Pular para o conteúdo principal

Leituras da Semana #34


Mais uma semana que passa. Estamos beirando novembro, que com certeza passará numa piscada.


Foram 1.764 páginas lidas. Começando por A Escola do Bem e do Mal, que amei demais. Usando contos de fadas, o autor explora amizades femininas - que são conturbadas, convenhamos. O segundo livro desta série já foi lançado, espero ler em breve.


Depois, para concluir o Desafio Fuxicando Sobre Chick-Lits, li Tem Alguém aí? da Marian Keyes. Acho que era o único da família Walsh que ainda não tinha lido. A Marian é uma das minhas autoras de chick-lit favoritas.


Depois, poesia. A Rosa do Povo. Não vou resehar, por motivos de: não sei entender poesia. Enquanto algumas falam comigo, outras não fazem o menor sentido.

Eu deveria ter lido este livro pro vestibular, mas foi o único que deixei para trás. Devidamente lido, agora.


O último romance da Jane Austen que faltava ler, Persuasão. Não é meu preferido, mas é ótimo, como todos os livros da Jane.

Ainda me falta ler as Obras Inacabadas e Lady Susan.


Eu estava tão ansiosa por este livro e me decepcionei um pouco. Falarei mais na resenha.


Finalmente! Finalmente! Finalmente!

Terminei No Caminho de Swann, primeiro volume do Em Busca do Tempo Perdido. Não posso dizer que é uma leitura fácil, mas só pela maneira como sentimentos são explorados neste livro, vale o esforço.


E por fim, Medida por Medida. Outra recomendação de professores. A maneira com que o Shakespeare explora a justiça e os julgadores neste livro é bem fascinante de se ler em tempos de ativismo judicial. Gostei muito!


E foi tudo isso! O que você tem lido?
Siga o blog!
Instagram | Skoob | Twitter | Youtube



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Os Instrumentos Mortais - Cassandra Clare (parte 2)

Se vocês viram a parte 1 sobre Os Instrumentos Mortais, vocês sabem que eu dividi a série em duas trilogias para comentar por aqui. Naquele post eu explico que, na minha opinião, essa divisão é viável e facilita para comentar sem dar spoilers. Lembrando que terá spoilers dos livros anteriores.
Os três últimos livros da série são: Cidade dos Anjos Caídos, Cidade das Almas Perdidas e Cidade do Fogo Celestial.
Bom, quero começar falando que graças a Deus no terceiro livro "descobrimos" que a Clary e o Jace não são irmãos. Eu já comentei na parte 1 que isso tinha ficado óbvio para mim desde o momento em que a autora resolveu dar essa guinada na história. Achei desnecessário, inacreditável e me irritou muito quando estava lendo.

Nessa segunda trilogia, há uma troca de vilões, agora Sebastian mostrou a que veio. Que, sinceramente, também é perceptível ao leitor desde que o personagem é introduzido.

Porém, tirando Cidade dos Anjos Caídos, que eu não gostei nada, acho que a história…