Pular para o conteúdo principal

Filme | RoboCop (2014)

Olá, tudo certo por ai?


                Hoje vou falar do novo RoboCop, do diretor brasileiro José Padilha. Aviso logo de inicio que dessa vez não será apenas uma resenha sobre o filme, e sim uma comparação entre esse e o primeiro RoboCop.



                Pra inicio de conversa, vamos para a famosa ficha técnica:

Título Original: RoboCop
Lançamento: 21 de Fevereiro de 2014 (no Brasil)
Com: Samuel L. Jackson, Gary Oldman, Michael Keaton, Joel Kinnaman e mais...
Dirigido por: José Padilha
Duração: 117 minutos
Gênero: Ação. Drama. Ficção Científica.
Sinopse: O ano é 2028 e o conglomerado multinacional OmniCorp está no centro da tecnologia robótica. No exterior, seus drones têm sido usados para fins militares há anos, mas na América, seu uso foi proibido para a aplicação da lei. Agora a OmniCorp quer trazer sua controversa tecnologia para casa, e buscam uma oportunidade de ouro para fazer isso. Quando Alex Murphy (Joel Kinnaman) – um marido e pai amoroso, e um bom policial que faz seu melhor para conter a onda de crime e corrupção em Detroit – é gravemente ferido no cumprimento do dever, a OmniCorp vê sua chance para criar um oficial de polícia parte homem, parte robô. A OmniCorp prevê a implantação de um Robocop em cada cidade para assim gerar ainda mais bilhões para seus acionistas, mas eles não contavam com um fator: ainda há um homem dentro da máquina.


AVISO: POSSIVEIS SPOILERS DE AMBOS OS ROBOCOP (1987 E 2014).

                Não consigo me imaginar escrevendo essa pequena (des)análise, sem soltar alguns pequenos spoilers. Então se considere avisado, e continuar a partir daqui é por sua conta em risco.
                O RoboCop do Padilha é um remake ou uma refilmagem do RoboCop de Paul Verhoven lá de 1987, um filme inovador para a época, e com muitas cenas de ação, e também com cenas fortes.
                No filme original estamos dentro de uma crise econômica sem precedentes, a criminalidade aumenta incrivelmente rápido. A policia de Detroit não consegue mais dar conta da segurança, uma crise no departamento de policia é iminente. Uma empresa aparece com a solução, um policial meio homem, meio robô. Alex Murphy (o protagonista) No filme de 1987 é um policial recém chegado ao DP de Detroit, e é quase morto numa tentativa de prender uma quadrilha de marginais procurados. Murphy é “salvo” pela Omnicorp, que o transforma em RoboCop.
                Nesse primeiro RoboCop, temos também uma busca de Murphy em se encontrar novamente, buscar novamente sua humanidade, afinal ele não é somente um robô, ele ainda é um ser humano, e essa busca por autoconhecimento marca bastante o filme.
                Já no remake de Padilha, temos uma Detroit não tão violenta, a crise nos departamentos de policia da cidade não é tão visível assim. Também tem uma lei que proíbe o uso de maquinas nas ruas, por elas serem sem emoção e agirem friamente, mesmo elas se mostrando muito útil em outras partes do mundo. A Omnicorp é a empresa que é dona desses robôs de segurança, decide incorporar um lado humano com a brecha de um policial praticamente morto. Ai vem o nosso protagonista, Alex Murphy, nesse remake, ele já é um policial da área, que investiga como armas já apreendidas pelo departamento estão voltando as ruas, e por chegar perto dos culpados, acaba sofrendo um atentado que o deixa praticamente morto (a brecha que a Omnicorp queria). Assim ele se torna o RoboCop.
                Esse RoboCop, diferente do primeiro, não busca autoconhecimento (não quer dizer que ele vai atrás da sua humanidade), afinal ele já sabe do atentado que quase custou sua vida.
                Quando se pensa em RoboCop em ação, já se imagina que os “caras maus” irão sofrer. Quando ele puxa a arma, também já se imagina que os caras irão virar pedaços de carne, de tanto tiro que irão levar. A ação é a essência do RoboCop. Porém, nesse não, a câmera foge da ação, não se vê tiros muito menos sangue. Talvez a cena mais “estilo RoboCop” é no seu treinamento, onde ele atira em outros robôs. Dessa vez, quando ele sacar a arma, ou a câmera ira cortar e fugir da ação, ou ele ira dar um choque no inimigo. Porque esse RoboCop usa uma arma taser. Sim, isso mesmo, uma arma taser, você não leu errado.
                Um pequeno parênteses sobre a ação do filme, apesar da câmera fugir e a falta do “estilo RoboCop”, a cena no escuro eu achei sensacional.
                Mas continuando. Acho que a história, por se focar demais na relação homem x maquina (Murphy x maquina), acaba escorregando e ficando rápida demais quando vai discutir aquilo que veio que é sua critica politica e social, corrupção e etc e tal.
                Resumindo, é um filme razoável e da pra se entreter tranquilamente com ele. Eu recomendo assistir se você não tiver nada melhor pra fazer.
                Talvez comparar ambos os RoboCop como eu fiz seja errado, mas quando o próprio remake fica te lembrando a cada 10 ou 15 minutos o filme original, a comparação se torna inevitável. 

Bah único: “Dead or alive you come with me.”

Farei diferente de agora em diante, no final de cada resenha ou critica, irei colocar uma nota do que eu achei do filme. Deixando claro que é a minha opinião, e todos têm o direito de concordar ou discordar. Dito isso a nota de RoboCop (2014) é:

Estrelas

E você, já assistiu algum RoboCop? O que achou? Não poupe seu teclado, deixe um comentário.
Ah, e não se esqueça de indicar um filme para minha próxima (des)análise, aqui nos comentários ou no twitter @raulqsg
Valeu e até a próxima.


Comentários

  1. Oie, tudo bom?
    Eu assisti o filme, mas não é muito meu estilo. Achei que a história focou demais no próprio drama do personagem e esqueceu de mostrar mais ação durante o filme. Gostei muito da resenha.
    Beijos!
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, tudo ótimo e vc?
      Realmente, o filme focou demais no drama do personagem principal, até por isso acho que ele pecou nesse ponto. Até porque é nítido que o Padilha queria falar mesmo de corrupção e tal, assim como vez em Tropa de Elite.
      E também, falta ação no filme inteiro D:
      Abraço e obrigado ;D

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Os Instrumentos Mortais - Cassandra Clare (parte 2)

Se vocês viram a parte 1 sobre Os Instrumentos Mortais, vocês sabem que eu dividi a série em duas trilogias para comentar por aqui. Naquele post eu explico que, na minha opinião, essa divisão é viável e facilita para comentar sem dar spoilers. Lembrando que terá spoilers dos livros anteriores.
Os três últimos livros da série são: Cidade dos Anjos Caídos, Cidade das Almas Perdidas e Cidade do Fogo Celestial.
Bom, quero começar falando que graças a Deus no terceiro livro "descobrimos" que a Clary e o Jace não são irmãos. Eu já comentei na parte 1 que isso tinha ficado óbvio para mim desde o momento em que a autora resolveu dar essa guinada na história. Achei desnecessário, inacreditável e me irritou muito quando estava lendo.

Nessa segunda trilogia, há uma troca de vilões, agora Sebastian mostrou a que veio. Que, sinceramente, também é perceptível ao leitor desde que o personagem é introduzido.

Porém, tirando Cidade dos Anjos Caídos, que eu não gostei nada, acho que a história…