Pular para o conteúdo principal

Série | Orange is the New Black - Primeira Temporada

Olá, tudo certo por aí?


                Dessa vez escolhi um seriado da Netflix pra comentar, criticar e fazer você se apaixonar, ou não. E o escolhido é Orange is the New Black. Como sempre, antes a fichinha:

Título Original: Orange is the New Black
Dirigido por: Andrew McCarthy, Jodie Foster e Michael Trim
Emissora: Netflix
Elenco: Jason Biggs, Kate Mulgrew, Natasha Lyonne e mais...
Gênero: Biografia, Comédia e Drama.
Duração: 60 minutos (Cada episódio)
Enredo: Baseada nas memórias de Piper Kerman, Orange contará a história de Piper Chapman (Taylor Schilling), que vai para a prisão depois de ser condenada por ter ajudado sua namorada traficante de drogas na época da faculdade e precisa aprender a viver no ambiente pesado de uma prisão federal feminina.



                
Classificação: 16 Anos – Não recomendado para menores de 16 anos

                Pois bem, tenho tentando trazer mais critica de seriados para cá, mas tenho encontrado uma gigantesca dificuldade em escrever. Diferente dos filmes, seriados não tem seu desenrolar em duas horas, cada episodio conta uma parte da história, e suas temporadas costumam ter 24~25 episódios por vez.
                Mas encontrei nesse seriado da Netflix que conta com 13 episódios de uma hora cada, que na verdade para mim, se transformou em um filme de 13 horas, que se eu pudesse, teria assistido initerruptamente. Talvez por não se preocupar com pausas, hiatos, intervalos e tantas outras coisas que atrapalham na televisão Orange is the New Black tenha causado essa impressão a mim.
                Orange is the New Black é baseada no livro de Piper Kerman e adaptada para a telas por Jenji Kohan, a série acompanha Piper Chapman, uma moradora do Brooklyn cuja uma antiga relação com a traficante Alex (Laura Prepon) resulta em sua prisão. Sem nenhuma experiência para lidar com esse ambiente da prisão, ela tenta entender mais sobre a cultura das prisões femininas, passando assim por varias mudanças em sua própria personalidade, alguma delas bem drásticas, enquanto cumpre sua sentença.
                Diferente de outros seriados estrelados por mulheres como, Sex and the City e Desperate Housewives (não lembrei de mais nenhum). Orange is the New Black aborta assuntos universais e assim consegue conquistar a audiência de diferente tipos de pessoas, que, por exemplo, não assistiriam os seriados citados acima.
                Outro ponto pra série é manter a comédia dentro de seus episódios. Essas séries dramáticas com seus pontos cômicos estão cada vez mais comuns. Enquanto algumas séries de comédia de duração de 20~30 minutos deixa muito a desejar na sua comédias, os dramas de 40~60 minutos estão cada vez mais usando dessa parte cômica para poder dar um ritmo interessante que acabam prendendo muito bem o telespectador.
                Determinada a mostrar que cada detenta tem uma historia de vida diferente da mostrada dentro da prisão, a série utiliza de flashbacks para mostrar a vida fora, como famílias e as vezes o motivo pela qual elas foram parar na prisão. Em seus primeiros episódios esse formato de flashback funciona muito bem, mas a medida que o circulo de “amizade” da protagonista Chapman vai aumentando, os flashbacks começam a ficar fora de contexto, e muitas vezes acabam entrando em momentos errados. Essa introdução errada da vida flashbackiana das detentas acaba quebrando um pouco o ritmo de alguns episódios, mas nada que venha a estragar a experiência em assistir a série.
                Os 13 episódios da primeira temporada de Orange is the New Black introduzem muito bem a vida e a trajetória de Chapman na cadeia. Mas no entanto, se tivesse permanecido o foco em um grupo menor de mulheres, talvez o nosso relacionamento com as personagens fosse um pouco melhor.
                Espero que a segunda temporada tenha aprendido com os pequenos errinhos da primeira. Segunda temporada que pretendo começar a assistir hoje ainda, e logo trazer uma analise pra vocês.

                Orange is the New Black conta com duas temporadas de 13 episódios cada com duração de 60 minutos cada. E minha nota para a primeira temporada é:
✬ 4 estrelas

E você já assistiu Orange is the New Black? O que achou? Não poupe seu teclado, deixe um comentário.

Comentários

  1. Gostei muito da resenha Raul! Eu embarquei na onda de OITNB graças ao tanto que falavam da série. E não me arrependo! Um seriado com muitas personagens interessantes e que são muito bem exploradas na trama. Piper, mais que uma protagonista, é uma ferramenta onde todas as "protagonistas" se unem na história. Apesar de ter no elenco 95% de mulheres, qualquer homem pode assistir a produção sem medo. Com humor e tensão na hora certa, não foi a toa que "devorei" a 1ª e 2ª temporadas em pouco tempo. E com o encerramento perfeito da segunda, estou roendo as unhas pela 3ª!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Eu Fui a Melhor Amiga de Jane Austen - Cora Harrison

Editora: Rocco
Páginas: 320
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2010 com o título de I Was Jane Austen's Best Friend

Chega ao Brasil o livro: "Eu fui a Melhor Amiga de Jane Austen" da autora Cora Harrison. A história tem o objetivo de introduzir os mais jovens ao empolgante mundo dos livros de Jane Austen. O livro traz uma combinação entre fatos históricos e ficção, apresentando a relação entre as adolescentes Jane Austen e sua prima Jenny Cooper.