamento dos dois não terminou bem. Jay pede a Helen que encontre Wayne.

Wayne Diffney está desaparecido, ele faz parte da boy-band Laddz que fará alguns shows na semana seguinte. A sinopse fala que é a banda do momento, mas não é bem assim, os Laddz são uma banda antiga, agora seus integrantes estão nos seus 40 anos e já não querem mais subir ao palco e rebolar coreografadamente.

Teve uma parte que eu achei que as coisas, agora sim, iam para o brejo de vez. A Marian Keyes me fez acreditar que tudo ia dar errado para personagem e as coisas tomam um 180º muito fantástico, as soluções que ela propôs foram muito boas. Quando você chega no final do livro, você se pergunta: como eu não vi isso antes? Tem um tom de obviedade e ainda assim é surpreendente.

Eu fiquei curiosa para saber qual era a rusga que fazia a Helen tratar o Jay com tanto desprezo, ainda mais porque Jay não está de "bendito fruto" nesse romance, também temos o Artie, namorado atual da personagem. E me decepcionei com a explicação. Assim como com a Helen, gente, que mulherzinha chata. O tema tratado pela Marian Keyes nesse livro é a depressão.

Nos outros livros da série também existe um tema central como adultério ou vício em drogas e as personagens são construídas em cima desses problemas, porém ainda com os problemas, eu ria muito, as histórias eram engraçadas. Nesse livro, a vibe é diferente. As interações com os personagens não são engraçadas, as situações em que ela se mete não são engraçadas.

Sendo sincera, é um bom livro, mesmo não sendo engraçado, a história é bem contada. É a comparação com o resto da série que derruba esse livro.

Minha contagem de estrelas (3/5) não significa que o livro é ruim, é um livro bom. Ele foi decepcionante e a personagem principal me irritou, porém é Marian Keyes e é a família Walsh, claro que é bom. Três estrelas significa que não precisa ter pressa para ler, não está perdendo muita coisa.

Já leu? Vai ler? Deixe sua opinião nos comentários! Você também pode acompanhar o blog no twitter @alpargatas13 .

Comentários

  1. Eu comecei lendo Melancia e detestei o livro. (spoiler, saco vc ainda nao tenha lido) Achei a personagem principal chata além de achar que ela saiu da depressão de maneira muito boa, como se as pessoas em depressão só precisassem achar um cara (/fim do spoiler).
    Pensei que eu não gostaria de ler mais nada da autora, mas um belo dia achei o "Tem alguém aí?" e me arrisquei. Nossa, esse livro foi muito bom. Achei os sentimentos da personagem muito bem retratados, achei a história ótima. Gostei mesmo e é por ele q eu pretendo ler mais sobre a família Walsh, mas nao o livro sobre a Helen, pq ela é mesmo a irmã mais chata hauhauhauhaua. Tenho This Charming Man pra ler mas estou adiando o dia hehehehe

    www.trilhasculturais.com/
    www.entrandonumafria.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Fran! Melancia faz no mínimo 6 anos que eu li, então não lembro mais direito, só lembro que gostei bastante. Está na minha lista de releituras, veremos se hoje eu seria mais crítica haha
      Eu não li ainda "Tem alguém aí?", se não me engano é o único dos publicados no BR que eu ainda não peguei hehe descobri esse ano que tem outros 3 que não foram publicados por aqui que ela escreveu, pretendo ler todos!
      This Charming Man eu li e devorei, acho que li em 2 dias, gostei bastante *.*

      Beijo! Adorei seu comentário! haha

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Vi na Livraria | A Taberna - Émile Zola

Um livro depravado do século XIX.