Pular para o conteúdo principal

Resenha | Razão e Sensibilidade e Monstros Marinhos - Ben H. Winters


Editora: Intrínseca
Páginas: 320
Estrelas: ✬✬✬✬
Publicado em 2009.


Nesta obra, as irmãs Dashwood são expulsas do lar em que passaram a infância e enviadas para viver na Ilha Pestilenta, local repleto de criaturas selvagens e segredos obscuros. Enquanto a sensata Elinor se apaixona por Edward Ferrars, sua romântica irmã Marianne é cortejada por dois pretendentes ao mesmo tempo: o vistoso Willoughby e o medonho coronel Brandon, parte homem, parte polvo. Conseguirão as irmãs Dashwood triunfar sobre matriarcas intrometidas e patifes inescrupulosos e encontrar o verdadeiro amor? Ou se tornarão vítimas dos tentáculos que estão sempre a lhes agarrar os calcanhares?

Eu já li e adorei o Orgulho e Preconceito e Zumbis, então, não poderia deixar de ler seu "coirmão". Adianto que gostei muito deste também.

Mas primeiro, vamos esclarecer algumas coisas. Como o próprio título já fala, trata-se de uma adaptação da história original com monstros marinhos. Se você é daqueles que acreditam que é falta de criatividade, é um abuso, que qualquer-outra-coisa, NÃO LEIA! Agora, eu li alguns comentários no skoob a respeito desse livro que são de chorar ou de morrer de rir, a interpretação é livre, seguem:

    "Nossa, como podem acabar com um clássico da literatura, assim. Deu nos nervos. Nem consegui terminar a leitura. Penso que se um autor não tem criatividade própria, pode até se basear no tema principal de uma história, mas jamais maculá-la desta forma. Ridículo."

Ou:

    "Como alguém pode fazer um absurdo desses a uma obra tão boa (como qualquer outra de Jane Austen)? Do mesmo jeito que colocaram zumbis em Orgulho e Preconceito, fizeram esse desastre em Razão e Sensibilidade! Um total absurdo! Horrível, larguei a leitura na metade!"

Sério, tá lá no skoob para quem quiser ler. Por isso, eu quero deixar bem claro: se você compartilha dessas opiniões, NÃO LEIA! É simples assim. O propósito do livro está no título e na capa.

Agora, falando dos méritos do livro. Eu rolei rindo com ele, assim como com Orgulho e Preconceito e Zumbis. Neste livro, é como se houvesse uma revolta dos seres do mar contra os humanos, que os mantém em constante batalha. Então, a história original é bastante alterada para fazer isso acontecer. Ah, e também tem piratas! 

Partindo do original da Jane Austen, somente as linhas gerais se mantém. Os personagens e grandes eventos permanecem, mas de resto, muita coisa foi alterada. Pobre do Coronel Brandon que não bastasse ser velho, viúvo, agora tem tentáculos no rosto (vide a capa).

Uma coisa que mudou bastante, mas que ficou bem legal foi a história que o autor criou para a irmã Dashwood que quase não aparece na história original, a Margaret. Tem alguma coisa estranha acontecendo no novo lar das Dashwood que somente ela nota e lá-vem-treta!

Permanece sendo uma comédia de costumes e também trata das diferenças entre a Marienne e a Elinor. A mãe das irmãs me parece que ganha mais destaque também (confesso que faz um certo tempo que li Razão e Sensibilidade original). Willoughby continua o mesmo, e é o protagonista das cenas mais engraçadas também.

Então, é um ótimo livro de divertimento. Eu tenho comentado que se essas histórias fossem filmes, talvez eu não gostasse - não sou muito de filmes de comédia. Mas como livros são engraçadíssimos e eu vou continuar explorando livros que brincam com os clássicos, já tenho 3 outros engatilhados, só aguardando.

Concluo dizendo que, sim, é uma avacalhação da história original e se você não gosta disso por qualquer motivo, não se dê o trabalho de lê-lo. Mas se você, como eu, adora as adaptações das obras de Jane Austen, leia, é muito divertido!



E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | Eu Fui a Melhor Amiga de Jane Austen - Cora Harrison

Editora: Rocco
Páginas: 320
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2010 com o título de I Was Jane Austen's Best Friend

Chega ao Brasil o livro: "Eu fui a Melhor Amiga de Jane Austen" da autora Cora Harrison. A história tem o objetivo de introduzir os mais jovens ao empolgante mundo dos livros de Jane Austen. O livro traz uma combinação entre fatos históricos e ficção, apresentando a relação entre as adolescentes Jane Austen e sua prima Jenny Cooper.

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.