Pular para o conteúdo principal

Mini-Opinião | Princesas e Damas Encantadas - Joseph Jacobs


Editora: Martin Claret
Páginas: 134
Estrelas: ✬✬✬✬
Publicado em 2013.


Diferentemente do estereótipo de princesa que conhecemos - mulher frágil e sempre à espera de um bondoso e belo cavaleiro que a proteja, as princesas celtas são mulheres corajosas que enfrentam os mais temíveis perigos para conquistarem a felicidade. Elas combatem bruxas tiranas, recusam casamentos forçados, lutam pelos homens que amam e até mesmo os salvam de emboscadas. São espertas, hábeis e cheias de truques de magia. Em Princesas e damas encantadas, estão reunidos contos da cultura celta que foram recolhidos da tradição oral e recontados por Joseph Jacobs, folclorista e estudioso dos mitos e lendas britânicos. Constituem este volume 12 contos de princesas muito corajosas e de damas misteriosas e mágicas. Aqui, revelam-se outras versões para muitas histórias que você conhece, ou imaginava conhecer. 


Eu estou colecionando esta série de livros de contos publicada pela Martin Claret. Todos tem um trabalho gráfico lindo - aliás, a editora tem feito edições lindíssimas - com vários detalhes, páginas amareladas e confortáveis de ler.

Neste livro, há uma reunião de contos celtas sobre damas e princesas. São oito contos no total. Alguns, eu adorei, outros nem tanto.

O que eu mais gostei de perceber com esta leitura é que existem certas fábulas que permeiam o imaginário de várias culturas. Em alguns contos, senti que já conhecia esta história, mas mesmo assim, elas tem um diferencial, que a coloca na cultura celta. Gostei bastante da leitura e recomendo!


E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora: Faro Editorial Páginas: 128 Estrelas: ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831.

A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro até mesmo para desmasc…

Resenha | Édipo Rei e Antígona - Sófocles

Editora: Martin Claret
Páginas: 143
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em (aproximadamente) 427 a.C.

Sófocles foi um dos maiores poetas dramáticos da Grécia antiga. Édipo Rei (c. 430) narra a tragédia do homem que, perseguido pelo destino traçado pelos deuses, mata o pai e casa-se com a própria mãe. Antígona (c. 442) é a tragédia da boa filha que morreu por obedecer aos mandamentos divinos em contraposição à vontade despótica de um tirano.