Pular para o conteúdo principal

Resenha | A Menina Mais Fria de Coldtown - Holly Black

Editora: Novo Conceito
Páginas: 384
Estrelas: ✬✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2013 com o título de The Coldest Girl in Coldtown


No mundo de Tana existem cidades rodeadas por muros são as Coldtowns. Nelas, monstros que vivem no isolamento e seres humanos ocupam o mesmo espaço, em um decadente e sangrento embate entre predadores e presas. Depois que você ultrapassa os portões de uma Coldtown, nunca mais consegue sair. Em uma manhã, depois de uma festa banal, Tana acorda rodeada por cadáveres. Os outros sobreviventes do massacre são o seu insuportavelmente doce ex-namorado que foi infectado e que, portanto, representa uma ameaça e um rapaz misterioso que carrega um segredo terrível. Atormentada e determinada, Tana entra em uma corrida contra o relógio para salvar o seu pequeno grupo com o único recurso que ela conhece: atravessando o coração perverso e luxuoso da própria Coldtown. A Menina Mais Fria de Coldtown, da aclamada Holly Black, é uma história única sobre fúria e vingança, culpa e horror, amor e ódio.


Esse é o segundo livro da autora que eu leio, você pode conferir a resenha de Boneca de Ossos aqui. Ambos tratam de temas paranormais com a diferença de que aquele é destinado ao público infantil e este para jovens adultos.

A autora cria um mundo bem diferente e interessante. Nesse mundo, vampiros fazem parte do dia-a-dia da sociedade, não são aceitos, mas existem e são conhecidos. Eles ficam contidos em Coldtowns, cidades sitiadas sob vigilância governamental. Vampiros e humanos vivem nessas cidades, basicamente, tocando o horror em festas opulentas e sanguinárias.

Tana acorda numa banheira, na manhã seguinte a uma festa, e descobre que sobreviveu a um ataque de vampiros, todos os seus amigos estão mortos, exceto um ex-namorado, Aidan, que está infectado. Pessoas infectadas ainda não são vampiros e não podem transmitir o vampirismo, eles só se tornam vampiros bebendo sangue humano.

Tana resolve salvar Aidan e um vampiro que estava com ele num quarto da casa onde essa festa aconteceu e eles fogem, tentando ir até uma Coldtown, numa tentativa de não espalhar mais a infecção, nem atacar seus familiares e conhecidos. Tana acredita que a pior coisa que pode acontecer com uma pessoa é se tornar um vampiro, um não-humano cruel e sanguinário.

Eu poderia escrever um texto gigantesco sobre essa história, afinal, o que contei acima é só o inicinho de uma aventura muito legal, explorada ao máximo pela autora. Seus personagens tem seus backgrounds esmiuçados, trazendo profundidade para a história.

Esse vampiro que a Tana resolve salvar, chama-se Gavriel. O livro também é escrito sob o seu ponto de vista, mas do seu ponto de vista passado, desde quando ele se tornou vampiro. A partir dele, a autora cria as bases da história, sobre como o mundo se tornou do jeito que está com as Coldtowns.

Outro aspecto muito interessante é que o vampirismo não só está presente no mundo, como é utilizado pela ciência e pela mídia desse mundo. Existe um vampiro que faz transmissões via internet de festas em sua mansão de dentro de uma Coldtown e isso vira um estilo de vida, com seguidores, aspirantes à vampiros e toda uma subcultura. Achei muito legal o que a autora fez nesse sentido, explorando as novas mídias digitais.

O livro é bem dark, cheio de sangue e violência. Tem aspectos de romance, mas vai muito além disso, traz a sexualidade vampiresca também. Ele é cheio de personagens complexos que acrescentam à história. Gostei das temáticas trazidas, achei o ritmo de desenvolvimento interessante e ouvi dizer que é uma série, embora esse livro sirva como stand alone perfeitamente, nada de cliffhangers dolorosos ao final.

Cada capítulo se inicia com um quote sobre a morte, eles são curtos e cheios de ação. O livro, como um todo, tem um ritmo rápido de leitura. Recomendado para quem gosta da temática vampiresca. Gostei muito mais deste livro do que de Boneca de Ossos, gostei do tom dark com o qual ele foi escrito.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga também pelo twitter e instagram @alpargatas13

Comentários

  1. Este livro está na minha lista faz bastante tempo. Quero muito ler os livros da Holly, vou ler Boneca de Ossos logo por causa que ele está na biblioteca da escola. Gosto da ideia de vampiros, mesmo que poucas vezes o jeito como as pessoas mexem nessa coisa não me agrada. Mas acho que vou gostar desse livro, irei comprar o quanto antes ♥
    photo-and-coffee.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal que a biblioteca da sua escola tem livros atuais! Confesso que nunca achei nada remotamente atual nas prateleiras da minha biblioteca :/
      Eu adorei essa leitura, o jeito como os vampiros foram explorados. Espero que vc goste tb!

      Bjs!

      Excluir
  2. Lendo agora e adorando. Tomara que seja uma série mesmo...mais uma para colecionar! Bjos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | Eu Fui a Melhor Amiga de Jane Austen - Cora Harrison

Editora: Rocco
Páginas: 320
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2010 com o título de I Was Jane Austen's Best Friend

Chega ao Brasil o livro: "Eu fui a Melhor Amiga de Jane Austen" da autora Cora Harrison. A história tem o objetivo de introduzir os mais jovens ao empolgante mundo dos livros de Jane Austen. O livro traz uma combinação entre fatos históricos e ficção, apresentando a relação entre as adolescentes Jane Austen e sua prima Jenny Cooper.

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.