Pular para o conteúdo principal

Resenha | Jogos Vorazes - Suzanne Collins


Trilogia Jogos Vorazes - Livro 1
Editora: Rocco
Páginas: 397
Estrelas: 5/5
-Publicado originalmente em 2008 com o título de The Hunger Games

Após o fim da América do Norte, uma nova nação chamada Panem surge. Formada por doze distritos, é comandada com mão de ferro pela Capital. Uma das formas com que demonstram seu poder sobre o resto do carente país é com Jogos Vorazes, uma competição anual transmitida ao vivo pela televisão, em que um garoto e uma garota de doze a dezoito anos de cada distrito são selecionados e obrigados a lutar até a morte! Para evitar que sua irmã seja a mais nova vítima do programa, Katniss se oferece para participar em seu lugar. Vinda do empobrecido distrito 12, ela sabe como sobreviver em um ambiente hostil. Peeta, um garoto que ajudou sua família no passado, também foi selecionado. Caso vença, terá fama e fortuna. Se perder, morre. Mas para ganhar a competição, será preciso muito mais do que habilidade. Até onde Katniss estará disposta a ir para ser vitoriosa nos Jogos Vorazes?



Mais uma vez, me foi provado que preconceito não leva a lugar nenhum. Adiei demais essa leitura porque estava com o pé atrás, dizia para mim mesma que uma série tão falada só ia me decepcionar, que seria igual Crepúsculo, que não valia meu tempo. Admito, errei. 

A história é aquilo que eu pensava, um Big Brother (reallity show) onde os participantes se matam. Tem um triângulo amoroso, tem pessoas honradas e tem pessoas horríveis.

O que me surpreendeu foi a profundidade com que tudo foi descrito. Eu vi o filme antes de ler o livro, mas isso não afetou, consegui imaginar além do que foi mostrado no filme, embora tenha achado os dois excelentes.

Para mim, toda a primeira parte se passou numa iluminação cinzenta. A descrição sobre a vida no distrito, a fome, os personagens, os relacionamentos. O desespero de ser escolhido na Colheita, a ironia da cerimônia ser realizada em frente ao Edifício da Justiça, o gesto com três dedos sinalizando respeito.

A autora realmente pensou em como escrever esse livro, é rico em conteúdo. Como quando a Katniss lembra no trem indo para a Capital ao passar por túneis abaixo das montanhas que essa é a única entrada pelo leste, que foi decisivo na batalha anterior à divisão em distritos.

Os tordos, pássaros modificados capazes de imitar a entonação humana, usados na guerra para ouvir o que os rebeldes estavam planejando me fizeram pensar em leite condensado, por exemplo, que hoje nos traz muita felicidade em forma de brigadeiros, mas que foi uma invenção de guerra também. Sem falar nos computadores e internet, claro.

É impossível deixar de relacionar o mundo do livro com o mundo de hoje, pontos para a autora. A indústria da moda, a padronização, a valorização do belo. Eu amei o estilista da Katniss, o Cinna, mas detestei tudo o que ele significa. É como engordar o peru para comer no Natal. 

Se fosse obrigada a reclamar de alguma coisa desse livro, seria que gostaria de conhecer melhor alguns outros personagens. No livro, temos só a perspectiva de Katniss, enquanto que no filme acabamos conhecendo melhor os Idealizadores do evento, o mentor Haymitch e até o Gale. Espero ter mais disso nos outros dois livros da trilogia.

Se você se encontrar na mesma situação em que eu estava, de birrinha com a fama da trilogia, larga disso e dá uma chance! 

Deixe sua opinião nos comentários! Gostou do livro? E do filme? 

Comentários

  1. Eu tb demorei pra ler a série! Gostei do que li, mas algumas coisas me incomodaram nos livros seguintes... Mesmo assim, é um bom livro. Prefiro, entretanto, os filmes. ;)

    Beijoooos

    Gleice
    www.murmuriospessoais.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu pretendo pegar os próximos livros assim que terminar os livros da Maratona Literária. Já estou com o pé atrás porque ouvi dizer que A Esperança decepciona haha
      Beijos!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Vi na Livraria | A Taberna - Émile Zola

Um livro depravado do século XIX.